OPINIÃO
09/04/2015 15:16 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:44 -02

Amor ao pé da letra: e se você seguisse todas as regras dos guias de relacionamentos?

Após terminar um longo relacionamento, a americana Melissa Pimentel se mudou para Londres e em pouco tempo descobriu uma verdade inconveniente: ainda que ela deixasse bem claro que não estava disposta a embarcar em um relacionamento sério, todos os homens com quem saía ficavam desconfiados e acabavam sumindo, com medo de se verem em uma armadilha. Então resolveu criar um projeto: todo mês ela seguiria à risca as dicas de um guia de relacionamento diferente e contaria as experiências em um blog.

Após terminar um longo relacionamento, a americana Melissa Pimentel se mudou para Londres e em pouco tempo descobriu uma verdade inconveniente: ainda que ela deixasse bem claro que não estava disposta a embarcar em um relacionamento sério, todos os homens com quem saía ficavam desconfiados e acabavam sumindo, com medo de se verem em uma armadilha. O que é compreensível: perto dos trinta, não é incomum que as pessoas comecem a querer se estabelecer com parceiros fixos e família. Mas não era o caso da autora que, perplexa com a situação, decidiu tomar uma atitude para descobrir se o problema era com ela ou com a sua abordagem, e então resolveu criar um projeto: todo mês ela seguiria à risca as dicas de um guia de relacionamento diferente e contaria as experiências em um blog. Sua intenção era conseguir entender como funcionava a mente masculina e, se acabasse não encontrando respostas, pelo menos no final ela conseguiria alguns encontros e teria boas histórias para contar.

Batizado de Love by the Book (Amor segundo as regras, em tradução livre), o blog continua no ar, embora não mais esteja na ativa: durante o processo Melissa acabou se apaixonando por um de seus objetos de pesquisa e hoje está noiva dele. Mas não foi apenas um amor para chamar de seu que o blog rendeu a Melissa: ela, que nunca tinha pensado em ser escritora, acabou sendo convidada a transformar sua experiência em um livro de ficção que acaba de ser lançado no Brasil através do Paralela, selo da Companhia das Letras, com o título de Amor ao Pé da Letra.

Qualquer pessoa que esteja atenta à cultura pop vai pescar as referências: de Bridget Jones a Nick Hornby, passando por Sex and The City e Girls e ainda com uma pitadinha inofensiva de 50 Tons de Cinza, o livro traz Lauren Cunningham, uma protagonista atraente, inteligente, jovem e com um emprego bacana, passando por experiências ora empolgantes, ora extremamente constrangedoras, na tentativa de conseguir uma companhia para se divertir.

E a ideia de usar manuais de conquista para isso é inusitada. Mesmo ciente da controvérsia, uma das regras pessoais de Cunningham é que seus pretendentes não podem saber que estão sendo objetos de pesquisa. Os guias são variados: vai de coisas como o clássico The Rules (que traz recomendações preocupantes como "não contar para seu terapeuta que está seguindo as regras"), passa pelo o livro de Belle de Jour (The Intimate Adventures of a London Call Girl) --pseudônimo de Brooke Magnanti, uma pesquisadora britânica que fingiu ser uma ex-garota de programa para financiar seus estudos --, vai até a era vitoriana e chega até As Regras do Jogo de um pick up artist à la Julien Blanc -- e se a personagem acaba se sentindo mal por ser estimulada a agir sempre de maneira depreciativa com os homens, não deixa de ser curioso ver como eles reagem às suas próprias táticas de conquista.

A conclusão desconcertante é que apesar de Cunningham muitas vezes ser obrigada a agir de maneira grosseira ou leviana, indo contra sua personalidade e seus instintos, algumas daquelas dicas funcionam -- ainda que, segundo o livro, a curto prazo. "Vi que existe fundo de verdade na ideia de que as pessoas gostam daquilo que é mais difícil de ter. E também que tentar demais pode ser brochante. Acho que isso é verdade tanto para homens quanto para mulheres", diz a autora na entrevista que acompanha o livro. No último post do seu blog, em que anuncia o fim das atividades ao iniciar seu relacionamento, Melissa Pimentel declara o que a gente já sabe: "Você pode ligar ou não pra ele, dormir com ele ou não, ser uma babaca completa ou uma dona de casa dos anos 50, mas no fim das contas, tudo se resume a se vocês se interessaram ou não um pelo outro. E por mais que você jogue, nada pode forçar isso."

Através de sua escrita honesta, Melissa consegue criar personagens e situações divertidas e fáceis de identificar, e embora o enredo seja previsível, o resultado é uma comédia romântica em que o mais interessante é observar até onde a coragem e a cara de pau da protagonista em seguir as mais absurdas dicas sem recuar irá levá-la. E são tantos caminhos inesperados que a autora sentiu necessidade de se desculpar com a família pelo conteúdo sexual do livro, lembrando a todos que a obra é, em grande parte, ficcional. No fim das contas, ainda que ambas, autora e personagem, tenham começado o projeto em busca de encontros divertidos e sexo, no final o jogo vai se tornando exaustivo e é o amor que acabam encontrando, contradizendo suas intenções iniciais. Mas como diz a música, quem irá dizer que existe razão nas coisas feitas pelo coração?