OPINIÃO
13/08/2014 08:23 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:52 -02

Fique de olho: eles podem virar imortais

Com base numa lista divulgada pela renomada revista literária Granta dos melhores jovens autores do Brasil, fiz uma seleção com os autores promissores que podem virar imortais nos próximos anos.

No mês de julho, a ABL perdeu três grandes nomes da literatura nacional: Ivan Junqueira, João Ubaldo Ribeiro e Ariano Suassuna. Essas cadeiras passam agora para Ferreira Gullar, Evaldo Cabral de Mello e Zuenir Ventura. E assim a vida na Academia segue. Mas a questão é: quem são os jovens de hoje que vão se sentar nas cadeiras nos próximos anos? Com base numa lista divulgada pela renomada revista literária Granta dos melhores jovens autores do Brasil e finalistas e vencedores de prêmios como o Jabuti e o Prêmio São Paulo de Literatura, fiz uma seleção com os autores promissores que podem virar imortais nos próximos anos. Vale a pena ficar de olho neles! ;)

Daniel Galera

Nasceu em 1979, em São Paulo, mas passou a maior parte da vida em Porto Alegre. É um dos criadores da editora Livros do Mal, pela qual publicou o volume de contos Dentes guardados. É autor dos romances Até o dia em que o cão morreu, adaptado para o cinema, Mãos de cavalo, publicado também na Itália, na França, em Portugal e na Argentina, Cordilheira e Barba ensopada de sangue.

Por que ficar de olho?

O garoto venceu o Prêmio Machado de Assis de Romance, da Fundação Biblioteca Nacional, com o romance Cordilheira. Ele está na lista da revista Granta dos melhores escritores brasileiros jovens, é finalista do Prêmio Jabuti de Melhor Romance com Barba ensopada de sangue e venceu, com a mesma obra, o melhor livro do ano pelo Prêmio São Paulo de Literatura 2013.

Ricardo Lísias

Nasceu em 1975, em São Paulo. É autor de Anna O. e outras novelas, Cobertor de estrelas, traduzido para o espanhol e o galego, Duas praças, O livro dos mandarins, atualmente sendo traduzido para o italiano. Em 2012, publicou o romance O céu dos suicidas, depois Divórcio e recentemente lançou Intervenções: álbum de crítica, obra exclusiva no formato digital.

Por que ficar de olho?

Reconhecimento não falta para ele: foi o terceiro colocado no Prêmio Portugal Telecom de Literatura Brasileira de 2006 com Duas praças, finalista do Prêmio Jabuti de 2008 com Anna O. e outras novelas, finalista do Prêmio São Paulo de Literatura de 2010 e 2013 (com O céu dos suicidas) e finalista do Jabuti 2013 de melhor romance com a mesma obra. Seus textos já foram publicados na Piauí e nas edições 2 e 6 da revista Granta em português, que, aliás, indicou Lísias como um dos melhores autores jovens do Brasil.

Tatiana Salem Levy

Tatiana é escritora, tradutora e doutora em estudos de literatura pela PUC-Rio. A autora, que nasceu em Lisboa, mas se naturalizou brasileira e vive no Rio, escreveu o ensaio A experiência do fora: Blanchot, Foucault e Deleuze e os romances A chave de casa, Dois rios, e o infantojuvenil Tanto mar.

Por que ficar de olho?

Seu romance A chave de casa foi finalista do prêmio Jabuti 2008 e deu à autora o Prêmio São Paulo de Literatura na categoria autor estreante, além de ter sido publicado em Portugal, França, Espanha, Itália, Turquia e Romênia. Tanto mar venceu o Prêmio ABL de Literatura Infantojuvenil. Além disso, a autora também integra a lista Granta dos melhores escritores jovens do Brasil.

Antonio Prata

Nasceu em 1977, em São Paulo, e, além de roteirista, Antonio tem nove livros publicados, entre eles Douglas, Meio intelectual, meio de esquerda, Felizes quase sempre e Nu, de botas. Ele já foi colunista da revista Capricho, do jornal O Estado de S. Paulo e atualmente é colaborador da Folha de S. Paulo.

Por que ficar de olho?

Antonio Prata está entre os melhores escritores jovens do Brasil, de acordo com a revista Granta, seu livro Felizes quase sempre foi finalista do Jabuti 2013 como melhor romance infantil e, com Nu, de botas, venceu o 2º Prêmio Brasília de Literatura na categoria crônicas.

Socorro Acioli

Nascida em Fortaleza, Socorro é formada em jornalismo, mestre em Literatura Brasileira pela Universidade Federal do Ceará e doutoranda em Estudos de Literatura pela Universidade Federal Fluminense. Aos oito anos, Socorro escreveu sua primeira obra, O Pipoqueiro João. Depois disso, a escritora lançou livros voltados para o público infantil e infantojuvenil, como Ela tem os olhos do céu, ensaios biográficos, como de Frei Tito e Rachel de Queiroz, e o romance A cabeça do santo.

Por que ficar de olho?

Socorro Acioli foi vencedora do Prêmio Jabuti na Categoria Infantil com o livro Ela tem olhos de céu e desenvolveu o romance A cabeça do santo na oficina de roteiros Como contar um conto, ministrada por Gabriel García Márquez, em Cuba. =O

Raphael Montes

O carioca tem só 24 anos e já é considerado a nova promessa da literatura policial brasileira. Advogado e escritor, Raphael estreou na literatura com Suicidas e recentemente lançou Dias perfeitos, pela Companhia das Letras. Para saber mais sobre ele, confira uma entrevista que o blog do iba fez.

Por que ficar de olho?

Raphael já publicou contos na prestigiada revista americana Ellery Queen Mystery Magazine, seu romance Suicidas foi finalista do Prêmio Benvirá de Literatura 2010, do Prêmio Machado de Assis 2012 da Biblioteca Nacional e do prestigiado Prêmio São Paulo de Literatura 2013. Ele também foi convidado a publicar em inglês, em antologia policial organizada por Clifford Landers, ao lado de nomes como Rubem Fonseca, Lygia Fagundes Telles e Patrícia Melo. Além disso, o garoto escreve o projeto de uma série policial para TV e divulgou que seu romance Dias perfeitos vai virar filme.

Vanessa Barbara

Nasceu em junho de 1982 em São Paulo. É jornalista, tradutora e escritora. Publicou O livro amarelo do terminal, o romance O verão do Chibo, o infantil Endrigo, o escavador de umbigo e Noites de alface. Como tradutora, lançou sua versão de O grande Gatsby (Penguin/Companhia das Letras).

Por que ficar de olho?

Vanessa está entre os melhores escritores jovens do Brasil, segundo a revista Granta, e sua obra O livro amarelo do terminal venceu o Prêmio Jabuti 2008 de Reportagem. Além disso, ela é colunista do New York Times e cronista do jornal Folha de S.Paulo.

Luisa Geisler

Com apenas 23 anos, a gaúcha já tem dois livros publicados. Estreou na literatura em 2011, com Contos de mentira e depois lançou Quiçá, romance que, em diferentes planos narrativos, investiga a relação entre dois primos.

Por que ficar de olho?

Seu livro de estreia, Contos de mentira, foi escolhido pelo Prêmio SESC de Literatura 2010/2011 na categoria conto. No ano seguinte, o mesmo prêmio escolheu Quiçá na categoria romance. Luisa é também finalista do Prêmio Jabuti de melhor romance com Quiçá, foi finalista do Prêmio São Paulo de Literatura e está na lista Granta dos melhores escritores jovens do Brasil.

Fique de olho: Outros nomes indicados pela revista Granta

- Carol Bensimon, autora de Pó de parede, Todos nós adorávamos caubóis e Sinuca embaixo d'água.

- Michel Laub, autor de Diário da queda, O segundo tempo, A maça envenenada e O gato diz adeus.

- Chico Mattoso, autor de Nunca vai embora.

- Carola Saavedra, autora de Um mistério nos Eletric Lady Studios, O inventário das coisas ausentes e Convivência.

- Leandro Sarmatz, autor de Ariel, Quixote do Holocausto e Carmen Cohen.

- Antônio Xerxenesky, autor de F.

Acompanhe mais artigos do Brasil Post na nossa página no Facebook.

Para saber mais rápido ainda, clique aqui.

MAIS LITERATURA NO BRASIL POST:

Galeria de Fotos 14 livros da Flip 2014 Veja Fotos