Opinião

No limite do amor

Como dizer para o seu coração: "Olha, chega de amar. Vira a chavinha"? Como resistir se, mesmo num terreno árido , ele insiste em crescer? Como arrancá-lo pela raiz, se ele te faz bem? Se acima de todas as imposições morais da sociedade, ele reina?
Esta postagem foi publicada na plataforma, agora fechada, do Colaborador do HuffPost. Os colaboradores controlam seu próprio trabalho, que são postados livremente em nosso site. Se você precisa denunciar este artigo como abusivo, envie-nos um e-mail.

Qual limite o amor deve respeitar? Quando ele deve dar um passo atrás, ouvir a razão, murchar e morrer? Como definir até onde ele deve ir? E se você acha que ele é correspondido, que é quando sua força se multiplica e ele jorra, como estancar? Se ele faz bem, ilumina sua vida, como fechar a janela?

Quando você se apaixona por um primo? Quando você se apaixona por alguém do mesmo sexo? Por alguém com problemas legais? Ou com problemas de vício? Quando você se apaixona por um@ ex de um@ amig@? Quando você se apaixona por alguém comprometido? Quando você é Helena e el@ é Páris? Quando você é Orfeu e el@ é Eurídice? Quando você é Capuleto e el@ é Montecchio? Quando a merda está anunciada?

Como dizer para o seu coração: "Olha, chega de amar. Vira a chavinha"? Como resistir se, mesmo num terreno árido , ele insiste em crescer? Como arrancá-lo pela raiz, se ele te faz bem? Se acima de todas as imposições morais da sociedade, ele reina?

Há apenas um limite possível a um amor verdadeiro. Quando ele para de ser correspondido. Se não é consensual, é vão. Murcha, seca, endurece e cai.