OPINIÃO
21/10/2014 12:04 -02 | Atualizado 26/01/2017 21:36 -02

Você faz parte da geração dos insatisfeitos?

Sabe aquele menino que sempre foi bem na escola e tinha tudo pra ser diretor de uma grande multinacional? Ou aquela menina que sempre tirava as melhores notas e era movida pela competitividade com os outros CDF da turma? Essas pessoas estão sofrendo um mal quase irreparável.

Reprodução

Hoje eu quero falar com você, meu amigo e minha amiga, que sofre do mesmo problema que eu. Sabe aquele menino que sempre foi bem na escola e tinha tudo pra ser diretor de uma grande multinacional? Ou aquela menina que sempre tirava as melhores notas e era movida pela competitividade com os outros CDF da turma? Ah, e ainda os que sempre foram o orgulho da família, os que desenhavam bem desde sempre e, é claro, os que se gabam até hoje por ter aprendido a ler e a escrever antes dos 4 anos. Se até hoje você se sentiu exclusivo por qualquer um desses motivos, talvez eu tenha algo a lhe contar: você é mais comum do que imagina e pessoas como você existem aos montes por aí. Se isso parece ruim à primeira vista, vou ainda mais longe: pessoas como você - e como eu, muito prazer - estão sofrendo um mal quase irreparável e, pode confiar em mim, saber que existe mais gente como nós pode soar como um alívio.

Era bacana ser o melhor. Na sala de aula, dentro de campo, no recital de piano. A gente enchia o peito e agradecia, forjando uma timidez qualquer, aos elogios que brotavam a cada vez que mostrávamos nosso potencial pródigo e autodidata. Mas aí o tempo foi passando, a gente cresceu e precisou trilhar um rumo. Você escolheu o quê? Jornalismo ou Publicidade? Design ou Administração? Não importa o curso, ouso até generalizar que boa parte dos engenheiros e médicos também devam sofrer como nós. Foi a partir daí, da escolha de um futuro único diagnosticado pela universidade, que surgiu em nossa vida o tal mal quase irreparável: o medo de não dar certo. É o pânico em não realizar todo o planejado - por si e pelos outros - no auge dos seus vinte e poucos anos, é a crise por não saber qual caminho seguir, é o drama em ter que escolher a bicicleta ou o casamento, o mestrado ou a pós-graduação, o emprego com registro e rotina ou uma vida de freelancer repleta de altos e baixos.

Os dias se transformam em anos e, sentado no escritório lendo esse texto, prevejo que um diploma, um emprego e o aluguel em dia você já tem. Bacana demais estar, por este ângulo, longe dos 30 e já ser quem você é. Desesperador, de outra sorte, saber que os trinta chegam logo e que, poxa vida, ainda falta muito pra você chegar à metade de tudo que planejou até aqui.

Que tal decidir desabafar com seus melhores amigos? Garanto que você não consegue sequer dizer de onde provém toda a angústia aí de dentro, né? É difícil fazer com que as pessoas entendam que, durante toda sua vida, você sempre soube o que fez, mesmo sem ter noção do que fazia, e, de uma hora pra outra, acabou perdendo-se por completo sem saber onde ir e, o principal, sem saber onde quer chegar. Talvez seja melhor manter-se calado. Talvez não.

Sem querer recorrer aos conselhos de sempre dos - bons, que fique claro - amigos de sempre, ontem decidi ligar pra minha mãe. Tentei disfarçar o choro, mas ela me conhece melhor que qualquer um. Acho que passei meia hora falando, tentando transformar em palavra cada dor sentida e ela, é claro, ouviu atenta sílaba por sílaba despejada por mim. Tinha que ser minha mãe, não adiantava mais contar aos-e-com meus amigos. Disse, então, a ela: meus amigos me chamam de insatisfeito; falam que eu tenho o que quero, levo a vida dos sonhos, cheia de restaurantes, vinhos e sacolas cheias de histórias e desejos realizados. Mas você sabe que não é bem assim, mãe...

Aí parei de falar. O telefone ficou mudo por uns 3 segundos que pareceram 3 horas até ela pedir a palavra.

- Pronto? Posso?

- Fala, mãe.

Por fim, a aula, o banho de água fria e o colo de que eu tanto precisava. Que obrigação a gente tem, aos vinte e poucos anos, de ter uma vida bem-sucedida e completamente linear? Excetuando-se os funcionários públicos que galgaram o caminho da estabilidade, a vida é uma incógnita enorme não só aos vinte e poucos, mas aos trinta, quarenta e cinquenta e poucos anos também. Depois de ouvir todas as vezes em que minha mãe se reergueu e me lembrar de onde ela conseguiu chegar, depois de tantas palavras que faziam as vezes do abraço apertado que só ela consegue me dar e depois do choro secar, a gente se despediu e cumprimentei minha confiança outra vez.

Provavelmente eu não seja mais o melhor em tudo, ao menos aos olhos do mundo. Assim como faz algum tempo que parei de competir notas ou de pular lições do curso de piano por achar que já sabia o suficiente. Hoje eu aprendi que a gente tem licença poética eterna pra errar, que a gente tem a vida inteira pra dar certo e, o mais importante, que dar certo não quer dizer fazer o que a vida inteira você planejou.

Afinal de contas, muita gente aqui queria ser cantor, astronauta ou um dos Power Rangers. Se não deu certo, o tempo há de mostrar que você pode ser bom escrevendo poemas, dando cambalhotas no circo, liderando uma ONG, escrevendo livros de autoajuda ou sendo diretor de uma grande multinacional. A graça está no mistério, no medo, no frio na barriga. A graça é ver graça nas coisas e fazer da dúvida um motivo encorajador pra nunca desistir de descobrir, a cada dia, quem a gente é e o quão importantes somos pro mundo.

Ah, e seu mundo é você quem faz, tá? Nada de querer agradar a quem não luta e vibra pelo seu sucesso. Tá feliz vendendo picolé de fruta? Então passa lá em casa que, com as ideias fundindo e a cabeça a todo vapor, nada melhor que uma boa conversa e um refresco a quem também está procurando um lugar ao sol.

Acompanhe mais artigos do Brasil Post na nossa página no Facebook.

Para saber mais rápido ainda, clique aqui.

TAMBÉM NO BRASIL POST: