OPINIÃO
22/12/2014 09:58 -02 | Atualizado 26/01/2017 22:17 -02

Que tal fazer (e dar) um presente de Natal personalizado?

É bom poder comprar algo para quem você gosta, mas pode ser interessante estar aberto também à ideia de colocar a mão na massa e fazer algo você mesmo. Você pode se surpreender com habilidades que nem sabe que tem!

Thinkstock/Getty Images

Há uns dois anos atrás, próximo do Natal, quando faríamos o tradicional sorteio de amigo secreto em família, eu propus que fizéssemos algo diferente. A ideia era que ao invés de comprarmos presentes, cada um presenteasse seu amigo com algo que tivesse feito.

O objetivo não era levantar nenhuma bandeira anti-consumismo, mas o de fazer algo inusitado e divertido. Isso soou estranho para alguns, não porque eles se sentissem incapazes de presentear com algo que fizessem, mas simplesmente porque de antemão já imaginaram que várias pessoas da família não conseguiriam fazer algo.

À primeira vista, realmente, nem todo mundo aparentava ter talento pra isso, mas pensando bem, me pareceu que, com um pouquinho de criatividade, cada um descobriria algo interessante para fazer.

Fiquei imaginando o bolo gostoso que minha tia prepararia, a coletânea de músicas que meu tio montaria, a pintura que minha mãe faria, a foto que minha prima tiraria e o "vale-massagem" que eu poderia ganhar do meu marido... De qualquer forma, fui voto vencido. Mas não abandonei a ideia e decidi que eu mesma presentearia dessa forma.

É bom poder comprar algo para quem você gosta, mas pode ser interessante estar aberto também à ideia de colocar a mão na massa e fazer algo você mesmo. Você pode se surpreender com habilidades que nem sabe que tem!

Fazer o seu próprio presente dá trabalho é claro, mas é uma oportunidade pra quebrar a rotina e usar parte do seu tempo fazendo algo diferente do que faz no dia-a-dia. Pode ser também uma oportunidade para experimentar fazer algo novo. Eu resolvi experimentar algo que não fazia desde menina: colagem!

Arranjei uma caixa de sapato de papelão bem resistente, várias revistas velhas e imprimi algumas fotos de momentos legais em família. Com os recortes das revistas e fotos decorei a caixa para presentear meu marido. Foi preciso investir um pouco de tempo, mas nada que eu também não gastaria no trânsito ou enfrentando as filas do shopping às vésperas do Natal. Ficou original, além de ser um presente totalmente personalizado.

Depois disso, peguei o gosto pela coisa e elaborei outros presentes. Aprendi a usar um software para edição de imagens e personalizei um álbum de fotos e alguns calendários de parede.

A Nina, minha filha, então com 5 anos, também achou boa a ideia e veio me pedir ajuda para um presente que daria no amigo secreto da escola. Na internet descobri como fazer uma árvore de natal com origami e lá fomos nós. Eu que nem tenho lá muita habilidade com isso e mal sei pregar um botão, resolvi me arriscar.

A primeira árvore saiu meio torta, mas não desistimos e gostamos do resultado na segunda vez. Fizemos também uma colagem, que ela ajudou, fazendo uns desenhos, que reunimos com recortes de revista e fotos da família. Meu marido se juntou a nós e ensinou a Nina a fazer pulserinhas com miçangas e sementes, que ela presenteou as amigas.

Fazer um trabalho criativo e vê-lo finalizado é gratificante. E quem recebe o presente normalmente também valoriza o esforço. Eu mesma acabei recebendo alguns presentes assim.

Uma aluna nos deu uma linda toalha feita de tricô. Um outro aluno nos presenteou com um kusudama, um tipo de origami modular. Eu e meu marido gostamos tanto que pedimos para ele compartilhar o conhecimento e ensinar a nós e outros alunos. Para esse próximo Natal, coloquei em prática o que aprendi e fiz eu mesma diversos kusudamas para presentear. E literalmente, coloquei a mão na massa, fazendo biscoitinhos que minha mãe ensinou.

Pode ser que você tenha talento e faça uma verdadeira obra-prima ou então será apenas uma lembracinha, mas pra quem ganha o presente, na maioria das vezes o que conta é a intenção. Nos dias de hoje, em que ninguém parece ter tempo para nada, doar um pouquinho do seu tempo para alguém com algo que você mesmo fez é realmente precioso e não tem preço.

E então, que tal experimentar essa ideia para esse Natal?