OPINIÃO
14/01/2015 16:09 -02 | Atualizado 26/01/2017 21:43 -02

Novas tecnologias, velhos hábitos: smartphones impulsionam a leitura de livros físicos

A ascensão do digital faz com que mais pessoas busquem livros físicos. Um relatório da Biblioteca Britânica mostra que o aumento do público no último ano foi de aproximadamente 10%. A visitação cresceu de 1,46 milhão em 2013 para mais de 1,61 mi em 2014.

pedrosimoes7/Flickr
Alto dos Moinhos, Lisbon, Portugal

Um debate que se arrasta nos últimos anos é sobre a possível "morte" do livro físico — sobretudo dos grandes romances — diante das novas tecnologias. Afinal, com o universo digital tão presente em nossas vidas, somos seduzidos pela distração a ponto de não mais conseguirmos dissociá-la de uma atividade que demande concentração, como a leitura.

O escritor Will Self decretou a morte do romance no Guardian, em artigo de maio de 2014. Ele justifica o óbito: "A marca da nossa cultura contemporânea é uma resistência ativa à dificuldade em todas as suas manifestações estéticas." Ele tem razão quanto à "resistência ativa à dificuldade", e um exemplo claro disso foi o caso da escritora Patrícia Secco, que queria simplificar clássicos da nossa literatura. Ler Machado de Assis se tornou algo hercúleo.

Ler não é passar os olhos sobre palavras, mas sim o exercício de criar ligações cognitivas baseando-se nos signos. As palavras em si nada significam: elas ganham alma apenas quando nós conseguimos, a partir delas, criar mundos na mente. Isso demanda um tempo que, hoje, não temos. E não temos porque desperdiçamos mais e mais segundos com meras distrações. O ser humano é basicamente um ser de desperdícios. Temos interesse no acúmulo e queremos mais de tudo; mas, no final das contas, somos apenas um e não temos como consumir tudo. Queremos tudo porque somos finitos. As coisas não acabam; nós, sim.

Mas há uma luz.

A ascensão do digital faz com que mais pessoas busquem livros físicos. Sério. Um relatório da Biblioteca Britânica mostra que o aumento do público no último ano foi de aproximadamente 10%. A visitação cresceu de 1,46 milhão em 2013 para mais de 1,61 mi em 2014.

"Quanto mais as nossas vidas estão ligadas a uma tela, mais percebemos o valor de encontros humanos e artefatos físicos reais: as atividades em cada ambiente alimentam o interesse no outro", diz o relatório.

Depois da divulgação do documento, Roly Keating, chefe executivo da Biblioteca Britânica, apresentou os dados e disse: "As pessoas me perguntam — talvez mais do que eu poderia esperar —: 'na era do Google e de grandes ferramentas de busca e de grandes telas, a ideia de uma biblioteca ainda faz sentido?' O que nós coletivamente acreditarmos ser o propósito de uma biblioteca determinará sua sobrevivência nos anos futuros."

Então talvez seja um pouco cedo para "matar" o livro físico.

Siga a gente no Twitter

Acompanhe mais artigos do Brasil Post na nossa página no Facebook.

Para saber mais rápido ainda, clique aqui.

MAIS LITERATURA NO BRASIL POST

Eleições nos EUA
As últimas pesquisas, notícias e análises sobre a disputa presidencial em 2020, pela equipe do HuffPost