OPINIÃO
23/07/2015 17:37 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:53 -02

Escola sem partido: um projeto ignorante - vol.1

O que alguns se incomodam é que até certo tempo, um determinado grupo tinha um maior controle dos interesses, valores, possibilidades e, atualmente o jogo está menos desigual. Pare e pense um pouco: quando a escola se diz "sem partido", ela concorda com o que colocaram em um determinado espaço de tempo. Você, defensor da democracia, vai concordar com isso?

Karen Apricot New Orleans/Flickr

Hoje vim falar de um dos projetos mais "ignorantes" que ouvi falar nos últimos tempos, o projeto Escola sem partido.

Ignorante, após uma rápida pesquisa no amigo Google, é dado como "que desconhece a existência de algo; que não está a par de alguma coisa".

Dessa forma, começo com uma afirmação e quero propor que discordem, se conseguirem.

Nossas decisões são frutos daquilo que acreditamos, daquilo que nos interessa e do que nos é permitido em um determinado momento.

Pensem em qualquer exemplo... vamos. Essas três coisas não precisam concordar não, as vezes uma é mais forte do que a outra, as vezes o que acreditamos não é o que nos interessa, ou o que podemos.

Agora vamos para o segundo exercício de imaginação: imaginem que em algum tempo pessoas selecionaram algumas "coisas" para serem ensinadas. Sei que isso é dinâmico, mas peço que pensem em uma fração de tempo... vamos lá. É um exercício de pensamento.

Concordam que a escola, entre tanta coisa bacana que existe no mundo, teve que escolher uma parcela dessa boniteza toda para abordar? Vamos chamar isso de conteúdo? Agora... concordam que aqueles que escolheram aquele conteúdo acreditavam que ele, era importante, bonito, bacana, interessante (seja lá qual for o adjetivo que vocês queiram usar)?

Vamos além? O que é achado importante, bonito, bacana, etc. pode ajudar a reforçar ou transformar alguma visão de mundo? Na escola, podemos, a partir do que é ensinado, ajudar a consolidar ou transformar uma determinada cultura?

Sim? Sim.

Mas desde quando?

Desde sempre, amigo.

Pegue essa fração de tempo que pedi acima que retirasse para nosso exercício de pensamento, agora imagine que isso é um fluxo contínuo no tempo, entre pessoas, coletivos, políticas... um verdadeiro jogo entre interesses, valores, possibilidades e todo esse jogo consegue contribuir com uma ou umas formas de ver o mundo.

Bonito isso, né?

Por isso que não acredito na idéia de "Escola sem partido". É só pensar um pouquinho... a idéia de escola sem partido é uma idéia cega e que busca congelar esse processo de disputas. O que alguns se incomodam é que até certo tempo, um determinado grupo tinha um maior controle dos interesses, valores, possibilidades e, atualmente o jogo está menos desigual. Pare e pense um pouco... Quando a escola se diz "sem partido" ela concorda com o que colocaram em um determinado espaço de tempo. Você, defensor da democracia, vai concordar com isso?

Quando digo que o projeto é ignorante, digo que ele esconde algo. Essa reflexão.

Dizem que querem combater uma "ideologia", mas ao fazer isso esquecem que outra "ideologia" cunhou a escola como ela está.

É mais honesto dizer que o projeto busca a manutenção da "ideologia" vigente.

Mas nem tudo é de se jogar fora e, por isso, em outros textos buscarei dialogar mais sobre o projeto. Falarei sobre a função do professor, também sobre aquele professor que decidiu falar de política em sala de aula e mostrarei que alguns temas não são ligados apenas ao conteúdo de história.