OPINIÃO
22/01/2016 17:33 -02 | Atualizado 27/01/2017 00:31 -02

Quer igualdade de verdade? Faça com que todos sejam poderosos

Reprodução

Eu acabei de ouvir uma história que eu adoro. Ela vem de Ali Raza Khan, um empreendedor social Ashoka que trabalha para reformar a educação no Paquistão.

No ano passado ele desafiou 6,000 estudantes pobres de 74 escolas vocacionais do governo a criarem empreendimentos dentro de um mês. Ele foi até eles e disse: "Eu acredito em vocês. Vocês podem todos começar seus negócios e projetos sociais e vocês podem ter sucesso." Ele disse isso para todos os estudantes em todas as escolas, nenhum dois quais vinha de família privilegiada.

Ele os ajudou a se organizarem em equipes colaborativas e então eles começaram a compartilhar ideias, ajudando uns aos outros, construindo coisas juntos. Ele baniu os treinamentos convencionais porque, segundo ele, nesse modelo alguém diz a você o que deve fazer. A sua organização ofereceu um capital semente modesto para cada equipe, concordando em absorver quaisquer perdas.

Um mês depois, mais de 80 por cento dos estudantes tinham empreendimentos em funcionamento e dando resultados, sendo que pouquíssimas equipes não tiveram êxito.

Eu amo essa história pois ela mostra que o problema não são os jovens - somos nós. Nós criamos uma atmosfera venenosa quando dizemos aos jovens "vocês não podem" de tantas formas sutis e nada sutis. Eles podem - e eles devem!

Assim como Ali, quase todos os cerca de 1,000 Fellows Ashoka (de um total de 3,300) que trabalham com crianças e jovens fazem mais do que acreditar neles: eles garantem que sejam as crianças e jovens os encarregados pelas mudanças. Também o fazem 200 Escolas Transformadoras (Changemaker Schools) e 35 faculdades e universidades afiliadas à comunidade Ashoka. Os resultados são dramáticos e maravilhosos. Quando um(a) jovem pode ter um sonho, montar uma equipe e transformar seu mundo, ela ou ele será um(a) transformador(a), um(a) changemaker, por toda a vida, contribuindo repetidamente para solucionar os problemas que se mostram necessários. Ela ou ele nunca terá medo.

E haverá uma grande demanda por jovens assim. Nós vivemos num mundo em que a demanda por aqueles que conseguem se adaptar e contribuir para a mudança está acelerando exponencialmente, ao passo que a demanda por trabalho repetitivo está caindo na mesma velocidade.

Por muitos, muitos séculos, a regra do jogo era ter eficiência na repetição (pensem em linhas de montagem e escritórios de advocacia). Você aprendia uma habilidade, seja como cabeleireiro ou banqueiro, que você aplicava, limitado por muros, a vida toda. Uma pequena minoria orquestrava a grande maioria. A vida era guiada por regras.

No ambiente atual dirigido por mudanças, todos esses modos antigos estão passando por uma grande extinção.

Sucesso e realização agora estão nas equipes de equipes em rápida transformação - cujos membros observam, adaptam, identificam oportunidades e ajudam a construir e apoiar novas equipes de equipes em torno desses objetivos recém identificados.

Qualquer um que não consiga navegar nesse novo modo estará excluído. Você não poderá se realizar e contribuir com a sociedade se não for um transformador, um changemaker.

Quantas escolas, educadores e pais sabem que estão em falta com as novas gerações se suas crianças e jovens não estiverem praticando o que é ser transformador? E quantos sabem que a métrica educacional mais importante passou a ser: "Qual a porcentagem de estudantes de uma dada escola que sabem que são transformadores?"

Uma reforma educacional focada no acesso igualitário a um sistema obsoleto garante, na melhor das hipóteses, uma geração de fracasso. Tentar solucionar o desemprego de jovens "dando a eles as habilidades requeridas" é uma quimera.

Grandes pontos de inflexão sempre pegam as sociedades de surpresa.

E esta é a grande virada. Ela muda as mais básicas estruturas da sociedade. É bem maior do que qualquer revolução tecnológica.

E ela nos leva a um lugar maravilhoso. Um mundo em que todos são sujeitos transformadores ("everyone a changemaker") é um mundo:

• Em que os problemas não podem superar as soluções.

• Estruturalmente bem mais igualitário porque todos são poderosos.

• Onde todos, não apenas as elites afortunadas, podem expressar amor e respeito em ação - a raíz da felicidade e da saúde.

A alternativa a isto é um mundo raivoso e profundamente dividido.

O desafio para líderes - e para todos nós - é reconhecer e acolher o fato de que estamos em um ponto de inflexão, de grande virada - e agora mudarmos tudo, começando por como crescemos até como lideramos.

Este post integra a série "Thriving in a World of Change" (Prosperando em um Mundo de Mudança) produzida pelo The Huffington Post e pela Ashoka. A série é parte da cobertura, pelo The Huffington Post, da Reunião Anual do Fórum Econômico Mundial e trata de como, em uma era de mudança e conectividade sem precedentes, nós devemos fazer rapidamente a transição para um mundo em que todos contribuem, estando a ética da empatia no centro de tudo. Leia todos os posts da série aqui.

A fotografia de capa é retirada do filme "Revolutionary Optimists" (Otimistas Revolucionários, em tradução livre), um filme sobre o Fellow Ashoka Amlan Ganguly.

MAIS: Empreendedorismo, Liderança, Jovens, Ashoka, Ashoka Changemakers, Empatia, Futuro, Juventude, Agentes de Transformação, Transformadores, Trabalho em Equipe, Colaboração, Conexão.

Este artigo foi originalmente publicado pelo HuffPost US e traduzido do inglês.

Também no HuffPost Brasil:

A desigualdade de gênero no mercado de trabalho

SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS: