OPINIÃO
10/02/2014 17:30 -02 | Atualizado 26/01/2017 20:51 -02

Agenda do Clima 2014

Este é um ano de agenda cheia com Copa do Mundo seguida de Eleições Presidenciais, mas também da agenda de clima deve ser marcante. A publicação completa do 5º Relatório de Avaliação do Clima do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (AR5/IPCC) e a elaboração do primeiro rascunho do novo acordo climático global são os pontos altos de um ano que promete.

O ano iniciou com uma Cúpula de Investidores sobre Risco Climático, evento que reuniu mais de 500 investidores em Nova York no dia 15 de janeiro para discutir os riscos que as mudanças climáticas trazem para o setor de investimentos e como o setor pode contribuir para mitigar as mudanças climáticas e promover a transição para uma economia de baixo carbono. As preocupações apresentadas na reunião dão o tom de duas palavras-chaves que devem ser fortemente enfatizadas durante este ano: impacto, riscos e oportunidades.

O quadro abaixo dá uma noção do tipo de pragmatismo que começa a se disseminar na comunidade de investimento. Bancos como HSBC já contam com equipes especializadas em mudanças climáticas. No Fórum Econômico Mundial em Davos, houve nada menos do que 23 sessões ou debates dedicadas ao tema de mudanças climáticas, com foco no mesmo tripé de impactos, riscos e oportunidades.

investing in a lowcarbon future

Em 14 de março, será divulgada a segunda parte do 5º Relatório de Avaliação Clima do IPCC, que trata de impactos, adaptação e vulnerabilidade. Elementos já vazados da segunda parte do relatório em elaboração apontam para um aprofundamento do entendimento e maior precisão geográfica sobre os impactos das mudanças climáticas, a vulnerabilidade de diferentes regiões do planeta e a necessidade urgente de adaptação para o enfrentamento das mudanças em curso.

Em resumo, o relatório deve apontar que as mudanças estão acontecendo de forma mais rápida, mais intensa e mais abrangente do que previsto no relatório anterior e a os mecanismos de adaptação estão absolutamente atrasados, isso deve resultar em uma profunda mudança na percepção de risco e de custos de oportunidade de se investir na mitigação das mudanças climáticas e num radical plano de adaptação, com especial atenção aos países e regiões mais vulneráveis.

Em 11 de abril, será divulgado a terceira parte do 5º relatório do IPCC que trata de mitigação das mudanças do clima que deve apontar que a janela de possibilidade para redução emissões suficiente para limitar o aumento da temperatura média global em 2ºC está se fechando rapidamente e, se não revertemos o crescimento das emissões até o final da década, as chances do limite de 2ºC tenderão a zero.

Os relatórios do IPCC devem chacoalhar a agenda de negociações do novo acordo climático global que tem como centro do debate o Grupo de Trabalho sobre Plataforma de Durban (ADP) que se reúne março e junho para estabelecer os elementos do novo acordo e novamente em dezembro junto com a Conferência das Partes da Convenção da ONU sobre Mudanças do Clima (COP-20) em Lima no Peru onde a grande expectativa é a aprovação do primeiro rascunho do texto que servirá de base para se chegar o novo acordo climático em dezembro de 2015 naCOP21 em Paris.

Agenda do Clima 2014

agenda clima 2014

(Texto originalmente publicado no meu blog)