OPINIÃO
30/11/2018 15:47 -02 | Atualizado 30/11/2018 16:30 -02

'Nefés' e a aguardada passagem do grupo de Pina Bausch por São Paulo

"Pina Bausch não deixou apenas 44 obras. Deixou também um forte legado que tem chegado às novas gerações."

"Nefés" é resultado de imersão do Tanztheater Wuppertal na cultura turca.
Meyer Originals
"Nefés" é resultado de imersão do Tanztheater Wuppertal na cultura turca.

A notícia de que o Tanztheater Wuppertal está a caminho do Brasil sempre deixa ofegantes os fãs de Pina Bausch (1940-2009). Não seria diferente com Nefés, que está em cartaz no Teatro Alfa. Apesar da abertura para vendas de um lote extra no início desta semana, os ingressos estão esgotados há pelo menos quatro meses.

Diretamente da Alemanha, o diretor geral da companhia de dança mais prestigiada da atualidade em todo o mundo, falou sobre como tem sido os anos de ausência de sua fundadora e as expectativas para esta curta - porém oxigenada - temporada. Para Dirk Hesse, Pina era o centro (em todos os sentidos da palavra) do grupo de artistas de várias nacionalidades que têm como base a pequena cidade de Wuppertal.

"Ela não deixou apenas 44 obras. Deixou também um forte legado que tem chegado às novas gerações", resume. Hesse recebeu a difícil missão de garantir a continuidade dos trabalhos da companhia. Conta que foi somente a partir de 2013 que houve avanços nos novos processos criativos. "Ao repertório de Pina, adicionamos duas novas obras e formatos inovadores".

Ele também lembra que, após a morte de Pina, quinze novos bailarinos foram contratados e os primeiros momentos foram de transmissão de informações aos recém-chegados pelo elenco que conviveu com a mítica coreógrafa alemã. "Coreógrafos convidados vieram em 2015 e 2016: o grego Dimitris Papaioannou e o norueguês Alan Lucien Øyen, parceiros de longa data do Tanztheater".

Avisado sobre o esgotamento muito antecipado dos ingressos, Hesse já parece sentir o calor da acolhida em São Paulo. "Estamos muito tocados por voltar ao Brasil e de saber que o interesse no Tanztheater e no trabalho de Pina ainda é imenso. Estamos gratos ao Teatro Alfa pelo convite".

Inspira, expira, transpira

A aposta do Teatro Alfa foi alta, já que decidiu financiar sozinho os custos da vinda da companhia alemã. Em 2018, a casa celebra seus 20 anos e também os 15 anos do projeto Temporada de Dança, que se consolidou como um dos eventos de dança mais importantes do País. Como já é tradição, quem abriu a programação foi o Grupo Corpo. Subiu ao palco a Cia. de Dança Deborah Colker, Cie. DCA de Philippe Decouflé, Mats Ek e Ana Laguna e a São Paulo Cia. de Dança, que celebra 10 anos. O Tanztheater se tornou um gran finale.

"Pina atribuiu mundialmente uma nova forma à dança. Soube cativar com esse gênero chamado dança teatro. Construiu um vasto e fiel público pelo mundo", destaca João Carlos Couto, consultor de programação do Alfa. "É um grande presente ao nosso público, razão da longevidade da Temporada de Dança, que nos encorajou a enfrentar o desafio dos custos e da logística".

Couto lembra que o projeto inicial da Temporada de Dança tinha previsto constância e qualidade e a apresentação de companhias nacionais e estrangeiras com linguagens diversificadas. "A vantagem de investir em uma pauta anual e principalmente plural para a dança é a de conseguir ao mesmo tempo ter um público fiel e constante e estar sempre atraindo novos espectadores", avalia.

Aerofagia turca

Nefés, palavra que no idioma turco é nossa equivalente à respiração, é resultado da parceria do grupo com o Festival International de Teatro de Istambul e com a Fundação para a Cultura e Artes de Istambul. A obra estreou em 2003 e é um mergulho no ritmo alucinante da principal e milenar cidade da Turquia.

Um documentário de Hüseyin Karabey (veja abaixo) retrata os bastidores e o processo criativo. E são os movimentos que criam narrativas da imersão do Tanztheater feita em território turco.

Respirar fundo e seguir adiante será um desafio constante devido ao vazio que a morte de Pina deixou. "Estamos olhando com confiança para o futuro", garante Hesse que segue na missão de manter vivo o legado da Frau Bausch.

Para quem conseguiu algum entre os disputados ingressos, verá "uma sublime poesia visual e humana", atesta Couto, que avisa: "há movimentos de grupo, duos e solos de tirar o fôlego".

Nefés
Tanztheater Wuppertal Pina Bausch
29 de novembro a 2 de dezembro
Quinta, 21h; sexta, 21h30; sábado, 20h; e domingo, 18h
Teatro Alfa
170 minutos, com 1 intervalo
Livre
Ingressos esgotados

*Este artigo é de autoria de colaboradores ou articulistas do HuffPost Brasil e não representa ideias ou opiniões do veículo. Mundialmente, o HuffPost oferece espaço para vozes diversas da esfera pública, garantindo assim a pluralidade do debate na sociedade.