Opinião

Primeiro mandamento: não dizer "eu te amo" em vão

Não há cura para corações partidos: um novo amor, o tempo, um livro, são paliativos e nada mais. Os laços de afetividade, quando se formam, ficam impregnados na memória, mancham a pele, a alma, como se fossem nódoa, ou tatuagem.
Esta postagem foi publicada na plataforma, agora fechada, do Colaborador do HuffPost. Os colaboradores controlam seu próprio trabalho, que são postados livremente em nosso site. Se você precisa denunciar este artigo como abusivo, envie-nos um e-mail.
a man holding a heart gift box...
a man holding a heart gift box...

Tornamo-nos eternamente responsáveis por aquilo que cativamos, já dizia Antoine de Saint-Exupéry, e isso deve ser levado a sério.

Não há cura para corações partidos: um novo amor, o tempo, um livro, são paliativos e nada mais. Os laços de afetividade, quando se formam, ficam impregnados na memória, mancham a pele, a alma, como se fossem nódoa, ou tatuagem.

Dizer "eu te amo" tem um preço, gera vínculos e expectativas mútuas. É como se os sujeitos firmassem um contrato e, a partir de tal ato, suas vidas mudam de rumo. O "eu" perde lugar para o "nós" e a mágica acontece - afinal de contas, o que é o amor, senão essa troca, esse contato entre os sujeitos?

Dito dessa forma parece exageradamente romântico, surreal. Só vai concordar comigo aqueles que já tiveram o coração partido. Por mais que o tempo passe, que as memórias desapareçam, sempre fica algo, um instinto, um receio. E, quando alguém nos surpreende com uma declaração de amor, a gente pensa duas, três vezes antes de entregar o jogo.

E fica aquela vontade de dizer: não faça isso em vão. Melhor ficar calado do que despertar no outro sentimento tão singular. E não, os relacionamentos não precisam ser eternos, não precisam resistir a toda e qualquer provação. O que se procura aqui é manter a seriedade do instituto do amor, conservar a sua pureza, as suas características básicas.

Afinal de contas, o amor só precisa ser infinito enquanto dure, como é dito no Soneto da Fidelidade, do grande poeta Vinicius de Moraes. Por isso, aconselho, não diga "eu te amo" em vão.

Acompanhe mais artigos do Brasil Post na nossa página no Facebook.

Para saber mais rápido ainda, clique aqui.

TAMBÉM NO BRASIL POST:

Piores erros de filmes: edição namoro