OPINIÃO
11/09/2017 19:31 -03 | Atualizado 11/09/2017 19:33 -03

A perigosa censura disfarçada de 'defesa da moral'

O Santander Cultural cancelou uma mostra sobre diversidade após campanha negativa e acusação de incitação a pedofilia e zoofilia.

MARCELO LIOTTI JUNIOR / DIVULGAÇÃO
A exposição intitulada

Vamos deixar uma coisa bem clara: alguém achar uma obra de arte "repulsiva" não lhe dá o direito de querer que a mostra onde a obra é exposta seja fechada. Obviamente as pessoas podem fazer críticas morais, em seus círculos ou redes sociais, etc. Mas se alguém acha algo repulsivo, é simples: não vá ao local da exposição e não recomende aos amigos.

Agora concordar com a censura a uma mostra de arte a partir do seu senso moral é demais. É colocar o seu senso moral como parâmetro de (i)licitude, o que é intolerável num Estado Democrático de Direito pautado pelo pluralismo social e moral. Se seu senso moral foi afetado, o de outros e outras não foi.

E minorias ou mesmo artistas isolados têm o direito de expor sua arte. Não incitando ao ódio, ao preconceito, à discriminação, à violência e ao crime em geral, o trabalho artístico é lícito.

Acusaram quadros sobre crianças LGBT como incitando a pedofilia e a sexualização de crianças. Isto é pura e simples má-fé, ou, na melhor das hipóteses, indesculpável ignorância. Há crianças que querem namorar crianças do mesmo gênero, com o mesmo afeto lúdico que se acha perfeitamente normal os namoros entre crianças de gêneros opostos.

E há crianças transgênero também, diversas pesquisas e reportagens já o atestaram mundo afora. Age com "ideologia de gênero", cissexista, quem nega esses dados objetivos da realidade empírica.

Sobre a imagem da zoofilia - que também não me agradou -, ao que me consta não é ilícita essa representação. Então, se você acha isso repulsivo, faça as críticas morais que bem entender e estará em seu direito de crítica. Mas nada lhe dá o direito de querer censurar dita representação.

Representar não significa incitar a prática, significa retratar algo que acontece. Vão querer censurar a literatura de Jorge Amado, que retrata a pedofilia cultural de determinada região, como no livro Tocaia Grande?.

Sobre símbolos religiosos, eles não são merecedores de privilégios sociais frente a outros símbolos, podem ser usados em críticas e ironias. Haja hipocrisia em quem acusa pessoas LGBTs de quererem "privilégios" quando lutam apenas por igual respeito e consideração das leis, mas querem, aí sim, verdadeiros privilégios para as suas próprias crenças. Tudo pode ser objeto de crítica social, menos símbolos religiosos? Privilégio, algo obviamente inconstitucional, é o que vocês querem.

Em suma, arte não é só o que te agrada. Totalitárias são as pessoas que acham "tudo bem" censurar aquilo que as desagrada. Tristes e nefastos tempos estes.

*Este artigo é de autoria de colaboradores ou articulistas do HuffPost Brasil e não representa ideias ou opiniões do veículo. Mundialmente, o HuffPost oferece espaço para vozes diversas da esfera pública, garantindo assim a pluralidade do debate na sociedade.

Galeria de Fotos 21 vezes em que as pessoas ficaram nuas em momentos inapropriados da história da arte Veja Fotos

Eleições nos EUA
As últimas pesquisas, notícias e análises sobre a disputa presidencial em 2020, pela equipe do HuffPost