OPINIÃO
05/03/2015 15:37 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:12 -02

#SomosTodasKarinnyOliveira: mais um caso de abuso e violência

A história dela é a de tantas outras. Após 12 anos de casamento e com dois filhos, em 2007 tomou coragem para pedir a separação devido à violência e humilhação às quais era submetida. O que ela não sabia é que o homem que por tantos anos abusou dela intimamente passaria a fazer da vida dela um inferno no judiciário. Além de perder a guarda dos dois filhos, foi condenada a pagar uma pensão alimentícia no valor de 80% do salário mínimo (Karinny é bolsista da Capes e recebe R$ 1,5 mil). Não tendo sido sequer citada da ação de execução teve sua ordem de prisão civil decretada pelo não pagamento de uma dívida acumulada no valor atual de R$ 12,7 mil.

community.livejournal.com/artsomofo_2005" data-caption="Mixed Media on cardboard, October 7, 2006Part of 2006 Artsomofo daily art making projectcommunity.livejournal.com/artsomofo_2005" data-credit="Lohan Gunaweera/Flickr">

Todos os dias, no mundo todo, mulheres sofrem algum tipo de violência simplesmente pelo fato de serem mulheres. Isso não é novidade e a aprovação do PL que transformou o crime de ódio contra a mulher em crime hediondo trouxe mais uma vez o assunto às primeiras páginas de nossas timelines.

A importância de lutarmos por direitos iguais e pelo fim da violência contra a mulher e de incorporarmos o conceito de que #oFeminismoSouEu é tema constante aqui no Blog e nas minhas rodas de debate.

Eu vivi a violência doméstica dentro de casa e conheço várias pessoas que, de uma forma ou de outra, também presenciaram casos de violência em suas próprias famílias. Por isso mesmo, sei também o quão difícil é se livrar dessa violência. O quão penoso e assustador pode ser tentar romper o ciclo pois, por incrível que pareça, desvencilhar-se do predador pode ser um pesadelo ainda maior do que a violência do convívio íntimo.

Até hoje eu não conhecia a história da Karinny. Quando ela me enviou uma mensagem pedindo ajuda eu não sabia ao certo que tipo de ajuda eu poderia oferecer, apenas sabia que um pedido de socorro de uma mulher em situação vulnerável não poderia ficar sem resposta. Combinamos pelo Face de nos falarmos e então liguei para ela de manhã.

Ao ouvir o seu relato a minha voz embargou. Me deu um nó na garganta e não foi de pena, não foi por ela estar vivendo uma situação tão difícil e infelizmente tão comum. Foi de emoção e admiração! Uma mulher, como tantas nesse Brasil e nesse mundo que sofrem as consequências não apenas do patriarcado e do machismo mas da política podre e da influência corrupta que ainda assola o nosso País. Uma mulher que não se deixou abater e não apenas teve coragem de sair de uma relação de abuso, mas que fez disso a sua causa! Que fez da sua dor e da sua luta a luta de muitas!

A história da Karinny é a de tantas outras. Após 12 anos de casamento e com dois filhos, em 2007 tomou coragem para pedir a separação devido à violência e humilhação às quais era submetida. Assim como na maioria dos casos, obteve a guarda dos filhos e deveria receber uma pensão do pai para as despesas com os menores.

Claro que, como todo predador que se preze, ele não se deu por vencido e frequentemente "insistia" (vocês sabem um que insistir significa nesses casos!) em um retorno. Como a maioria das vítimas Karinny cedeu algumas vezes e em todas a violência vinha novamente à tona. Como derradeira forma de ameaça, o ex passou a não pagar mais a pensão. O que a levou finalmente a recorrer à "Justiça" em 2011.

O que ela não sabia é que o homem que por tantos anos abusou dela intimamente passaria a fazer da vida dela um inferno no judiciário. Ao todo correm oito processos (número dos processos abaixo), sendo que em janeiro de 2012 além de perder a guarda dos dois filhos foi condenada a pagar uma pensão alimentícia no valor de 80% do salário mínimo (Karinny é bolsista da Capes e recebe R$ 1,5 mil). Não tendo sido sequer citada da ação de execução teve sua ordem de prisão civil decretada pelo não pagamento de uma dívida acumulada no valor atual de R$ 12,7 mil.

A decretação de prisão acabou gerando grande repercussão e comoção pública e, finalmente o caso ganhou visibilidade nas redes sócias e na imprensa (local, estadual, nacional e internacional), conseguindo o apoio dos Movimentos Sociais Feministas que fizeram uma Campanha de Arrecadação em prol da Karinny.

Nada disso impediu que a alienação parental continuasse, pois Karinny não tem notícias dos filhos deste de outubro de 2013 e considerando que passou mais de um ano sem vê-los (de 2012 a 2013) são quase 4 anos da mais dura e baixa forma de violência contra uma mãe!

Até pessoas próximas dela a julgaram por ter "escolhido" essa situação ao abandonar um marido que lhe proporcionava uma vida "boa" com direito a carro, casa, cartão de crédito. Quem se importa se o preço que ela pagava era o da sua própria dignidade, não é mesmo?

O caso de Karinny é uma sequência de nulidades e de absurdos jurídicos. Você pode estar aí se perguntando o porquê então!? O que há de errado nesses processos? Qual a pegadinha?

Bem, o ex-marido da Karinny é Promotor de Justiça do Estado de Pernambuco (cujo salário inicial de carreira é de R$ 19.383,87!).

O caso da Karinny dói em mim como mulher, como vítima de violência doméstica e como operadora do Direito! Dói saber que por mais leis que tenhamos ainda vivemos em uma realidade na qual as autoridades que deveriam servir usam sua função para serem servidos e para seus próprios objetivos escusos.

Mas o que eu gostaria de dizer à Karinny é o tamanho da admiração que tenho por mulheres como ela! E que embora ela esteja pagando o preço mais alto, que a luta dela servirá a muitas e que, no que depender de mim, não ficaremos caladas! Gostaria de dizer a ela que #SomosTodasKarinnyOliveira porque a violência contra ela é a uma violência contra todas nós!

E a você leitor e leitora deste blog, gostaria de pedir ajuda também... divulgue, repasse, contribua! Não se cale! Não deixe a dor e a luta dela serem em vão! Veja abaixo como ajudar!

Obrigada Karinny por compartilhar a sua dor comigo e por confiar em mim para contar a sua história!

Obrigada por não esmorecer e por brigar com todas as suas forças contra um sistema muito maior do que eu e você mas que precisa urgentemente mudar!

Quem quiser contribuir com o pagamento da "dívida" da Karinny pode enviar doações. As mesmas estão sendo recebidas na conta da irmã dela, Thays Lima de Oliveira

Banco 104

Caixa Economica Federal

Ag. 3016 OP 013

C/P 9317-0

Para saber mais sobre o caso e acessar os links e notícias citados acesse http://www.selfdh.com