OPINIÃO
02/07/2014 13:58 -03 | Atualizado 26/01/2017 20:51 -02

Sobre absorventes e propaganda

Reprodução

Por muito tempo, nós publicitários abusamos da sua paciência e fizemos você odiar a propaganda.

Interrompemos o que você está assistindo, enchemos as revistas e a sua cabeça com coisas que você não precisa lembrar, entramos no Facebook para deixar ainda mais difícil a leitura da sua timeline. Em compensação, iniciamos emocionantes enquetes de curte e compartilha.

Temos a péssima mania de achar que a nova tecnologia de um absorvente é algo muito mais importante do que a a gravidez da sua amiga, que o namoro que acabou de terminar e de que qualquer festa que vá acontecer no final de semana.

Acredite, nós sabemos de tudo isso.

A verdade é que entre um café e outro, discutimos muito para fazer coisas que vocês gostem, que entretenham, que serão úteis e quem sabe até importantes. Mas, quando entramos nas tais salas de reunião, esse ímpeto parece sucumbir às mais superficiais opiniões. E aquele projeto cheio de emoção e opiniões firmes, que vai agradar alguns, desagradar outros (como tudo que é realmente interessante na vida) acaba se transformando no filme com uma adolescente andando livremente de bicicleta, porque agora ela está confiante e protegida com seu novo absorvente.

A boa notícia, é que você, consumidor, está mudando esse jogo. Você está cada vez mais evitando a má propaganda. Aquela que não te diverte, não informa e só rouba o seu tempo. A sua opinião importa (você não imagina o quanto).

Aqueles que preferiam o filme da menina com a bicicleta estão desesperados pra ganhar a sua atenção de volta. No fundo eles sabem que aquele jeito de fazer propaganda está morrendo. Só muitas vezes não sabem fazer diferente. Preferem não "arriscar". Preferem continuar fazendo aquilo que você aprendeu a odiar, ou pior, nem notar.

Daqui pra frente, vamos acompanhar um cenário com marcas mais corajosas, criativas e divertidas. Tudo porque esse é o único caminho para ganhar a sua atenção. Não se engane: todos na vida temos uma segunda intenção para tudo, mas você vai sentir quando a coisa é de verdade ou quando é só pra te vender mais sapatos.

Aqueles que jogam "seguro" e sempre pediam pela menina da bicicleta vão perder espaço. O mercado entendeu que a única maneira de se construir marcas fortes é torná-las verdadeiramente parte da sua vida ou no mínimo dos seus assuntos.

Esse é um dos resultados. Uma marca de absorventes sendo compartilhada por milhares de mulheres em suas timelines. Uma marca entrando no Facebook não como um post sobre produto, comprando a sua atenção, mas como um bom assunto, fundamental para qualquer boa conversa.

Na Austrália, o banco ANZ além de patrocinar a parada GLBT de Sydney, algo pouco comum num segmento tão conservador, ainda transformou todos os seus caixas eletrônicos (ATMs) em " GAYTMs", para mostrar ao mundo sua posição firme sobre o tema.

Essas são apenas algumas provas de que você consumidor pode salvar a propaganda. Da próxima vez que você ver na TV uma menina andando de bicicleta, que ela ao menos esteja dirigindo #LIKEAGIRL.

Acompanhe mais artigos do Brasil Post na nossa página no Facebook.


Para ver as atualizações mais rápido ainda, clique aqui.


MAIS MÍDIA NO BRASIL POST:

As Mídias Sociais segundo Edward Hopper