Opinião

Nosso inimigo em Havana

Buscamos soluções imediatas, mas não há botox para a neurose. Freud separa a psique humana em três partes: o id, o ego e o superego, nosso censor interno e maior inimigo. Não fosse esse babaca, estaríamos todos dançando rumba, nus em Havana.
Esta postagem foi publicada na plataforma, agora fechada, do Colaborador do HuffPost. Os colaboradores controlam seu próprio trabalho, que são postados livremente em nosso site. Se você precisa denunciar este artigo como abusivo, envie-nos um e-mail.

O modelo desenvolvido por Freud separa a psique humana em três partes: o id, o ego e o superego, nosso censor interno e maior inimigo. Não fosse esse babaca, estaríamos todos dançando rumba, nus em Havana. Quando o ego (metido a lógico e racional) não consegue satisfazer as necessidades do id (que demanda satisfação imediata) e do superego (esse monstro repressor), a neurose é criada.

Buscamos soluções imediatas, mas não há botox para a neurose. Os doze passos (aos que me referi no ultimo post) oferecem alternativa a neuróticos exaustos e endividados com psicanalista. Podem servir para uns e não adiantar em nada para outros. Woody Allen acha patético. Em todo caso, vale compartilhá-los. É uma adaptação dos já conhecidos "12 passos dos Alcóolicos Anônimos" e que serve também para os Viciados em Amor e Sexo. Para nós, neuróticos, costuma ser problemático transferir o poder superior que entregamos ao superego para um outro (ainda não entendi como executar esse passo. Quem puder ajudar, agradeço, desde já).

Aí vão eles:

1. Admito que sou impotente perante minhas emoções - que perdi o domínio sobre a minha vida.

Esse passo foi relativamente fácil. Nunca acreditei ter poder sobre qualquer coisa que não um blog - e mesmo assim, verifica-se pelo número de visitantes deste, que a coisa não é bem assim.

2. Decido acreditar que um poder superior possa me devolver a sanidade.

Aqui é mais difícil, vivem em mim pelo menos dois superegos, às vezes três, que regulam a minha vida, já completamente entregue a eles. Vou deixar este passo para o final, quando eu conseguir finalmente, aniquilá-los.

3. Decido entregar minha vontade e minha vida aos cuidados desse poder superior.

Veja bem, não decidi nada. Eles é que decidem por mim.

4. Faço "destemido" (na medida do possível) inventário moral de mim mesma.

Ahã, vamos lá.

5. Admito perante o poder superior, para mim mesma e para outro ser humano, a natureza exata das minhas falhas.

Rônisson, meu superego gay e supervisor geral, está vibrante.

6. Me prontifico a deixar que o poder superior remova todos os meus defeitos de caráter.

Isso vem sendo tentado há anos, sem sucesso.

7. Humildemente peço ao poder superior que me livre das minhas (modestas) imperfeições.

Hahahahaha.

8. Faço uma relação de todas as pessoas que prejudiquei e me disponho a reparar os danos causados.

Depois de deixá-las bem culpadas!

9. Faço reparações diretas aos danos causados a tais pessoas, sempre que possível, salvo quando fazê-lo significar prejudicá-las ou a outrem.

Vamos com calma.

10. Continuo fazendo o inventário pessoal e, quanto estiver errada, admito prontamente.

Esse é mais pró-forma.

11. Procuro, através da prece e da meditação, melhorar meu contato com o poder superior.

Ok, juntos chegaremos lá.

12. Quando experimentar um despertar espiritual graças a estes passos, procurarei transmitir esta mensagem aos neuróticos e praticar estes princípios em todas as minhas atividades.

Já tomei a liberdade de começar a disseminação do meu parco conhecimento.

É isso. Neuróticos, uni-vos!