Opinião

A nossa falta de intimidade

Bota essa língua pra fora, minha gente! Não só para metê-la em orifícios ou praticar o boq***e que você leu na parte lacrada da revista feminina. Intimidade é conversa. Sim, sobre sexo também.
Esta postagem foi publicada na plataforma, agora fechada, do Colaborador do HuffPost. Os colaboradores controlam seu próprio trabalho, que são postados livremente em nosso site. Se você precisa denunciar este artigo como abusivo, envie-nos um e-mail.

Há anos, abre as pernas para ele. De tanto ver essa vagina em closed caption, o homem decorou a posição de cada pelo e reentrância. Acreditam-se íntimos, muito íntimos. Compartilham erros inconfessáveis, planos ambiciosos, alegrias banais e frustrações dantescas. Ela até se depila na frente dele, que já peida sem qualquer cerimônia. O problema, ela vem me dizer, é "ter de fingir quase sempre" porque ele sofre de ejaculação precoce -- embora tente disfarçar e se empenhe para proporcionar orgasmos (fictícios) à namorada. "Mas vocês conversaram?", farejei. Ela tem vergonha de falar "dessas coisas" e teme magoá-lo.

O que é intimidade senão a capacidade de ser quem somos ao lado de quem amamos? Com todas as nossas falhas, limitações e desejos. Por que não dizer "amor, hoje não rolou" ou "põe o dedo mais para cima" ou "vamos comprar um vibrador juntos"? Qual o tamanho do tabu que impede um adulto de comentar "linda, vou procurar um médico pra gente curtir melhor o sexo" ou "não me chupa desse jeito que eu gozo rápido"? Bota essa língua pra fora, minha gente! Não só para metê-la em orifícios ou praticar o boquete que você leu na parte lacrada da revista feminina. Intimidade é conversa. Sim, sobre sexo também.

Não me surpreende que metade da população brasileira esteja insatisfeita com a vida sexual. O dado não é um chute estatístico baseado nas dezenas de e-mails que recebo toda semana das leitoras do Pimentaria. Trata-se de uma pesquisa com mais de mil pessoas (89% em união estável), realizada pela marca de camisinhas Durex e divulgada no mês passado pela psiquiatra Carmita Abdo. Algumas pistas do drama doméstico: 40% dedicam no máximo 15 minutos para as preliminares e 13% transam em menos de cinco. Não à toa, apenas 22% das mulheres conseguem gozar toda vez e 62% dos homens declaram dificuldades para manter o pau ereto.

Diante das lamúrias e reclamações que chegam a mim, a resposta mais fácil seria "troque de parceiro(a)" que tudo se resolve. Por um tempo, impossível negar, uma nova paixão consegue entreter e saciar qualquer um. À medida que o fogo arrefece e o mistério acaba, voltamos às mesmas questões -- ainda que elas sejam diferentes, como a falta de libido ou o receio de falar sobre um fetiche. Então talvez a melhor resposta para os casais que se amam e querem realmente se sentir íntimos seja... "pratique o sexo oral". Crie um espaço para o diálogo livre de receios e julgamentos. O prazer é consequência.