OPINIÃO
21/11/2014 11:21 -02 | Atualizado 26/01/2017 21:52 -02

Há algo de diferente na cena gaúcha de games

Dar segurança às pequenas empresas de games digitais é o que o mercado mais precisa ultimamente. São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e diversos cantos do Brasil tem muito a aprender com essa iniciativa dos gaúchos.

Estive, entre os dias 11 e 15 de novembro deste ano, em Porto Alegre para cobrir a SBGames 2014. Na capital gaúcha, conheci a história da ADJogosRS através de Ivan Sendin, seu diretor-executivo. A Associação de Desenvolvedores de Jogos Digitais do Rio Grande do Sul está fazendo algo de diferente na cena brasileira de games. Explico os motivos neste texto.

A ADJogosRS é formada pelas empresas gaúchas que criam jogos. Entre elas está a Swordtales, famosa pelo game Toren, que está em desenvolvimento há quatro anos recebeu incentivos do governo federal em sua criação. O diretor de arte deles, Alessandro Martinello, é um desenvolvedor de games com quem tive desentendimentos na época do BIG 2014, em abril deste ano.

Alessandro argumentou que eu divulguei textos naquela época que não condiziam com a riqueza de games do festival naquela época. Argumentei que tinha feito determinado artigo apenas para introduzir as pessoas sobre o tema, e meu objetivo não era cobrir o BIG. Os humores ficaram esquentados e ficamos sem conversar por algum tempo.

No entanto, considero essas divergências saudáveis. Jornalista e suas fontes não são necessariamente amigos e isso faz parte do bom exercício da imprensa. O repórter deve ser independente para afirmar o que bem entender, ao mesmo tempo em que as fontes têm todo o direito de cobrar explicações do jornalismo que é praticado na sociedade.

A SBGames, então, foi uma oportunidade de eu conhecer pessoalmente Alessandro Martinello e seu trabalho. Reatamos o papo e ele me explicou melhor sobre a ADJogosRS, que está fazendo um trabalho diferente na cena brasileira de games. Ele endossou informações que foram concedidas pelo Ivan Sendin.

O que os gaúchos têm de diferente?

Carlos Henrique Pires Idiart, Israel Mendes, Ivan Silveira, Cássio Saldanha, Vitor Severo Leães, Felipe Peruzzo, João Vitor de Souza, Marsal Alves Branco e Rafael Rodrigues foram os fundadores da ADJogosRS. Destes, Israel Mendes é co-fundador do Aquiris Game Studio, uma das maiores companhias do setor e que recebeu um aporte de 10 milhões de reais neste ano. Já Vitor Leães é produtor da Swordtales junto com Alessandro Martinello, responsável por Toren.

A ideia por trás da ADJogosRS é totalmente diferente das demais associações presentes na cena. A Abragames nasceu em 2004, fruto de um diálogo entre desenvolvedores de São Paulo e Minas Gerais, para representar nacionalmente o setor. Atualmente, eles exportam jogos via Brazilian Game Developers (BGD). Já a ACIGAMES surgiu em 2010 na cidade de São Paulo para representar o varejo, apesar de também investir na cultura de videogames brasileira. Em uma vertente completamente diferente a IGDA e suas filiais regionais trazem as discussões da organização sem fins lucrativos que surgiu originalmente nos Estados Unidos.

O diferencial da ADJogosRS é apostar no regional ao invés do nacional ou mesmo do internacional.

"A associação existe oficialmente desde maio de 2013. Tivemos um workshop oferecido pelo governo da associação gaúcha de desenvolvimento e investimento. Foi a primeira vez que as empresas daqui se reuniram. Éramos quatro ou cinco e decidimos fomentar e formar uma organização, com estatuto próprio", me explicou Ivan Sendin, o diretor. A formação do grupo permitiu que eles participassem da SBGames, sobretudo na curadoria de jogos. Isso transformou um evento tradicionalmente acadêmico numa grande reunião de apresentação da cena gaúcha de games.

A união não é por acaso. O primeiro curso de graduação do Brasil é da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos), que surgiu em 2004. A região também é atendida por cursos da PUC-RS, da UniRitter e da Universidade Feevale. Essas instituições tanto formam os especialistas quanto oferecem educação de pós-graduação para quem deseja se aprofundar no setor.

O Dash

"Também apostamos em eventos como o Dash. Nosso pensamento foi que temos apenas três grandes feiras no Brasil: O BIG Festival, a BGS e a SBGames. Eles são ótimos eventos, mas são realizados essencialmente por empresários. O BIG e a BGS são obras de executivos, enquanto a SBGames foi organizada pela Sociedade Brasileira de Computação (SBC). Nenhum dos três é feito pelo desenvolvedor", frisou Ivan Sendin, embora sua associação tenha contribuído para o simpósio realizado em Porto Alegre.

A ADJogosRS quer dar maior poder aos desenvolvedores, fazer as coisas da maneira que eles querem. O Dash Games seria um espaço para que ele veja o que quer e mostre o que precisa ser exibido através de seus jogos. Desta forma, a associação precisa investir regionalmente para entender quais são as demandas do mercado local. Ivan busca incentivos fora do Brasil, mas em países próximos, como a Argentina. A associação quer crescer localmente e buscar relevância na América Latina, sem competir com BIG, BGS ou SBGames.

O que dá pra entender sobre isso?

"Um dos nosso desafios é fazer o desenvolvedor parar de enxergar a associação como um problema. Não queremos isso pra ADJogosRS, porque a nossa pegada é indie e direta com o criador de jogos, de uma forma que ele se entenda. Todo mundo confraternizou aqui na SBGames. Queremos encurtar caminhos, fazer bons negócios e deixar a cena crescer. É uma troca de ideias próxima. É diferente", complementou Ivan Sendin.

Se a ideia é real da ADJogosRS é essa, são projetos bem intencionados, bem menos pretensiosos e consistentes. Ivan também me contou que enxerga o papel de uma associação como um "pai" das empresas mais necessitadas.

Dar segurança às pequenas empresas de games digitais é o que o mercado mais precisa ultimamente. São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e diversos cantos do Brasil tem muito a aprender com essa iniciativa dos gaúchos.

Texto publicado originalmente no site Geração Gamer.

Acompanhe mais artigos do Brasil Post na nossa página no Facebook.

Para saber mais rápido ainda, clique aqui.

VEJA TAMBÉM NO BRASIL POST:

Galeria de Fotos A evolução dos jogos de mão Veja Fotos