OPINIÃO
01/06/2015 17:15 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:19 -02

Dilma e o Chip da Besta: o surreal boato sobre o Registro Civil Nacional

Vários - vários mesmo - sites evangélicos estão afirmando que Dilma aprovou a implantação de um chip para ser inserido no corpo das pessoas, que permitirá ao governo controlar todos o brasileiros. Esse chip, conhecido como 666, seria a marca da besta.

reprodução

Resolvi procurar por Dilma no Google Trends. O Google Trends permite que vc saiba quais os termos mais procurados nas redes. E com que palavras eles são associados.

Durante o auge das manifestações em março não havia dúvidas, o termo mais associado com a palavra Dilma era Impeachment. Claro, era disso que as pessoas falavam. Não há mistério. Qualquer pessoa lendo ou assistindo aos meios de comunicação tradicionais poderia acertar que o resultado seria esse.

Mas, a partir de abril, um tema passa a ser muito, muito mais associado com Dilma do que impeachment. Alguém saberia dizer qual o termo mais associado com Dilma nas redes? Duvido. O termo é chip. Sim, também fiquei surpreso.

A prova está aqui e aqui você pode ver a comparação com impeachment.

Resolvi procurar Dilma e chip no Google para entender o que era. A história é fascinante.

A presidente Dilma encaminhou ao Congresso Nacional projeto de Lei para criar o Registro Civil Nacional. O projeto pretende que os brasileiros possam ter um único documento, como forma de simplificar a vida dos cidadãos.

Essa é uma discussão bem antiga. Há mais de uma década, projetos como esse são discutidos no governo e no Congresso. Eu mesmo, que já saí do governo há 4 anos e meio, participei de várias discussões nesse sentido. Uma coisa sempre me impressionou. Uma discussão de unificação do registro civil, em vários países do mundo, levantaria uma enorme discussão na sociedade civil e na imprensa sobre privacidade. "Será que o governo vai ter mais controle sobre meus atos?". "Será que isso vai permitir o cruzmento de dados do serasa, com meu celular, com meus impostos? Isso não é invasivo?"

Entretanto, no Brasil, essas discussões, pelo menos enquanto eu estive no governo (antes das revelações de Edward Snowden e, portanto, de uma mudança no patamar do debate sobre privacidade e governo) nunca apareceram de forma relevante. As discussões eram mais sobre os entraves burocráticos do que sobre implicações para a privacidade.

Mas, aparentemente, a história do chip pode mudar isso.

O que é esse chip afinal?

Vários - vários mesmo - sites evangélicos estão afirmando que Dilma aprovou a implantação de um chip para ser inserido no corpo das pessoas, que permitirá ao governo controlar todos o brasileiros. Esse chip, conhecido como 666, seria a marca da besta.

A história parece completamente surreal. Mas ela se apoia no fato concreto de que o governo quer reunir a identificação de todos os brasileiros em um microchip. A distorção feita por esses sites é gigante, claro. Mentiras, histórias fabulosas. Mas há pelo menos várias lições para tirarmos deste episódio.

1) Assistir a grande mídia não informa sobre o que os brasileiros estão realmente discutindos. As discussões nas redes passam por canais que muitas vezes não atingem os formadores de opinião mais tradicionais. E imagino que tampouco o governo tenha se dado conta do fato de que o tema com o qual os brasileiros mais se preocupam nas redes atualmente com relação à presidenta é o de que ela instalará um chip para controlar todos os brasileiros. Ou seja, para compreender o debate político para além de nossos espelhos, precisamos furar as bolhas em que vivemos.

2) É claro que é um absurdo propagar a ideia de que a "Dilma vai instalar o chip da besta nos brasileiros", mas pode ser que uma parcela da comunidade evangélica tenha cumprido um papel importante ao levantar o medo de que, com a nova tecnologia, o governo possa ter mais controle sobre os cidadãos. Snowden nos mostrou - quem não viu o documentário sobre o tema ganhador do Oscar, Citizenfour, tem que ver - que os riscos de governos controlarem seus cidadãos existe, e tecnologias como essas aumentam, de fato, esse risco.

3) É claro que a solução para este problema não passa por gritarias religiosas. O próprio governo discute há muito tempo um projeto de lei interessante sobre proteção de dados pessoais. Esse projeto pode definir como governo e empresas poderão usar as informações do novo Registro Civil Único e quais as proteções para cidadãos e consumidores no compartilhamento desses dados.

Aqui você pode ver alguns dos vídeos que acusam Dilma de querer instalar o "chip da besta" nas pessoas: