OPINIÃO
31/03/2015 15:35 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:36 -02

O terrorismo islâmico: entenda em 15 frases o perigoso mundo em que vivemos

Mais de 20 pessoas, a maioria turistas estrangeiros, são assassinadas no Museu Bardo, uma das maiores coleções de mosaicos romanos do mundo, em Túnis (Tunísia), por terroristas islâmicos que dizem integrar o Estado Islâmico (ISIS). Dois dias depois, pelo menos 120 pessoas morrem em atentados suicidas contra mesquitas xiitas na capital do Iêmen. Na mesma semana em que esses atentados revoltaram o mundo, três pensadores brasileiros se reuniram em São Paulo. Leia um resumo do debate em 15 grandes frases.

AP Photo

"O poder político associado à religião faz mal à saúde" - Bernardo Sorj, sociólogo uruguaio nacionalizado brasileiro.

Mais de 20 pessoas, a maioria turistas estrangeiros, são assassinadas no Museu Bardo, uma das maiores coleções de mosaicos romanos do mundo, em Túnis (Tunísia), por terroristas islâmicos que dizem integrar o Estado Islâmico (ISIS). Dois dias depois, pelo menos 120 pessoas morrem em atentados suicidas contra mesquitas xiitas na capital do Iêmen.

Na mesma semana em que esses atentados revoltaram o mundo, três pensadores brasileiros se reuniram na Fundação iFHC, em São Paulo, para o debate Os atentados de Paris: significados e consequências dos atos de terror. Leia um resumo do debate em 15 grandes frases.

"Quase todos os conflitos que ensangüentam o mundo desde o final da Guerra Fria e a Queda do Muro de Berlim têm um componente islâmico. E estamos mais perdidos do que nunca." - Rubens Ricupero, ex-embaixador do Brasil em Washington, Roma e Genebra, ex-ministro da Fazenda e do Meio Ambiente e ex-secretário-geral da UNCTAD (Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento)

"Temos de pensar o atentado contra os cartunistas do Charlie Hebdo também no quadro dos crimes de ódio, que estão ou se expandindo ou tendo cada vez maior visibilidade." - Renato Janine Ribeiro, professor de Ética e Filosofia da Universidade de São Paulo.

"O Islã fundamentalista não mata basicamente ocidentais. Milhões morrem nos países muçulmanos por causa do uso da religião como instrumento de luta política." - Bernardo Sorj, professor visitante do Instituto de Estudos Avançados da USP.

"O terrorismo islâmico tem como principais atores composições extremistas que não são Estados. Estão em perpétua efervescência e não têm uma só cabeça. Não adianta matar Bin Laden" - Rubens.

"As duas guerras norte-americanas pós-queda do Muro de Berlim - a guerra ao terror e a guerra às drogas - compartilham uma característica: ambas são extraterritoriais." - Renato.

"Depois daquele messianismo de George W. Bush, de acreditar na democratização dos países árabes, agora o Ocidente vai ao outro extremo. Não quer mais se meter" - Rubens.

"A pobreza, a exclusão e o racismo por si só não produzem fundamentalismo islâmico, assim como não produzem nazismo, comunismo ou outras ideologias do tipo." - Bernardo.

"O grande problema é que vivemos em um mundo em que as pessoas se sentem desencontradas, especialmente os mais jovens. Soluções que proponham uma verdade sem um esforço mental são bem-recebidas." - Renato.

"O combate ao extremismo deve ser pela mente das pessoas, daí a importância de se valorizar a cultura de paz." - Renato.

"Estive recentemente na França e as pessoas dizem 'que saudade da primeira semana pós-Charlie, quando sentimos que éramos novamente a França'." - Bernardo.

"A guerra às drogas foi e é um fracasso tão grande que existe hoje uma campanha, da qual o presidente Fernando Henrique Cardoso aqui presente é um dos líderes mundiais, pela descriminalização das drogas leves. E o Uruguai se tornou pioneiro ao romper um acordo tácito de que nenhum país as descriminalizaria." - Renato.

"A guerra às drogas não atinge a questão cultural, do porquê as pessoas as procuram." - Renato.

"Os terroristas conseguiram vender o peixe de que o Charlie Hebdo seria um jornal anti-islâmico, preconceituoso, talvez pró-Israel. É preciso restabelecer a verdade sobre a diversidade da redação do jornal." - Renato.

"No mundo das ideias (e do humor), não existem blasfêmias. Blasfêmia é para quem acredita nelas." - Bernardo.

Leia mais sobre o seminário Os atentados de Paris: significados e consequências dos atos de terror.