5 curiosidades sobre vinhos: Mito ou verdade?

"Quanto mais antigo for o vinho, melhor ele ser√°!" ūü§Ē ūü§Ē
Vinhos verdes n√£o s√£o verdes.
Vinhos verdes n√£o s√£o verdes.

√Č poss√≠vel dizer que, de todas as bebidas alco√≥licas que se v√™ por a√≠, o vinho √© o mais controverso! Isso porque muitos o tornam complexo demais, cada um tem uma opini√£o sobre tudo e sobra o "diz que me diz que".

S√£o v√°rias hist√≥rias e interpreta√ß√Ķes que chegam realmente a nos confundir. Tanto que escolhemos 5 boatos sobre vinhos para desvendar qual √© mito e qual √© verdade!

Os vinhos verdes s√£o verdes!

Mito. Os vinhos verdes s√£o vinhos que prov√™m da regi√£o do Minho, norte de Portugal, que √© conhecida como a Regi√£o Demarcada dos Vinhos Verdes. O local √© chamado assim por conta da bela e extensa vegeta√ß√£o, que empresta a sua cor para denominar os vinhos produzidos no local! Isso quer dizer que voc√™ encontra vinhos verdes brancos, tintos e at√© ros√©s! √Č poss√≠vel que voc√™ encontre tanto l√° quanto em qualquer outra parte do mundo alguns vinhos brancos com nuances verdeais, o que √© um indicativo de que se trata de um exemplar bem jovem ou rec√©m-produzido, mas nada tem a ver como o fato de ele ser um vinho de cor verde!

Vinhos rosés são uma mistura de vinhos tinto e branco

Parcialmente verdade. Ao elaborar o vinho rosé, o produtor pode se valer não apenas de um, mas de vários métodos, como a maceração curta, a sangria, a mistura de uvas tintas e brancas e a mistura de vinhos. Alguns produtores se valiam (e nada impede que se valham ainda hoje) da mistura de vinhos tinto e branco, mas a qualidade da bebida, ao final, pode ser bastante questionável. Hoje se ouve falar muito mais dos métodos da sangria e da maceração curta, tanto no Brasil quanto no exterior, cujos resultados são muito mais atraentes em termos de cor, aromas e sabor!

Todo champanhe é um espumante

Verdade. A regi√£o francesa Champagne faz parte do sistema Appellation d'Origine Contr√īl√©e (AOC), no qual h√° um r√≠gido controle de qualidade na produ√ß√£o de certos produtos, os quais podem levar o nome do local que os produziu. No caso dos vinhos espumantes feitos em Champagne, eles devem seguir um padr√£o de cria√ß√£o que, entre outras coisas, estabelece qual o m√©todo de produ√ß√£o deve ser seguido e as uvas que podem ser utilizadas.

Seguindo tais regras de controle, os espumantes l√° produzidos ser√£o chamados de champanhe.

Fora dessa região, ainda que se valendo do mesmo processo e das mesmas uvas, a bebida não poderá receber tal designação (ou seja, ela poderá ser chamada de espumante, sparkling wine, o que for, exceto champanhe).

Logo, todo champanhe é um espumante, mas nem todo espumante é um champanhe!

Rolha de cortiça é melhor do que tampa

Mito. O que ocorre é que cada tipo se presta para uma função. As tampas são ótimas vedantes para vinhos brancos, rosés e tintos leves e jovens, ou seja, exemplares que já estão prontos para serem consumidos. Isso porque a tampa veda completamente a garrafa, impedindo qualquer oxigenação, o que mantém a integridade da bebida. A tampa tem uma vantagem grande sobre a rolha que é impedir a contaminação do vinho pela doença da rolha (bouchonnè), além de inibir as chances de oxidação por infiltração ou rachadura da rolha.

Por outro lado, a rolha de cortiça é um grande ícone no mundo dos vinhos e é até item de colecionadores. Um dos maiores trunfos de se utilizá-la se dá pelo fato de ela ser porosa, o que permite que o vinho seja micro-oxigenado, ou seja, tenha um contato mínimo com o ar. Isso beneficia muito os exemplares que precisam de alguns ou de muitos anos de guarda para evoluírem e se tornarem incríveis!

Quanto mais antigo for o vinho, melhor ele ser√°!

Mito. A grande maioria dos vinhos é feita para ser consumida jovem, o que significa que se você resolver guardá-los por muito tempo, eles podem perder o vigor até o ponto de se tornarem impróprios para beber.

Por outro lado, há vinhos que realmente melhoram com o tempo e, por isso, são próprios para a guarda. Aliás, caso alguns deles sejam bebidos antes da hora, podem se revelar desagradáveis por serem muito ácidos ou muito adstringentes, por isso, precisam "evoluir" dentro da garrafa para atingir a sua excelência!

D√ļvidas sobre qual vinho √© para guarda e qual deve ser imediatamente consumido? Verifique essa informa√ß√£o na hora da compra. Algumas lojas online costumam informar o potencial de guarda, por exemplo. Mas saiba que a imensa maioria dos vinhos que est√£o √† venda √© de consumo imediato!

Compartilhe mais verdades e mitos conosco! Deixe seu coment√°rio a seguir.

*Este artigo √© de autoria de colaboradores ou articulistas do HuffPost Brasil e n√£o representa ideias ou opini√Ķes do ve√≠culo. Mundialmente, o HuffPost oferece espa√ßo para vozes diversas da esfera p√ļblica, garantindo assim a pluralidade do debate na sociedade.