OPINIÃO
23/12/2016 17:52 -02 | Atualizado 23/12/2016 17:52 -02

O mal-estar nas diferentes democracias pelo mundo

smartboy10 via Getty Images
Colourful overlapping silhouettes of people voting. EPS10 file, best in RGB, CS5 versions in zip

Texto escrito com Felipe Almeida

Há um forte mal-estar nas diferentes democracias pelo mundo. Isto advém de um profundo descompasso, sendo eufemístico, na relação entre representados e representantes, gerando assim uma grave crise de representatividade. Perceber esta questão como algo individual a cada país é ter a atenção desviada do essencial - o que está em crise pelo globo é a própria democracia, pelo menos como a praticamos atualmente. Superar este mal-estar é perfeitamente possível. Para ir nesta direção, por mais inusitado que possa soar, é preciso aprender com o teatro.

A democracia é uma ideia, no mínimo, radical, e ainda bem que ela assim é. Pensar que cada indivíduo tem o direito de opinar sobre os seus destinos políticos, independentemente de sua religião, cor, gênero, posses, posição social e assim por diante, é um grande alento considerando a gestão da política em termos históricos. Porém, ao longo do tempo, a democracia parlamentar, que é como em geral a democracia é exercida pelo mundo, foi deixando alargar a distância entre representantes e representados. Hoje, para o cidadão comum, decidir seu destino político resume-se basicamente em apertar duas teclas e o botão confirma.

Como resultado, percebe-se na democracia hoje o que o teatro designa por a quarta parede. Normalmente, uma cena teatral ocorre entre quatro paredes: os fundos, duas paredes laterais e uma quarta parede. Esta expressão teatral nomeia a parede invisível e imaginária que separa atores e plateia, o universo das personagens da vida real e, em última análise, a ficção e a realidade. É o não contestar a existência desta quarta parede que faz com que a plateia simplesmente assista, sem interferir, à cena e, mais, que os atores performem como se aquela ali não estivesse presente.

Bertold Brecht, dramaturgo alemão, revolucionou o teatro ao quebrar esta quarta parede cênica, interagindo com a plateia, fazendo-a inclusive parte da cena e, assim, membro ativo da experiência teatral. O mesmo precisa ocorrer com a democracia. Não se trata de acabar com a democracia parlamentar, longe disso. Contudo, é preciso que os cidadãos deixem de ser tratados como meros expectadores do processo democrático e que a interação vá para além do vaiar e aplaudir o espetáculo. É preciso quebrar a quarta parede da democracia.

Um caminho é democratizar a democracia abrindo-se mais espaços para que os cidadãos, enquanto indivíduos, possam diretamente decidir questões ligadas às suas vidas. No passado, a dificuldade para ter várias pessoas em um único local debatendo era enorme. Contudo, hoje há tecnologia disponível para que milhões reúnam-se, discutam e votem sobre temas dos seus interesses. Cada pessoa com um celular ou acesso a um computador, por exemplo, tem uma urna de votação em potencial nas mãos.

É preciso caminhar para uma democracia de maior intensidade. Mais abertura à participação cidadã certamente resultaria em uma alocação e execução de recursos mais condizente com as necessidades e anseios da população. Ao contrário de outros regimes políticos, crises na democracia supera-se, somente, com mais democracia.

*Texto publicado originalmente no Jornal Gazeta do Povo

LEIA MAIS:

- A Reconstrução do Iraque e o Estado Islâmico

- Há o que comemorar no Dia Internacional da Paz?

Também no HuffPost Brasil:

Celebridades engajadas em causas da ONU