OPINIÃO
15/05/2015 15:23 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:12 -02

Ser altruísta é a saída para construir harmonia em sociedade

A fim de criar e manter essa harmonia, devemos, por um lado, reduzir esse consumo desenfreado que ocorre nos países ricos e, por outro, tirar um bilhão de pessoas da pobreza. Qual é a utilidade de termos uma nação rica e todo-poderosa, povoada por pessoas infelizes?

Matthieu Ricard

Artigos publicados no New York Times e em outras agências de notícias reportaram as mais recentes descobertas científicas sobre a mudança climática e o aquecimento global. Qual é a relação entre isso e o chamado desenvolvimento sustentável?

O termo desenvolvimento sustentável é uma contradição. O crescimento quantitativo tem se mostrado insustentável, pois um crescimento quantitativo infinito exige um uso ainda maior do nosso finito ecossistema.

O ambientalista Johan Rockström descreve a heresia de uma economia que cresce às custas dos mesmos recursos naturais que permitem que ela exista: "A população mundial aumenta, o consumo aumenta, mas a Terra, ela, não aumenta". Só temos um planeta para viver.

Uma solução mais equilibrada pode ser o que eu chamo de harmonia sustentável. À luz da situação mundial atual, parece mais sensato buscar o crescimento qualitativo, baseado em melhores condições de vida, do que tentar alcançar o crescimento quantitativo, baseado em mais consumo. O respeito pelos valores humanos, personificados no altruísmo, contribui para um método pragmático de como alcançar a harmonia sustentável da melhor forma.

Ela oferece às pessoas uma forma decente de vida e reduz a desigualdade, ao mesmo tempo que deixa de abusar do planeta em uma velocidade tão drástica. É fato que o crescimento material desenfreado não é necessário para o bem-estar.

A fim de criar e manter essa harmonia, devemos, por um lado, reduzir esse consumo desenfreado que ocorre nos países ricos e, por outro, tirar um bilhão de pessoas da pobreza. Qual é a utilidade de termos uma nação rica e todo-poderosa, povoada por pessoas infelizes?

Uma sociedade que funciona bem e é positiva deve oferecer uma forma adequada de vida para a geração atual ao aliviar a pobreza, e ao mesmo tempo, deve servir às gerações futuras, evitando a destruição do planeta. De acordo com essa perspectiva, o crescimento quantitativo deve ser secundário ao estabelecimento de um equilíbrio entre as aspirações das pessoas e uma harmonia sustentável, que faz parte do destino de futuras gerações.

Isso só pode ser viável em um contexto onde o altruísmo e a cooperação prevalecem. Apenas o entendimento dessas duas metas nos permitirá superar o desafio de conciliar as exigências de prosperidade, qualidade de vida e proteção ao meio ambiente a curto, médio e longo prazo. O comportamento altruísta não é apenas um esforço idealista, mas uma solução para os complexos dilemas que todos nós enfrentamos.

Referência: Steffen, W., Richardson, K., Rockström, J., Cornell, S.E., Fetzer, I., Bennett, E.M., e outros. (2015). "Planetary boundaries: Guiding human development on a changing planet." Science, 1259855.

(Tradução: Simone Palma)

Este artigo foi originalmente publicado pelo HuffPost US e traduzido do inglês.

LEIA MAIS:

Meio Ambiente: 9 tirinhas para refletir sobre as mudanças climáticas (FOTOS)

- 'A revolução mindfulness deve andar junto com a revolução altruísta'

- Matthieu Ricard: 'Nascemos para ser bons uns com os outros'