Opinião

Você ainda escreve com <em>letra de mão? </em> Ou só digita?

Há um movimento crescente para se acabar com a letra de mão. Aquela, a cursiva: letrinhas arredondadas, da mesma altura, grudadas umas às outras pelas pontinhas. Lembra? Ou você só digita, e sua letra já virou um garrancho?
Esta postagem foi publicada na plataforma, agora fechada, do Colaborador do HuffPost. Os colaboradores controlam seu próprio trabalho, que são postados livremente em nosso site. Se você precisa denunciar este artigo como abusivo, envie-nos um e-mail.

Lembra do caderno de caligrafia? Que sufoco era aquilo. Os dedinhos doíam. Fazia até calo. Dedo engrossava. Mas a letrinha de mão tinha que ficar bonita a qualquer custo. E ficava. Ou não.

Hoje eles ainda estão por aí. Os tais caderninhos horizontais. Nem precisa comprar. Aqui na web mesmo você encontra: para imprimir, para download, em pdf, para crianças, para adultos e... para comprar, é claro. Para todos os gostos e dedos.

Mas um passarinho sabido me contou que isso vai durar pouco. Extinção à vista... do caderno e da letra de mão!

Verdade. Há um movimento crescente para se acabar com a letra de mão. Aquela, a cursiva: letrinhas arredondadas, da mesma altura, grudadas umas às outras pelas pontinhas. Lembra? Ou você só digita, e sua letra já virou um garrancho? A minha virou. Preciso me esforçar muito pra escrever redondinho.

Desde 2011, em Indiana, ensinar letra cursiva é opção de cada escola. Nesse estado americano - e em mais 44 - a ideia é mesmo abandonar de vez a letra de mão no decorrer dos próximos anos.

Mas a letra bastão continua firme.

Sabe qual é? A letra de forma. A nossa conhecida caixa alta. A letra de imprensa maiúscula. A que leva menos tempo pra gente aprender a desenhar. Que dá menos calo no dedo médio. Que a gente insistia em usar e a professora não deixava. E... a mesma que ilustra os teclados dos computadores e dos celulares.

E sabe que motivos são alegados pelos defensores do fim do ensino da letra de mão? Não, não é para acabar com os calinhos dos dedinhos das mãozinhas das pobres criancinhas. Os motivos são outros. De ordem prática, digamos. Vamos lá a alguns:

  • a alfabetização se dá com a letra bastão. Só depois de alfabetizada é que a criança poderia - note que não escrevi deveria - se dedicar a juntar as letrinhas;
  • livros, jornais, revistas, gibis, placas, publicidade usam letra bastão. E a criança já está exposta a ela muito antes de estar exposta à letra cursiva;
  • hoje, as pessoas usam teclados mais que escrevem em papel. Com lápis ou caneta. Então seria mais inteligente priorizar a prática da digitação;
  • há também uma razão de tempo: o tempo gasto para o aprendizado da técnica da cursiva é bastante grande. Seria mais interessante gastar esse tempo da escola para ensinar crianças a digitarem desde pequenas;
  • desde o berço, as criancinhas já deslizam seus dedinhos pelas telas multi-touch, touch screen, sensíveis ao toque. E essas tecnologias prometem eliminar o uso do teclado e do mouse. Quanto mais do lápis e da caneta.

Ou seja, sejamos realistas: letra de mão está com os dias contados. 10 x 0 para os teclados.

Baixou a nostalgia? Ficou triste com a notícia da morte iminente da letra de mão?

Calma... veja as palavras digitadas do Eco, o Umberto, o escritor, filósofo, semiólogo, linguista e bibliófilo. Elas sinalizam um alento.

As pessoas não viajam mais a cavalo, mas algumas vão a escolas de montaria; existem iates a motor, mas muitas pessoas são devotadas à vela assim como os fenícios eram há 3 mil anos; há túneis e estradas de ferro, mas muitos ainda gostam de andar ou escalar os caminhos nos Alpes; as pessoas colecionam selos até mesmo na era do e-mail; e os exércitos vão para a guerra com Kalashnikovs*, mas também fazemos torneios pacíficos de esgrima.

Seria bom se os pais enviassem seus filhos a escolas de caligrafia para que eles pudessem participar de competições e campeonatos - não só para se consolidarem naquilo que é belo mas também pelo bem-estar psicomotor. Essas escolas já existem; basta procurar por "escola de caligrafia" na internet. E talvez para aqueles que têm uma mão firme e não têm um emprego firme, ensinar esta arte pode se tornar um bom negócio.

Se não ficou convencido, leia a íntegra do texto sobre A arte perdida da escrita à mão, do Umberto Eco.

Vamos conversar sobre?

*Kalashnikovs = AK-47 = Arma Automática de Kalashnikov modelo de 1947