OPINIÃO
02/11/2018 13:07 -03 | Atualizado 02/11/2018 13:07 -03

Os motivos que levam as mulheres a congelar os óvulos

Carreira, saúde e relacionamento estão por trás da decisão.

Sistema reprodutivo feminino: congelar óvulos é opção para mulheres.
Nerthuz via Getty Images
Sistema reprodutivo feminino: congelar óvulos é opção para mulheres.

Deixar a maternidade em segundo plano e focar os esforços nos estudos e cursos no exterior para encontrar o emprego dos sonhos já foram os motivos pelos quais muitas mulheres saudáveis realizaram o congelamento dos óvulos. Um dos métodos mais comuns escolhidos pelos médicos especialistas em reprodução humana é a vitrificação, técnica de congelamento ultrarrápido que é menos prejudicial aos gametas e embriões.

Recentemente, um estudo apresentado por pesquisadores americanos da Universidade de Yale (EUA) tentou entender se a busca pela realização profissional ainda era o principal motivo que levava as mulheres a congelar seus óvulos. A pesquisa foi feita apenas com pacientes que alegaram motivações sociais e não de saúde.

Se antes se pensava que o investimento na carreira profissional era a principal razão para as mulheres adiarem uma gravidez, o estudo trouxe à tona uma nova justificativa. A maioria das mulheres já tinha atingido seus objetivos educacionais e de trabalho, mas entrando na faixa dos 30 anos ainda não haviam encontrado alguém com quem se relacionar de forma estável.

Após antropólogos entrevistarem 150 mulheres dos Estados Unidos e de Israel entre 2014 e 2016, eles concluíram que o mais novo motivo social para o aumento no congelamento de óvulos é a dificuldade de encontrar parceiros ou manter um relacionamento estável. Essa mudança social está fazendo mulheres buscarem cada vez mais por tratamentos em clínicas de reprodução para a preservação da fertilidade.

Além da motivação social para o congelamento dos óvulos, muitos homens e mulheres que descobrem algum tipo de câncer também acabam optando pela criopreservação. Nesses casos, é indicado pelo médico oncologista o acompanhamento com especialistas em reprodução humana para a realização do procedimento. O tratamento de preservação da fertilidade conta com técnicas avançadas, dando ao paciente tempo hábil para começar os procedimentos quimioterápicos ou radioterápicos.

No caso das mulheres, o procedimento é feito entre 10 e 15 dias antes do início do tratamento oncológico, e pode ser realizado em qualquer fase do ciclo sem que ela tenha que esperar a próxima menstruação. Os óvulos obtidos são preservados ou em alguns casos já são fertilizados e congelados por técnicas que não danificam de forma alguma as células.

Para os homens, o processo é bem mais simples: são recolhidas e armazenadas de duas a três amostras de sêmen em até cinco dias, garantindo uma boa reserva reprodutiva. Existem ainda técnicas de congelamento de tecido ovariano e tecido testicular que podem ser realizados em casos específicos.

O movimento da conscientização de homens e mulheres sobre o processo de congelamento é importante para sociedade, pois independentemente do motivo que levou à decisão pela criopreservação, ela possibilita a todos a chance de realizar o sonho de ter filhos quando quiserem.

*Este artigo é de autoria de colaboradores ou articulistas do HuffPost Brasil e não representa ideias ou opiniões do veículo. Mundialmente, o HuffPost oferece espaço para vozes diversas da esfera pública, garantindo assim a pluralidade do debate na sociedade.