Opinião

Você está repensando o 'até que a morte nos separe?'

Sair de um relacionamento que já acabou requer coragem. Ficar em um relacionamento sem vida requer auto-sacrifício. Lutamos para tomar essa decisão; nos preocupamos com o nosso futuro e as repercussões para aqueles que amamos. Para dificultar mais ainda essa batalha emocional, a nossa sociedade e cultura valorizam a manutenção de um relacionamento. A mensagem subliminar é que sofrer é melhor do que sair de um relacionamento, o que torna a decisão correta ainda mais difícil de se tomar.
Esta postagem foi publicada na plataforma, agora fechada, do Colaborador do HuffPost. Os colaboradores controlam seu próprio trabalho, que são postados livremente em nosso site. Se você precisa denunciar este artigo como abusivo, envie-nos um e-mail.

Por que será que nos apegamos tanto a um relacionamento que já acabou? Porque sempre nos disseram que era a coisa certa a fazer.

Sair de um relacionamento que já acabou requer coragem. Ficar em um relacionamento sem vida requer auto-sacrifício. Lutamos para tomar essa decisão; nos preocupamos com o nosso futuro e as repercussões para aqueles que amamos. Para dificultar mais ainda essa batalha emocional, a nossa sociedade e cultura valorizam a manutenção de um relacionamento. A mensagem subliminar é que sofrer é melhor do que sair de um relacionamento, o que torna a decisão correta ainda mais difícil de se tomar.

Me admira como a nossa sociedade valoriza a duração de um relacionamento mais do que a qualidade do seu conteúdo. A longevidade raramente justifica o valor de um relacionamento quando as duas partes já perderam a habilidade de conviverem bem quando estão juntas. Parece uma escolha muito estranha, permanecer em uma parceria que não existe mais, só para conquistar a aprovação social.

Intuitivamente nós sabemos que a longevidade de um relacionamento não é a verdadeira medida do valor de uma parceria. Apesar disso, muitos casais ainda vão se arrastando até a linha de chegada do "Até que a morte nos separe". As razões citadas por essa por continuar nessa situação inóspita muitas vezes tem a ver com questões financeiras, descriminação social ou mesmo por estar em uma fase da vida em que mudar de parceiro causaria muitos transtornos.

Se a longevidade é o critério que usamos para avaliar o valor de um relacionamento, o que acontece quando um relacionamento de longa data chega ao fim? Será que todo valor que ele tinha antes é anulado devido ao seu término? Aparentemente sim... segundo inúmeras pessoas que ouço dizendo: "Eu não quero jogar fora 20 anos de um casamento".

Essa afirmação cria um duplo dilema . A longevidade que foi considerada como a virtude do relacionamento, agora não terá não mais nenhum mérito se ele acabar. A ideia de que um final é "jogar fora" o que existia é uma análise muito deturpada. Dentro desse raciocínio, nenhuma das duas situações é digna de louvor. É uma situação na qual só se perde.

Não importa se o relacionamento durou um ano ou vinte, a questão é ter se comprometido com o que existiu dentro daquele tempo e espaço. O valor de um relacionamento autêntico está em haver permitido que o amor entrasse em seus corações e de ter formado um vínculo com a pessoa amada.

Se houver um tentativa sincera de criar uma parceria e o amor que foi compartilhado chegou ao fim, fez o que deveria. O relacionamento cumpriu o seu propósito. Não importa quanto tempo durou, aquele relacionamento teve seu valor. Duas pessoas que tentaram se amar e o que elas conseguiram criar juntas é digno de honra, tanto na sua morte quanto no seu nascimento.

Existem momentos em que o casal não consegue ir adiante junto. Os dois mudaram. O crescimento necessário para criar uma conexão não pode ser estabelecido com o atual parceiro. Foram feitas escolhas que resultaram em ações que não podem ser revertidas. Existe uma desconexão. E nesse caso não há força de vontade suficiente que possa alterar o fato de que um ou dois parceiros não consegue mais trilhar o caminho de volta para o amor.

Já é bastante difícil encerrar uma união. A dor e o transtorno são imensos. Novos caminhos precisam ser traçados dentro de nós mesmos para que possamos substituir a base de uma ligação que foi destruída. Anular o valor de um relacionamento, é como colocar o dedo na ferida emocional, algo que não se deseja para ninguém.

Se essa é a estrada que você está trilhando, veja seguir alguns algumas dicas que podem ajudar a te guiar por essa transição da morte do seu relacionamento para o seu próprio renascimento:

- Ignore as mensagens da sociedade que vem enchendo a sua mente e lembre-se da verdade que você conhece. Você tentou. Você amou. O relacionamento cumpriu o seu propósito.

- Permita que o seu passado continue sendo uma coisa bela. Não acredite no mito de que um final anula todo o valor do que você já teve.

- Veja o todo. Amplie a mente da sua câmera mental para incluir uma perspectiva mais abrangente. Capture a imagem por completo (o bom que existiu além do que foi ruim) quando lembrar de tudo que aconteceu.

- Honre a autenticidade do que foi compartilhado. Isso permitirá que você abrace o seu passado em preparação para um futuro melhor.

Tudo que tem vida tem um ciclo de vida, inclusive o amor. Essa é a lei natural. Você não nasceu com uma falha ou defeito. Você não errou. Os relacionamentos nascem. Os relacionamentos morrem . Negar o valor do amor devido ao final dele é ver apenas um pequeno pedaço da imagem toda e ignorar o ciclo da vida. Reconhecer o valor do nosso amor que vivemos no passado é o que dá início a um novo ciclo de amor, mais uma vez.

Este artigo foi originalmente publicado pelo HuffPost US e traduzido do inglês.


VEJA TAMBÉM:

Famílias de casais homoafetivos