OPINIÃO
06/02/2015 15:22 -02 | Atualizado 26/01/2017 21:52 -02

Afinal, o que querem os neoliberais?

Getty

Neoliberal. Vai dizer que você nunca ouviu essa palavra por aí?

- Fulano é neoliberal. Beltrano é tão neoliberal que daqui a pouco irá querer privatizar até a mãe.

Normalmente a gente lê pelos cantos que o neoliberalismo é o principal culpado pelos grandes males da humanidade. É dele a culpa pela falta d'água nas torneiras, e pelas crianças que dormem nos bancos das praças, e pelas comidas que não chegam às mesas dos lares, e pelos lucros dos grandes banqueiros. Aliás, lucro - tá aí uma palavra difícil de desassociar de neoliberal. É complicado respeitar uma teoria quando ela passa a impressão de ser uma mera ideologização do lucro, não é mesmo? Vai dizer que quando você escuta falar nessa palavra, neoliberalismo, a primeira impressão que lhe vem à cabeça não é um cara bem vestido, sentado numa poltrona imensa, usando um chapéu-coco e fumando um charutão, no topo de um prédio empresarial no centro de uma grande metrópole? Ou é isso ou então você invariavelmente irá lembrar das privatizações do Fernando Henrique. É batata! Neoliberalismo tem essa imagem de gente rica querendo meter a mão na grana alheia, de submissão aos interesses norte americanos e dos grandes banqueiros internacionais. É uma dessas palavras que carregam duzentas toneladas nas costas; já nasceu palavrão.

Em frente a tudo isso, é difícil pensar que uma filosofia que passa uma imagem tão mesquinha e egoísta, interessada apenas no modo como as pessoas ganham dinheiro, que queira transformar tudo em mercadoria, possa reunir gente interessada em discutir problemas sérios que afetam especialmente os mais pobres, como a desigualdade social, ou a fome, ou ainda o meio ambiente. Mas acredite, é possível. E a primeira coisa a saber é: não, eles não se chamam neoliberais.

Grave isso - você nunca verá um liberal se chamando de neoliberal. Esqueça. Normalmente quando você ataca um liberal usando essa palavra, a impressão que passa pra ele é que você não faz a mais remota ideia do que esteja falando. É como falar para um fã de história em quadrinhos que ele curte gibi. Você já começou errado.

2015-02-05-Issue31Faraj2.jpg

Agora, pare para pensar em outra palavra: liberalismo. A gente é capaz de passar uma vida inteira tendo acesso a todos os assuntos do mundo e só ouvir falar nesse negócio uma única vez - naquela aula entediante de história, numa tarde chuvosa de verão, quando um cara com uma peruca esquisita posava de perfil, numa foto preto-e-branco, na mesma página em que eram facilmente identificáveis as expressões livre mercado, mão invisível e Adam Smith. Além disso, sobra pouca coisa. Liberalismo passa uma impressão de ser uma palavra tão fora de moda, com cheiro de teoria velha, que não raramente a gente não tem nem interesse em entendê-la porque supõe que algo melhor - uma atualização, um upgrade - já tenha sido inventado na forma de outra teoria. É algo que à primeira vista soa tão antigo que, na dúvida, a gente sepulta a ideia e imagina que alguém que defenda esse papo deixe de ser liberal para subitamente se tornar neoliberal ou qualquer coisa parecida.

Mas antes de falar um pouco mais sobre liberalismo é preciso entender o significado de outra palavrinha: mercado.

Não, não se trata de um deus mercado - não há nenhuma divindade nessa história. Também não é aquilo que se faz na bolsa de valores. Mercado é a soma da rede de trocas feitas por cada um de nós - uma rede absolutamente complexa e interativa. Eu, você, o seu vizinho, a cabeleireira da esquina, o borracheiro, o cara que vende pipoca. Não é preciso ter um mercado para fazer parte do mercado. Também não é preciso vender nada. Quando você troca as suas moedas por um quilo de tomate, está inserido dentro dessa grande bolha chamada mercado, mesmo que não queira. A mesma coisa acontece quando você assina um pacote de internet ou quando compra um livro. Não dá pra escapar. Por que mão invisível? Porque todos agem por conta própria. Não há uma direção pré-estabelecida, alguém que vá ditando os rumos do caminho. Parece paradoxal, mas nesse processo cada um de nós procura satisfazer as próprias necessidades e as necessidades de outras pessoas, e isso tudo ao mesmo tempo. Todo mundo serve e todo mundo é servido. Quando você troca as suas moedas por um quilo de carne, o faz interessado exclusivamente no seu jantar. Mas quando toma essa ação, invariavelmente serve aos interesses do açougueiro - que, longe de estar interessado no seu jantar, agora pode trocar as suas moedas por algo que lhe interessa, como comprar um punhado de pão ou algumas garrafas de cerveja.

Mas não vá pensando que essa engenharia toda é uma invenção dos teóricos liberais - esse processo faz parte da natureza humana desde muito tempo. E mesmo em regiões onde isso foi proibido - como em países comunistas, ou quando há um grande controle econômico - o mercado continua existindo, ainda que de forma informal. Você, definitivamente, não tem como extermina-lo. A menos que extermine a humanidade.

Não se sabe como começou, mas há pelo menos 100 mil anos os seres humanos trocam seus excedentes com outros seres humanos com a qual não possuem qualquer relação. Sabe-se que há 82 mil anos, no coração do Marrocos, os seres humanos haviam sido capazes de passar conchas Nassarius de mão em mão ao longo de inacreditáveis duzentos quilômetros até o interior - foi a gênese daquilo que a gente conhece hoje popularmente como comércio.

Por que adquirimos o hábito pela troca? A resposta pode estar na sua mesa de jantar. O primatólogo britânico Richard Wrangham defende que o domínio do fogo teve um profundo efeito na nossa evolução. E a razão para isso é simples - mais do que permitir aos nossos antepassados o desenvolvimento de cérebros maiores, cozinhar também predispôs os seres humanos a trocar diferentes tipos de alimentos. Essa certamente foi a chama para o nascimento disso tudo que estamos falando aqui. Desde cerca de 45 mil anos as pessoas que habitavam a Eurásia ocidental tinham, de forma progressiva, revolucionado o seu conjunto de trocas (na Rússia, há 28 mil anos as pessoas eram enterradas com roupas decoradas com milhares de contas de marfim trabalhosamente esculpidas; joias feitas há 18 mil anos com conchas do Mar Negro nos revelam trocas ao longo de centenas de quilômetros na Ucrânia). Houve mais invenções entre 80 e 20 mil anos do que no milhão de anos anteriores. E nos 10 milênios seguintes as trocas se acentuariam: anzóis, todo tipo de utensílios domésticos, trigo, ovelhas, dinheiro. O mercado, mais do que a invenção de uma mente ávida em explorar a humanidade, é um fenômeno da natureza humana.

2015-02-05-WEB_HIGHRES_C0146366Neanderthal_culture_reconstructionSPL.jpg

Você já deve ter entendido a questão aqui. Quando os liberais clamam por livre mercado estão advogando pela defesa de todo esse processo sem a interferência de um ente superior. E isso acontece porque eles usualmente são céticos em relação ao poder - querem os governantes distantes desse jogo porque entendem que a concentração de poder nele promove 1) uma influência imoral, 2) atrai o interesse de agentes econômicos privilegiados - grandes banqueiros, empresários, industriais - interessados não apenas em usar os governos para injustamente atrapalhar a concorrência e criar uma elite hegemônica, mas para enriquecer ilicitamente e consolidar-se como ativos políticos, e 3) costuma gerar efeitos econômicos negativos em toda sociedade, mesmo quando utiliza um discurso cheio de boas intenções. Como disse o vencedor do Nobel, o economista austríaco Friedrich Hayek, "descentralizar o poder corresponde, forçosamente, a reduzir a soma absoluta de poder, e o sistema de concorrência é o único capaz de reduzir ao mínimo, pela descentralização, o poder exercido pelo homem sobre o homem". Lembra do açougueiro? Pois é. Entre todas as opções possíveis para um jantar, você o escolheu livremente e ele livremente lhe vendeu um quilo de carne. Cada centavinho que você deixou nas mãos dele é uma espécie de cédula eleitoral, onde você democraticamente o empodera, anunciando para os demais membros dessa complexa rede de trocas que o açougueiro é uma figura confiável, que sua carne é de boa procedência, que o atendimento lhe foi muito bem quisto. No momento em que o governo entra nesse processo, taxando abusivamente e concedendo benefícios para a concentração econômica de uma marca qualquer de carne (e isso me soa familiar!), esse processo deixa de ser livre.

Mas existe algum lugar onde seja possível encontrar esse mercado inteiramente livre? A resposta você já deve imaginar: não. Apesar disso, é preciso entender que, ao contrário do que aquele seu professor de história disse em certa ocasião, não existe esse papo de mundo capitalista homogêneo. Cada país ao redor do globo é construído a partir de diferentes instituições políticas e econômicas - ora com maior repressão ao mercado, ora mais livre, ora mais receptivo à propriedade privada, ora mais invasivo. A soma dessas instituições inclusivas usualmente explicam o sucesso ou o fracasso econômico de um país - mas esse é assunto para outro momento.

2015-02-05-ny.jpg

Antes de tentar entender melhor sobre o que defendem os liberais, é preciso entender aquilo que eles não defendem - liberais não defendem as grandes corporações, os banqueiros, o governo americano, as guerras, o consumo desenfreado, a destruição da natureza, que se salve grandes indústrias à beira da falência com dinheiro de impostos, bombas de democracia, a burocracia governamental, a perpetuação das elites, a ditadura militar, os maus tratos no ambiente de trabalho e as relações promíscuas de grandes empresários com o governo. Se você chegou até esse ponto do texto, também já deve ter entendido que a mera privatização não é necessariamente uma obra do liberalismo - não há nada mais antiliberal do que testemunhar um governante leiloando uma concessão a um empresário-amigo para monopolizar ou cartelizar um setor altamente restritivo à concorrência.

Por fim, mas não menos importante, absolutamente nada disso é possível sem que se defenda que cada indivíduo seja dono do seu próprio nariz - afinal de contas, não é possível esperar que ocorra um mercado livre quando as pessoas não são livres, não é mesmo? Como diz o poeta liberal português Fernando Pessoa, no liberalismo "o indivíduo tem o direito de pensar o que quiser, de exprimir o que pensa como quiser, e de pôr em prática o que pensa como quiser, desde que essa expressão ou essa prática não infrinja diretamente a igual liberdade de qualquer outro indivíduo". Liberais entendem que são os próprios indivíduos, e não os governos, que devem tomar conta de suas vidas; e que ninguém deve ser subjugado por conta da cor de sua pele, do seu gênero, da sua orientação sexual, da sua religião, ou pelos seus gostos pessoais.

Evidentemente é impossível resumir algo tão complexo num espaço curto como esse. Mas para o bem ou para o mal, essa não é uma filosofia criada para tratar dos interesses mesquinhos de um patrão fictício ou da avareza de um milionário qualquer. Em Viena, na Virgínia, em Chicago, há vida além desse neoliberalismo infantiloide que entope a boca de gente que adora transformar tudo num Fla-Flu, sem o menor compromisso em entender os processos econômicos que tanto critica. Ame ou odeie, liberalismo é sobre pessoas, sobre os homens e mulheres que cruzam as esquinas a cada momento em todos os cantos do planeta - feito eu e você; é sobre gente comum que encara cada segundo de seu tempo acreditando ter o controle de sua vida em suas mãos.

Curta a gente no Facebook |
Siga a gente no Twitter

Acompanhe mais artigos do Brasil Post na nossa página no Facebook.


Para saber mais rápido ainda, clique aqui.