Opinião

Caros introvertidos, sentimos muito. Assinado: extrovertidos

Os introvertidos andam se manifestando recentemente, educando a nós, não introvertidos, mostrando-nos como nossas percepções do que é normal são enviesadas em favor de um chamado "ideal extrovertido". Acho fantástico que a discussão crescente sobre introversão e extroversão nos ajude a ampliar nosso entendimento uns dos outros. E vou tentar entender mais. Todos vamos.
Esta postagem foi publicada na plataforma, agora fechada, do Colaborador do HuffPost. Os colaboradores controlam seu próprio trabalho, que são postados livremente em nosso site. Se você precisa denunciar este artigo como abusivo, envie-nos um e-mail.

Os introvertidos andam se manifestando recentemente, educando a nós, não introvertidos, mostrando-nos como nossas percepções do que é normal são enviesadas em favor de um chamado "ideal extrovertido".

Hoje, se você reconhece que é extrovertido, pode parecer que está confessando que foi um babaca insensível por ter ignorado o fato óbvio de que nem todo mundo é feito como você. Depois de ler um blog do HuffPost de Kali Rogers intitulado "Carta Aberta de Introvertidos a Todas as Outras Pessoas", resolvi vir a público com este blog post, declarando que sou extrovertida. E, como tal, quero dizer em nome de outros como eu: a todos os introvertidos, pedimos desculpas.

Eu reabasteço minha energia interagindo socialmente com outras pessoas. Conversar com estranhos é divertido. Bater papo com amigos depois de um dia longo no trabalho é uma injeção de ânimo, não algo que me cansa.

Enquanto isso, meus amigos de profissão na medicina e saúde mental e quase todo o mundo que conheço no mundo das letras é introvertido. Meu marido, muitos de meus melhores amigos e quase todo o mundo que eu mais amo no mundo é introvertido.

Acho fantástico que a discussão crescente sobre introversão e extroversão nos ajude a ampliar nosso entendimento uns dos outros. E vou tentar entender mais. Todos vamos.

Veja minha carta aberta em resposta a Kali Rogers:

1. Apreciamos o lembrete de que, para nossos amigos introvertidos, os dias úteis são dias para eles ficarem a sós.

Obrigada por nos lembrar. Depois de um dia longo de trabalho, vocês precisam de um tempo a sós para se recarregarem. Nós, extrovertidos, não queremos esgotar suas energias quando vocês estão tentando se recarregar. Não mesmo.

Sinceramente, é só que estamos cheios de vigor social. Curtimos conversar com você e encontrá-lo. Fazer isso nos ajuda a repor nossas energias ao término de um dia longo e cansativo no trabalho. Mas podemos saciar essas necessidades nos dias de trabalho, ficando na companhia de outros extrovertidos que precisam da mesma coisa. Portanto, fiquem à vontade para rejeitar nossos convites insistentes demais.

Diga-nos apenas que vocês precisam de um pouco de calma e silêncio, e respeitaremos sua decisão de ir para casa descansar.

2. Vamos tentar ter um "bom motivo" quando lhe telefonamos, em vez de apenas ligar para falar de abobrinha.

Opa, esta pode ser difícil. Temos o hábito de pegar o telefone e ligar para quem gostamos, sem motivo especial.

Se lhe ligarmos sem motivo, a maioria de nós, extrovertidos, conseguirá ouvir qualquer feedback que vocês queiram nos dar. Podemos ser um pouco insensíveis, e, nesse caso, feedback será bom.

Podem nos pedir para ir ao que interessa ou nos lembrar que vocês não gostam de jogar conversa fora, e nesse caso pediremos desculpas (pela enésima vez) e deixaremos você desligar.

Tudo bem vocês olharem quem está ligando, antes de atender, quando não estão com vontade de falar. É só nos mandarem um torpedo mais tarde, para que a gente saiba que vocês ainda nos amam.

3. Vamos tentar lembrar como é importante para vocês que os eventos sociais envolvam pessoas que vocês já conhecem, não apenas uma sala cheia de desconhecidos.

Talvez vocês também precisem nos relembrar disso. Ficar na companhia de estranhos é estressante para vocês, não divertido à beça, como é para nós. Sentimos muito.

É difícil imaginar como uma atividade que nos dá tanto prazer pode ser um pesadelo para vocês. Não nos deixem ser insensíveis em relação a isso. Insistam conosco, se esquecermos, e nos lembrem que somos diferentes e que isso é bom.

4. Entendemos que vocês têm apenas alguns poucos amigos, não um trilhão, como nós.

Sabemos disso, e, francamente, é uma das maiores razões pelas quais curtimos tanto ser amigos de vocês.

Nossos amigos extrovertidos são divertidos, mas às vezes não se interessam muito por nós em um nível pessoal.

Vocês, introvertidos, muitas vezes são nossos amigos mais leais. Amamos vocês por isso.

5. Já vimos como vocês levam profundamente a sério os assuntos que são importantes para vocês.

Sabemos, introvertidos. Política, religião, dinheiro, relacionamentos complicados - esses são os tópicos que vocês querem discutir.

Vocês preferem falar de temas de peso, não de bobagens. Já para nós, a conversa é um esporte.

A gente rebate a discussão de um lado a outro, só para ver se a outra pessoa consegue acompanhar, e isso é divertido. Perdoe-nos se nos sentimos incômodos com conteúdos profundos. Isso reduz a brincadeira e nos obriga a pensar.

Mas queremos que vocês contribuam com a discussão, então podem intervir! Conduzam a discussão para temas mais importantes. Conseguiremos nos adaptar.

6. Não os obrigaremos a tomar a iniciativa da aproximação.

Nós o faremos por vocês.

Não se preocupem, introvertidos. Nós, extrovertidos, tomamos essa iniciativa constantemente.

Muitas vezes vivemos em contato perpétuo com alguém, e, se vocês não nos ligarem, nós provavelmente lhes ligaremos assim mesmo. Só queremos saber que vocês ainda nos amam.

7. Gostamos de ouvir que vocês gostam de nós.

Também gostamos de vocês! Vocês, introvertidos, são os amigos em quem nós mais confiamos.

Vocês sabem guardar um segredo. Ficam ao nosso lado nas horas em que é realmente preciso.

Vocês são verdadeiros e genuínos. Gostamos de tudo em vocês.

Vocês só precisam nos lembrar de ser sensíveis em relação às suas necessidades.

Não queremos passar por cima de vocês como um rolo compressor. Mas às vezes vocês precisam nos lembrar gentilmente que vocês e nós somos diferentes, e isso é lindo!

Este artigo foi originalmente publicado pelo HuffPost US e traduzido do inglês.