OPINIÃO
16/07/2015 19:16 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:53 -02

O inverno está chegando: cientistas dizem que o Sol vai cochilar em 15 anos

NASA Goddard Photo and Video/Flickr
NASA image acquired October 14, 2011 The Solar Dynamics Observatory sends images of the Sun. This image taken by SDO's AIA instrument at 171 Angstrom shows the current conditions of the quiet corona and upper transition region of the Sun. Credit: NASA/SDO <b><a href="http://www.nasa.gov/audience/formedia/features/MP_Photo_Guidelines.html" rel="nofollow">NASA image use policy.</a></b> <b><a href="http://www.nasa.gov/centers/goddard/home/index.html" rel="nofollow">NASA Goddard Space Flight Center</a></b> enables NASA’s mission through four scientific endeavors: Earth Science, Heliophysics, Solar System Exploration, and Astrophysics. Goddard plays a leading role in NASA’s accomplishments by contributing compelling scientific knowledge to advance the Agency’s mission. <b>Follow us on <a href="http://twitter.com/NASA_GoddardPix" rel="nofollow">Twitter</a></b> <b>Like us on <a href="http://www.facebook.com/pages/Greenbelt-MD/NASA-Goddard/395013845897?ref=tsd" rel="nofollow">Facebook</a></b> <b>Find us on <a href="http://instagrid.me/nasagoddard/?vm=grid" rel="nofollow">Instagram</a></b>

Talvez seja o caso de começar a estocar os casacões de inverno: o Sol pode tirar um cochilo em 2030, precipitando o que os cientistas estão chamando de "mini era do gelo".

A professora Valentina Zharkova, da Universidade de Northumbria, apresentou a descoberta no Encontro Nacional de Astronomia, em Llandudno, País de Gales. A tecnologia moderna nos permite prever ciclos solares com muito mais precisão, e os modelos de Zharkova indicam que a atividade solar vai cair mais da metade entre 2030 e 2040.

Acreditava-se que atividade solar era causada por sistema de turbinas de fluidos em movimentos dentro do Sol. Em busca de um sistema de previsões mais preciso, Zharkova e sua equipe descobriram ondas magnéticas flutuantes em duas camadas do Sol. Estudando os dados das ondas duplas, diz ela, as previsões são muito mais precisas.

"Combinando as duas ondas e comparando-as com dados reais do ciclo solar atual, descobrimos que nossas previsões têm 97% de precisão", disse Zharkova, cujas descobertas foram publicadas pela Sociedade Astronômica Real.

Usando esse método, ela e sua equipe descobriram que haverá muito menos atividade solar nos ciclos 25 e 26, o que leva a um período prolongado de dormência solar.

"No ciclo 26, as duas ondas são completamente espelhadas - atingindo o ápice ao mesmo tempo, mas em hemisférios diferentes do Sol. A interação entre elas será disruptiva, ou seja, elas praticamente vão cancelar uma à outra. Prevemos que isso levará às propriedades de um 'mínimo de Maunder' ", disse Zharkova.

O mínimo de Maunder é o nome dado a período em que manchas solares são raras. Ele ocorreu pela última vez entre 1645 e 1715, quando cerca de 50 manchas solares foram observadas, quando o normal são 40 000. A época foi marcada por temperaturas brutalmente frias, que congelaram rios na Europa e na América do Norte.

Este artigo foi originalmente publicado pelo HuffPost US e traduzido do inglês.