OPINIÃO
29/05/2014 10:36 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:36 -02

Missão impossível em Caracas?

Luiz Alberto Figueiredo enfrenta a tarefa mais desafiadora desde que assumiu o Ministério das Relações Exteriores do Brasil no ano passado.

Divulgação

Luiz Alberto Figueiredo enfrenta a tarefa mais desafiadora desde que assumiu o Ministério das Relações Exteriores do Brasil no ano passado. Depois de ser muito criticado por sua reação inicialmente tímida à crescente violência na Venezuela no início de fevereiro, Figueiredo se transformou em um ator-chave na tentativa da Unasul de reiniciar um diálogo construtivo entre o Presidente Maduro e a oposição. Além do chanceler, a Ministra das Relações Exteriores da Colômbia, María Ángela Holguín, e o Ministro das Relações Exteriores do Equador, Ricardo Patiño, tentam assegurar um resultado positivo nas negociações.

Em meados de abril, após a primeira reunião entre o governo e a oposição em Caracas, Figueiredo expressou otimismo, argumentando que ambos os lados pareciam dispostos a falar uns com os outros. No início de maio, ele atribuiu níveis mais baixos de violência na Venezuela aos esforços da Unasul.

No entanto, não está claro o quanto a situação melhorou. Como publicado na The Economist, a situação deteriorou-se desde o início das negociações em 10 de abril:

O espaço para os líderes da oposição moderada está diminuindo. As negociações não conseguiram alcançar a libertação de um único prisioneiro político e mais são presos quase que diariamente. Movimentos para nomear figuras não partidárias para o Supremo Tribunal, a autoridade eleitoral e outras instituições ainda não foram frutíferos. Gangues armadas pró-governo continuam a assediar os manifestantes, assim como as forças de segurança. O ato de protestar foi declarado em uma ofensa criminal. A ameaça de prisão como golpistas paira sobre cada líder da oposição.

A sociedade venezuelana tem sido profundamente polarizada por anos, e o Brasil tem frequentemente tentado evitar crises políticas lá, com um variável sucesso. Depois de um fracassado golpe de Estado em abril de 2002 contra o presidente Chávez, o Brasil continuamente procurou estabelecer um diálogo entre o governo e a oposição. Artigos de jornais da época são similares aos publicados nos dias de hoje. Uma diferença interessante entre 2002 e 2014 é que a Unasul substituiu a OEA como o quadro institucional das negociações. Ainda deve ser observado como essa nova dinâmica regional - ou seja, a ausência dos Estados Unidos nas negociações - afeta a situação.

Seria injusto culpar somente Figueiredo se as negociações fracassarem a restaurar a estabilidade política. A Venezuela vai levar anos, se não décadas, para superar as divisões que se desenvolveram ao longo dos últimos anos. Isso não muda o fato de que a crise política na Venezuela é um teste decisivo da capacidade do Brasil em defender os direitos humanos, a democracia e a estabilidade política na América do Sul. O Brasil, junto com a Colômbia e o Equador, deve convencer os dois lados para estabelecer um diálogo real e envolver compromissos sérios e mensuráveis, além de ajudar a articular uma forma mais imediata de sair da crise.

Acompanhe mais artigos do Brasil Post na nossa página no Facebook.

Para ver as atualizações mais rápido ainda, clique aqui.

MAIS VENEZUELA NO BRASIL POST:

Galeria de Fotos O Instagram dos venezuelanos antes e depois dos protestos Veja Fotos