OPINIÃO
11/03/2015 12:00 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:12 -02

Uma vaia para Dilma Rousseff

Sebástian Freire/Flickr
Demonstrators protest in Sao Paulo, Brazil, on June 20, 2013, during a protest of what is now called the 'Tropical Spring' against corruption and price hikes. In a country with one of the widest income disparities in the world -- billions of dollars were being spent on stadiums and little on social programs - and the Confederations Cup football tournament going on, Brazil has two weeks to convince sceptics that it can honour its pledge to stage a successful World Cup in 2014. The placard reads "Dilma Out! The people owns Brazil!" AFP PHOTO/Miguel Schincariol

Foi Nelson Rodrigues quem cunhou a máxima de que "no Maracanã, vaia-se até minuto de silêncio". Segundo reza a lenda, a velha fama do Maior do Mundo é fruto da reação da torcida carioca ao anúncio da morte do ex-presidente Castelo Branco, durante uma peleja em 1967. As vaias se tornaram a coroa de flores ofertada pela grande massa ao Marechal. Nelson registrou a máxima num artigo no Globo, em 28 de janeiro de 1970, questionando o fato do general Emílio Garrastazzu Médici não ter sido vaiado num jogo no Morumbi.

- É preciso não esquecer o que houve nas ruas de São Paulo e dentro do Morumbi. No Estádio Mário Filho, ex-Maracanã, vaia-se até minuto de silêncio, e, como dizia o outro, vaia-se até mulher nua. Vi o Morumbi lotado, aplaudindo o presidente Garrastazu. Antes do jogo e depois do jogo, o aplauso das ruas. Eu queria ouvir um assobio, sentir um foco de vaia. Só palmas. E eu me perguntava: "E as vaias? Onde estão as vaias?". Estavam espantosamente mudas.

2015-03-11-1426057865-5123172-Nelson1.jpg

Mas as vaias não nasceram com o Marechal. De acordo com o historiador Aureliano Leite, o impopular Campos Sales, que governou o país de 1898 a 1902, era vaiado toda vez que voltava à sua cidade natal e ouvia seu nome anunciado pela estação de trem. Graças à política de ajuste financeiro, Sales não deixou de ser vaiado nem quando deixou a presidência.

Artur Bernardes foi outro que passou por maus bocados. Em certa ocasião, recebeu acaloradas vaias e gritos de "Seu Mé" - apelido que detestava - ao passar pela Avenida Rio Branco, no Rio de Janeiro. Segundo consta, atribuiu a hostilidade do povo carioca contra ele à "canalha das ruas". Vale lembrar que Bernardes, nascido em Minas, foi eleito presidente ao derrotar Nilo Peçanha, nascido no Rio, em 1922, na provável eleição mais disputada da República Velha. "Ai, seu Mé!" e "Canalha das Ruas" se tornaram marchinhas na bucólica Cidade Maravilhosa da década de 20. A vaia presidencial virou folia.

Getúlio Vargas não deixou por menos. Em 1954, poucos meses antes de cometer suicídio, durante as comemorações do quarto centenário de São Paulo, recebeu uma vaia monumental no Jockey Club paulistano. Foram 15 minutos intermináveis, ao lado do governador do estado, Lucas Nogueira Garcez. Segundo o relato do historiador Fernando Jorge, Vargas virou-se para o então Ministro da Justiça, Tancredo Neves, e cochichou:

- Não sabia que o Garcez era tão impopular.

Vargas soube rir de si mesmo.

Poucas décadas depois, em novembro de 1979, foi a vez do então presidente Figueiredo passar pelo momento mais tenso da história das vaias presidenciais. Figueiredo foi recepcionado em Florianópolis por uma manifestação com cerca de 4 mil estudantes, organizada pelo DCE da Universidade Federal de Santa Catarina. Era um dos momentos mais tensos do período militar brasileiro e o General foi vaiado dos pés à cabeça. Choveram paus, pedras e latas de cerveja. Figueiredo disse ter ficado ofendido particularmente "com os palavrões contra a minha honra e a honra de minha mãe" e precisou ser contido por seguranças para não sair no braço com os manifestantes. Choveu cacetete policial pra tudo quanto é lado. A cena entrou para os livros de história conhecida como Novembrada. A vaia era então uma aliada no combate à ditadura.

2015-03-11-1426057916-4339936-Novembrada.jpg

Nem Fernando Henrique Cardoso escapou, vaiado ao menos em três oportunidades distintas. Numa ocasião, em Uberaba, FHC foi acalentado pelo então governador de Minas, Hélio Garcia, que adaptou Nelson Rodrigues em bom mineirês e proclamou triunfante:

- Em Uberaba, os meninos vaiam até boi premiado.

As vaias, por fim, perseguiram Luiz Inácio. Vaiado seis vezes na cerimônia de abertura do Pan-Americano do Rio, em 2007, Lula simplesmente desistiu de fazer a declaração habitual de abertura, como exigia o protocolo, e foi substituído no último respiro da cerimônia pelo presidente do comitê organizador, Carlos Arthur Nuzman. Envergonhado, abandonou o barco.

Mas sua sucessora não deixou por menos. Dilma, que já havia sido vaiada na abertura da Copa das Confederações, em 2013, adicionou um novo capítulo à história das vaias presidenciais na abertura da Copa do Mundo, no ano passado - mesmo fugindo do discurso oficial, na primeira Copa em décadas não aberta oficialmente pelo chefe de Estado do país sede. Foi o caos. Para Lula, as vaias foram "a maior vergonha que o país já viveu". Para os críticos - que há alguns meses insistiam no caráter popular da Copa - tudo não passou dos delírios de uma elite raivosa paulistana. Gilberto Carvalho, então Secretário-Geral da Presidência da República, fez a egípcia e disse que as vaias não foram diretamente para Dilma, mas para "qualquer autoridade". Em ano de eleição todos foram culpados - incivis, golpistas, mal educados, reacionários. Menos Dilma. Juca Kfouri, homem branco da elite paulistana, culpou a elite branca paulistana. Os blogs progressistas condenaram a atenção que a mídia deu ao barulho ensurdecedor. Os carolas se indignaram com os palavrões sendo gritados em pleno estádio de futebol, vejam só. Logo, rolou um buchicho de que tudo partiu da área VIP do estádio. Sorrateiramente, as vaias que perseguiram quase todos os presidentes tupiniquins ao longo de um século, se transformaram num mero ato de machismo ante Dilma.

2015-03-11-1426057964-3058424-dilmavergonha.jpeg

Nesse final de semana a história se repetiu. Bastou a presidente pintar em rede nacional com seu habitual pronunciamento em comemoração ao Dia Internacional da Mulher, para que uma chuva de vídeos pipocassem na grande rede, registrando vaias e panelaços nos mais diversos cantos do país, em ao menos 12 capitais. Seus defensores não gostaram - como sempre, tudo não passou de protesto de rico. Para Alberto Cantalice, vice-presidente do PT, essa foi mais "uma orquestração com viés golpista que parte principalmente dos setores da burguesia e da classe média alta". O discurso colou entre os militantes. Como tática para abafar os recordes de impopularidade que invadem o Palácio do Planalto, a crise na Petrobras, o aumento da inflação, dos impostos e do desemprego, que afetam especialmente a camada mais pobre da população, se transformaram em pautas que só irritam uma elite golpista e raivosa.

Dilma foi eleita com 38% dos votos totais, mas por algum motivo inexplicável, mais da metade do país, descontente com seu governo, virou elite (seria esse mais um milagre de Lula?). O governo ensaia a maior crise econômica e política em mais de uma década, e por alguma razão torpe, não há qualquer motivo para a população registrar descontentamento sem que isso fira alguma normal social sagrada. Mais da metade do país, como num passe de mágica, aparentemente migrou para Higienópolis.

A vaia é uma ferramenta de indignação popular presente nos mais diversos momentos da nossa história republicana. Perseguiu as mais distintas lideranças, foi um instrumento no combate aos governos mais repressivos. Num momento de profunda mediocridade política e econômica como o atual (e se você ainda duvida disso precisa dar uma lida nisso aqui), transformar o legítimo descontentamento de mais da metade da população numa pauta banal e elitista é um ato de cinismo, digno da pequenez dos bobos da corte. Dilma fez por merecer e, não por acaso, vem perdendo apoio em todas as camadas da população (aqueles que recebem menos de 2 salários mínimos e consideram seu governo ótimo ou bom caiu pela metade segundo a última pesquisa Datafolha). Transformar esse momento numa mera caricatura de gente rica não passa de picaretagem.

Vida longa à vaia.