OPINIÃO
02/12/2014 12:24 -02 | Atualizado 26/01/2017 22:01 -02

Antonio Nóbrega: um tesouro nacional

divulgação

Os japoneses têm uma maneira única de honrar os responsáveis por contribuições excepcionais para a cultura. Eles designam a pessoa como "Tesouro Nacional Vivo". Seu trabalho tem um caráter especial de excelência e é valorizado de acordo.

Lembro de ver um lindo pote de cerâmica em Tóquio, muitos anos atrás. Entrei na loja e perguntei o preço. Com a grande formalidade dos japoneses, o vendedor me disse que o trabalho era do ceramista Shoji Hamada. Ele era um "tesouro nacional", e o preço do pote era US$ 10 mil.

Se o Brasil tivesse "tesouros nacionais" (além dos jogadores de futebol), no topo da minha lista de indicados com certeza estaria Antonio Nóbrega, grande showman, músico, dançarino e palhaço de 62 anos cujo filme autobiográfico "Brincante" estreará nos cinemas do país nesta quinta, 4 de dezembro. O filme é imperdível para quem quer entender e, acima de tudo, vivenciar um tesouro cultural muitas vezes ignorado ou esquecido pela maioria dos brasileiros preocupados com a última moda internacional.

Estrelando o diminuto Nóbrega e sua mulher, Rosane Almeida, o filme nos leva em uma viagem muito pessoal para o vasto universo da rica herança da "cultura popular". Em um caminhão velho e lindamente decorado, parecido com um daqueles usados pelos artistas de circos itinerantes, carregado com tudo o que é necessário para as apresentações, Nóbrega e Rosane nos apresentam a música e a dança que são o ingrediente essencial da cultura popular dos vilarejos do Brasil. Viajando com eles, vemos a energia e a coragem necessárias para que os artistas levem sua arte simples de cidade em cidade, mantendo viva essa cultura.

O filme, dirigido por Walter Carvalho, não tem a magia da proximidade das apresentações ao vivo, que sempre terminam com o o público aplaudindo de pé. Mas ele ainda captura as qualidades envolventes e especiais que Nóbrega traz a cada aspecto de sua arte: dançando, cantando, tocando seu amado violino, sendo palhaço e contando histórias.

Pernambucano, filho de um médico de saúde pública que morou em várias cidades do Estado, estudante de violino clássico de Luis Soler, um professor catalão austero e rigoroso, Nóbrega fala de um vazio. "Sentia falta de algo que sabia que existia, mesmo que não soubesse o que era ou onde estava."

No rádio ele ouvia os Beatles e os Rolling Stones, Roberto Carlos e às vezes um pouco de samba. Apesar de Recife ser conhecida por sua arte "popular", ele disse que os dois mundos eram divididos por um muro. "Quando olhei do outro lado", diz ele, "percebi que me perguntava por que a cultura existia e por que não a conhecia. Aí comecei a ficar sozinho e a estudar os movimentos herdados da cultura popular. Quando vi a cultura do outro lado do muro, a sensação foi muito intensa. Fiquei com fome de ver e sentir mais. Queria aprender as danças, a tocar o tambor, a cantar. Queria colocar meu corpo a serviço de tudo, porque a emoção era forte demais."

Essa emoção não diminuiu. Com sua enorme energia e dedicação, Nóbrega se tornaria o maior expoente e intérprete da cultura folclórica do país. O Instituto Brincante, que ele fundou na Vila Madalena mais de 20 anos atrás, treinou mais de 20 000 estudantes, gerou uma audiência de mais de 57 000 pessoas em suas 70 apresentações e organizou 5 festivais, todos dedicados a expandir o conhecimento e o interesse pela vibrante cultura brasileira. Mas os anos de trabalho duro e paciente e a existência do espaço estão sob a ameaça do mercado imobiliário. E isso levanta questões importantes: precisamos de mais teatros ou de mais prédios em São Paulo? Será que a "cultura" do crescimento econômico vai mais uma vez sufocar a chama da criatividade e da cultura popular?

Em uma vida de espetáculos, performances e dedicação, Nóbrega conscientizou e criou um público para a cultura popular de seu país. Ele se tornou um verdadeiro tesouro nacional e, com "Brincante", nos dá a oportunidade de compartilhar seus incríveis dons para sempre.

Assista ao trailer:

Acompanhe mais artigos do Brasil Post na nossa página no Facebook.


Para saber mais rápido ainda, clique aqui.

TAMBÉM NO BRASIL POST:

9 filmes essenciais de Almodóvar