OPINIÃO
17/10/2014 11:43 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:04 -02

Asus ZenFone 5 é um bom smartphone para games?

Recebi, para testes, o smartphone ZenFone 5, da fabricante taiuanesa Asus. O celular é o primeiro produzido pela marca no Brasil, dentro da fábrica da Foxconn em Jundiaí, no interior de São Paulo. O gadget de cinco polegadas foi anunciado ontem pela fabricante junto com o grande ZenFone 6, que tem tela de seis polegadas.

O aparelho possui armazenamento interno de 8 GB, memória RAM de 2 GB e processador de Clover Trail Plus Z2560 com frequência de 1,6 GHz e memória cache de 1 MB. Há opção de espaço interno de 16 GB e o gadget pode ser expandido via cartão SD até 64 GB. O celular nacional está disponível com traseiras nas cores branca, vermelha, dourada, roxa ou preta.

asus1

A câmera traseira é de 8 Megapixels, enquanto a frontal tem um sensor de 2 Megapixels. A Asus afirma que as imagens em ambientes noturnos são captadas de maneira aperfeiçoada através de uma tecnologia chamada PixelMaster, que aglutina quatro pixels em um só. Em nossos testes, no entanto, eu não senti tanta diferença entre o ZenFone e o Xperia da Sony.

O aparelho tem conectividades Bluetooth 4.0, Wi-Fi 802.11 b/g/n, 3G+ HSPA+ 42 Mbps, Mini USB, além de entradas para fones de ouvido. A bateria é de amperagem 2050 mAh e dura cerca de um dia. O design é arredondado, feito de plástico e com uma das pontas brilhantes. O preso do smartphone é de 145 gramas é bem distribuído e dá a impressão de ser um aparelho leve.

O sistema operacional é um Android 4.3. A Asus lançou em 8 de outubro uma atualização do ZenFone 5 para o software 4.4 KitKat. O smartphone foi lançado no último dia 15 de outubro. O preço dele é muito atraente, pelas configurações: R$ 599 pelo de 8 GB (que nós testamos) e R$ 699 pelo de 16 GB. Se você comprar o ZenFone pela loja da Asus, consegue baixar o preço do primeiro modelo para R$ 499. Já o ZenFone 6 fica por R$ 999.

Fizemos alguns testes utilizando o ZenFone com alguns jogos disponíveis para a plataforma Android. Confira.

1. Jogo do Cascão (Gratuito)

asus2

Game básico, desenvolvido pela empresa brasileira Insane com parceria da Maurício de Sousa Produções, ele consiste em fazer o sujinho Cascão desviar de obstáculos para que ele não se molhe na chuva. Você só precisa pular e deslizar. Na maioria dos smartphones, o game funciona sem problemas. No ZenFone 5, os loadings duraram menos de 10 segundos. O jogo funcionou de modo fluído e agradável.

2. Deep Dungeons of Doom (US$ 0,99)

asus3

Outro jogo brasileiro, este título brinca com o cruzado, uma feiticeira e um mercenário que lutam contra as forças do mal em gráficos retrôs do Nintendinho. O game lida com demônios, mortos-vivos e várias criaturas malignas de calabouço. Rodou com o mesmo rendimento do jogo do Cascão no ZenFone 5, mas sem loadings.

3. Into The Dead (Gratuito)

asus 4

Primeiro game 3D que testamos, você precisa abater zumbis antes de ser atacado pelos mortos-vivos. Utiliza armas num estilo de tiro em primeira pessoa. A renderização também funcionou com fluidez, com um carregamento de alguns segundos antes de começar o jogo.

asus5

4. Don't Look Back (Gratuito)

asus6

Criado pelo desenvolvedor Terry Cavanagh, Don't Look Back tem gráficos rudimentares das primeiras gerações de consoles. Obviamente, por ser um jogo leve, funcionou muito bem com o gadget que testamos. Você precisa matar as criaturas do cemitério com seu personagem.

5. Blood & Glory (Gratuito)

asus7

Este foi o teste mais exigente para o aparelho. Com gráficos tridimensionais em um game de 140 MB, envolvendo lutas de gladiadores, o programa funcionou redondo com o ZenFone 5. Este é um dos jogos percursores dos "serious games" para smartphones, no mesmo grupo de Infinity Blade.

Você gostou dos games testados? Eles dão conta do tipo de gamer que você é com seu celular? De repente o ZenFone pode ser um smartphone útil e em conta para suas aspirações.

Acompanhe mais artigos do Brasil Post na nossa página no Facebook.


Para saber mais rápido ainda, clique aqui.


VEJA TAMBÉM NO BRASIL POST:

A história dos videogames pelos controles