OPINIÃO
03/02/2015 17:32 -02 | Atualizado 26/01/2017 21:52 -02

Como uma 'abordagem holística da vida' transformou Novak Djokovic em campeão

Getty Images
Serbia's Novak Djokovic poses with The Norman Brookes Trophy after victory in men's singles final match against Britain's Andy Murray on day fourteen of the 2015 Australian Open tennis tournament in Melbourne on February 1, 2015. AFP PHOTO / GREG WOOD-- IMAGE RESTRICTED TO EDITORIAL USE - STRICTLY NO COMMERCIAL USE (Photo credit should read GREG WOOD/AFP/Getty Images)

O campeonato de Wimbledon de 2013 foi memorável (pelo menos para os britânicos) pela quebra de um dos recordes mais notáveis do tênis - o final de uma longa espera por um campeão britânico masculino no All England Club, espera que durava desde a década de 1930.

No entanto, nas semanas antes da final, quando Andy Murray acabou sendo coroado como vencedor, a notícia que circulava era que Novak Djokovic, o atual jogador número 1 e oponente de Murray naquela final, havia visitado um templo budista em Londres para fazer sessões de meditação.

As sessões não se tratavam de um exercício religioso para o sérvio (que é membro devoto da tradicional Igreja Ortodoxa de seu país), mas faziam parte do que ele descreve como a 'abordagem holística' que ele aplica não só à vida mas ao tênis também - que inclui a prática da meditação, juntamente com o ioga, hábitos alimentares específicos, um padrão regrado de sono e, é claro, treinamento intensivo do tênis.

Nos últimos anos, Djokovic tornou-se não só um dos maiores jogadores a empunhar uma raquete, mas tornou-se também um tipo de ícone de como a consciência e bem-estar estão sendo incorporadas aos mais altos níveis de competição esportiva -- uma abordagem que permitiu ao vencedor de quatro títulos ser o favorito para a conquista de uma quinta vitória no Australian Open ainda esse mês.

Se o jovem de 27 anos nascido em Belgrado alcançou o ápice do esporte através de um estilo de vida equilibrado, o seu início no jogo foi graças a uma única pessoa, Jelena Gencic, o técnico que com toda sua experiência nutriu o talento do jovem sérvio no balneário das montanhas de Kopaonik. Djokovic explica a influência de Gencic como sendo - "uma das figuras mais importantes na minha vida" - em um dos três filmes preparados para Jacob's Creek antes do torneio em Melbourne.

Mas Gencic foi mais do que apenas um técnico, ele "cuidava de cada aspecto" da "vida profissional e privada" da futura estrela do tênis, um papel que segundo Djokovic relatou ao HuffPostUK, incluía as notas que ele tirava na escola, o tipo de música que ele ouvia até o quanto ele dormia -- uma preparação para a atitude abrangente que hoje ele adota como mantra.

Vídeo: Novak Djokovic Criado Na Sérvia

Antes dos campeonatos, Djokovic usa técnicas de respiração para ajudá-lo a "alinhar os pensamentos" e "manter a compostura" - ato que ele considera parte essencial na preparação de qualquer atleta para uma competição. Isso é necessário especialmente no tênis, ele argumenta, já que o jogador precisa enfrentar sozinho "as pressões e expectativas".

Famoso por rebater com firmeza independente do nível de pressão (um aspecto psicológico do jogo enfrentado pela maioria dos jogadores profissionais), Djokovic utiliza a respiração para "atingir o nível máximo de auto-controle", apesar de admitir que essa é apenas "uma das peças do quebra-cabeça".

"Seu estilo de vida, seu treino, a forma em que você encara a vida... tudo isso é muito importante", ele diz.

Vídeo: Novak Djokovic Moldado Por Jelena

A nutrição é outro aspecto que tem um papel importante na formação de um campeão.

Djokovic é famoso por adotar uma alimentação sem glúten, por ter sido diagnosticado com intolerância ao trigo em 2009. Essa revelação transformou um jogador que mostrava potencial, porém com tendência a problemas respiratórios e cansaço, em um campeão do Grand Slam.

Em seu livro de 2013, "Sirva Para Vencer", Djokovic relatou com detalhes como ele se sentia antes do diagnóstico da intolerância: "Cada vez que eu dava um grande passo em direção ao meu sonho, sentia como se houvesse uma corda amarrada em meu tórax que me puxava para trás. Fisicamente, eu não conseguia competir. Mentalmente, também não sentia que pertencia na mesma quadra que os melhores do jogo".

O diagnóstico o levou a mudar totalmente a sua alimentação, resultando em sete títulos individuais do Grand Slam e mais do que 129 semanas na primeira posição do ranking mundial da ATP. Hoje Djokovic segue uma dieta rígida de alimentos orgânicos; ele mesmo tenta preparar muitas de suas próprias refeições.

Vídeo: Novak Djokovic Inspirado Por Sonhos

O jogador também o sono bastante regrado, tentando sempre dormir "de 8 a 10 horas por noite para recuperar e revitalizar o corpo, especialmente em época de competição".

"É difícil dar uma fórmula geral para o sucesso", ele diz, "mas eu acredito que um estilo de vida holístico, equilibrado é a melhor abordagem que se pode ter [no esporte]. Por outro lado, também é o mais complexo e requer muito tempo para entender quem você é, qual o seu caráter e os aspectos do seu caráter que precisam ser fortalecidos".

Ele conclui dizendo: "Isso é importante não só para ser o melhor atleta possível, mas também a melhor pessoa possível".

Nos vídeos 'Made By Films' de Jacob's Creek, Djokovic revela histórias inéditas sobre a sua vida, celebrando as pessoas, lugares e paixões que fizeram dele o campeão de tênis que é hoje.

Este artigo foi originalmente publicado pelo HuffPost UK e traduzido do inglês.

Curta a gente no Facebook |
Siga a gente no Twitter