OPINIÃO
05/06/2014 09:55 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:43 -02

10 maneiras para a USP ganhar dinheiro

Eu me arriscaria a dizer que essas medidas, se exploradas diligentemente, poderiam mais do que duplicar o orçamento atual projetado da universidade. Não imediatamente, mas em um horizonte relativamente curto de tempo.

Estadão Conteúdo

Foi amplamente noticiado recentemente que a Universidade de São Paulo (USP) está se deparando com um imbróglio financeiro. Todo seu orçamento ano passado -- que foi de R$ 4,3 bilhões -- foi gasto com folha de pagamento. Na verdade, foi um tanto pior do que isso: o orçamento ordinário não bastou e a universidade foi forçada a sacar cerca de R$ 1 bilhão do seu fundo de reserva (1/4 dele) para cobrir tais gastos.

Qual a origem do dinheiro da USP?

Para quem não sabe, a receita da USP advém essencialmente de sua quota-parte nos 9,57% do ICMS arrecadado no Estado de São Paulo que são repassados automaticamente às universidades estaduais paulistas. Digo essencialmente porque além dos recursos do tesouro há um pouco de recursos próprios e de recursos vinculados federais. Mas o grosso do orçamento é dinheiro do "contribuinte".

A situação é séria. A legislação existente impede que a universidade corte pessoal por razões orçamentárias, e o novo reitor, Marco Zago, declarou que suspenderia novas contratações de pessoal e novos investimentos em infraestrutura; até linhas "internas" de financiamento à pesquisa e bolsas podem sofrer cortes.

Ajuda mas não resolve

É evidente que essas medidas têm fôlego curto. Talvez permitam que a universidade pare de despoupar para cobrir folha de pagamento. Mas não vai ajudar a liberar os recursos que a instituição precisa para custear gastos com depreciação do seu imobilizado (máquinas, equipamento, mobília, edifícios, laboratórios) e gastos associados ao "projeto de internacionalização" -- não sei o quão "profundo" se quer essa internacionalização, porque a língua oficial de instrução dos cursos, de escrita das teses e dos processos seletivos, ainda é o português, o que é uma barreira gigantesca a esse processo... mas estou digredindo).

Velhos problemas, "novas" ideias

O que chama atenção nisso tudo é que, ao menos na comunicação oficial, a administração da universidade sequer cogita fazer o que parece óbvio em uma situação dessas: aumentar a receita!

Com isso em mente, fiz abaixo uma lista de sugestões de como a USP em particular, e as demais universidades estaduais paulistas em geral (que gozam de mais autonomia administrativa do que as universidades federais), podem gerar uma considerável receita. Na verdade, tudo não passa de práticas já comuns nas universidades de ponta no mundo.

Eu me arriscaria a dizer que essas medidas, se exploradas diligentemente, poderiam mais do que duplicar o orçamento atual projetado da universidade. Não imediatamente, mas em um horizonte relativamente curto de tempo. Aí vão as

10 Formas de a universidade ganhar dinheiro com as próprias pernas

1. Leilão de licenças de uso comercial de espaços do campus

35 mil pessoas circulam no campus diariamente. É uma cidade. E no entanto não há uma praça de alimentação, um café, lojas de conveniência, hotel, serviços e mais um monte de outras coisas. A recomendação aqui é leiloar os espaços disponíveis pra quem quer oferecer esses serviços e cobrar aluguel! Todo mundo vai ficar feliz: o empresário, a universidade e a comunidade que frequenta o campus.

2. Serviços de consultoria e advisory para corporações públicas e privadas

Haverá enorme resistência; afinal, uma universidade pública não pode ganhar dinheiro na cabeça de muita gente nesse país (ver, e.g., o que pensa o presidente da Adusp). Mas a aproximação (regulada) da universidade com o mundo corporativo é comum entre as grandes universidades e tem mesmo múltiplos benefícios: receita, treinamento de estudantes, aprendizado, cooperação, fonte de dados, aplicações de pesquisa acadêmica etc. Todos se beneficiam e ganham dinheiro com isso: a universidade, os professores, os alunos, as empresas e o governo.

Só pra você ter uma vaga ideia da receita que se perde. Segundo a Forbes, a empresa de consultoria McKinsey teve um faturamento de cerca de R$ 18 bilhões no ano passado. A McKinsey opera em alguns nichos dessa indústria apenas. Tem 17 mil funcionários, dos quais 9 mil são consultores. Imagine o quanto uma universidade com 92 mil alunos, 16 mil funcionários e quase 6 mil professores distribuídos em mais de 20 áreas do conhecimento poderia receber se usasse uma parte de seu capital físico e humano para prestar esse tipo de serviço?

3. Cursos de treinamento profissional de curta duração (distância e presenciais)

Esse é um mercado bilionário que ainda não foi "atacado" pelas universidades brasileiras. Chega a ser chocante dado que o "pedigree" da universidade lhe daria uma enorme vantagem competitiva sobre os outros ofertantes de curso. O que não falta é profissional das mais variadas áreas em busca de um curso de atualização, requalificação e de ensino em um tópico específico ("Programação em Java", "Jornalismo Econômico", "Radiologia odontológica" etc) -- sem falar nos "concurseiros", que juntos movimentam mais de 50 bilhões por ano no país.

4. Feiras de carreiras e recrutamento

Isso já é feito em algumas unidades. Mas a universidade pode profissionalizar o processo, adicionar valor e conferir maior escala aos dois lados do mercado que participam da feira. A receita adviria da venda stands e espaço publicitário na feira e, talvez, de tickets de entrada. A feira seria também oportunidade para a universidade celebrar parcerias com empresas e vender seus serviços de consultoria, treinamento e hospedagem de eventos.

5. Anualidade para cursos de pós-graduação latu sensu

É preciso convencer juízes que o compromisso constitucional de gratuidade de educação possivelmente não se estende à pós-graduação, certamente que não do tipo latu sensu (especializações e mestrados profissionalizantes). Bolsas, crédito privado e da própria universidade (estude agora, pague depois) ajudariam a manter o acesso de todos que têm o desejo de, e as qualificações para, entrar nesses programas.

6. Cobrança de estacionamento (esquema de redução de carbono)

Com algumas exceções (funcionários e prestadores de serviço, talvez), todo mundo que usa o estacionamento deveria pagar. Afinal, 1 km de asfaltamento custa algo entre R$ 500 mil e R$ 1 milhão aos cofres da universidade, sem falar na conta de iluminação. Não há justificativas para que o orçamento da universidade -- dinheiro do contribuinte -- seja usado para financiar algo que beneficia tão poucos e tem retorno tão negligível. Mesmo que não custasse um tostão, haveria ainda um considerável custo de oportunidade, já que espaços de estacionamento ocupam vastas áreas do campus que poderiam gerar receita. Tudo isso soará como heresia para alguns. Mas a cobrança de estacionamento é absolutamente comum nas universidades lá fora.

Esquema similar de pagamento deve ser desenhado para os ciclistas que querem usar as ruas do campus como circuito de treino (nada contra, desde que o uso com esse fim seja disciplinado e a universidade compenssada por isso).

7. Aluguel de espaço e serviços de buffet para conferências

Um belo centro de convenções está quase pronto no campus da capital. Além dele, há dezenas de outros espaços para conferências e eventos profissioanis no campus, inclusive três restaurantes universitários. Tudo isso pode ser usado para gerar receita. Aluguel de instalações para conferências, workshops profisisonais, eventos esportivos é uma parte considerável da receita orçamentária das universidades lá fora. A USP precisa despertar para as possibilidades de aluguel de suas instalações.

8. Captação de recursos junto a agências nacionais e internacionais de fomento

A universidade pode desenhar acordos que premiem professores proporcionalmente aos volume de recursos dos projetos de pesquisa aprovados por agências domésticas e sobretudo por agências internacionais (essas últimas permitem remuneração dos pesquisadores e pagamento de overheads para a universidade dos pesquisadores). A título de ilustração: na Universidade de Manchester na Inglaterra (uma top 50-100 no mundo), no exercício de 2013, as receitas com research grants foi cerca de cerca de R$ 800 milhões, 22% das receitas totais da universidade (você pode ver o relatório financeiro deles aqui). Ainda que muitos dos "grants" dados pelas agências domésticas (CAPES, CNPq) não permitam transferência de recursos para a universidade a título de "overhead" ou coisa assim, o fato é que muitos desses projetos financiam a aquisição de equipamento e livros que, por lei, é integrado ao patrimônio da universidade sede do projeto. Logo, quanto mais financiamento for obtido, mais recursos da universidade podem ser potencialmente liberados para outros fins.

9. USP Talks (série de conferências a la TED talks)

O que não deve faltar em uma universidade do tamanho da USP é gente com pesquisa e ideias de alto impacto. Faz uma competição interna. Depois seleciona os melhores projetos e ideias. Em seguida organiza-se um a série de eventos para showcase esse pessoal e suas ideias/projetos por grupo temático. A universidade promove o evento e vende ingressos (ou mesmo membership para a série inteira). É possível até monetizar com a venda dos direitos de transmissão dos eventos para um canal de TV. Esses eventos seriam mais importantes pela publicidade do que pela receita que gerariam. Afinal, todo esse papo de melhor universidade da região pouco vale se as ideias e os produtos de pesquisa de maior impacto prático gestados na universidade não são comunicados em um formato amigável ao público que não está há 15 anos estudando aquilo mas que pode e quer ser usuário dessas ideias e resultados.

10. Campanhas de fundraising junto aos ex-alunos.

É verdade que um Estado grandão desestimula a atividade de charitable giving. Mas muitos ficarão felizes em doar dinheiro para a universidade onde estudaram -- o que poderia ser feito em "encontros" de ex alunos organizados pela universidade. Hoje, mesmo que você queira doar, haveria muita dor de cabeça porque simplesmente não há procedimento para coletar seu dinheiro. Pode ser que não se arrecade centenas de milhões, mas every little helps. A título de ilustração: nos EUA, as universidades arrecadaram mais de R$ 80 bilhões em 2012. Harvard, por exemplo, levantou cerca de R$ 1,5 bilhões em doações.

Em suma: a USP não precisa cobrar mensalidades -- uma medida que enfrentaria restrições constitucionais -- para resolver o desequilíbrio financeiro com o qual se depara e até para diminuir a dependência de recursos tributários transferidos pelo governo estadual. Pode simplesmente invocar da autonomia financeira-patrimonial que goza para perseguir várias outras fontes de receita.

Texto publicado originalmente no blog Economista X.

Acompanhe mais artigos do Brasil Post na nossa página no Facebook.

Para ver as atualizações mais rápido ainda, clique aqui.