Opinião

'A revolução mindfulness deve andar junto com a revolução altruísta'

Quando a mente está agitada e confusa, quando a nossa percepção da realidade é altamente distorcida por pensamentos primitivos como o ódio, o desejo, a inveja e a arrogância, o sofrimento surge. A mindfulness pode ser uma maravilhosa ferramenta que nos ajuda a perceber quando esses pensamentos destrutivos surgem e impedir que invadam ainda mais as nossas mentes.
Esta postagem foi publicada na plataforma, agora fechada, do Colaborador do HuffPost. Os colaboradores controlam seu próprio trabalho, que são postados livremente em nosso site. Se você precisa denunciar este artigo como abusivo, envie-nos um e-mail.

A prática de mindfulness ("atenção plena", em português), baseada especificamente no método da Mindfulness Based Stress Reduction (MBSR), foi desenvolvida por Jon Kabat-Zinn e tornou-se extremamente bem-sucedida.

Nos últimos 30 anos, a prática ganhou reconhecimento mundial e despertou interesse, não apenas na área médica, onde foi aplicada pela primeira vez, mas também em sistemas de ensino e no mundo corporativo.

Quando instrutores qualificados como Jon Kabat-Zinn, ele mesmo uma pessoa muito compassiva, ensina a prática mindfulness, as principais mensagens que vêm à mente são de benevolência, altruísmo e compaixão.

No entanto, nem sempre é assim. Um professor pode deixar de fora esse importante componente na sua apresentação ou método. Quando a bondade e a compaixão não estão claramente presentes no treinamento, há sempre o risco de usar a mindfulness meramente como ferramenta para aumentar a concentração e o foco, com o objetivo de atingir metas eticamente questionáveis.

Quando a mente está agitada e confusa, quando a nossa percepção da realidade é altamente distorcida por pensamentos primitivos como o ódio, o desejo, a inveja e a arrogância, o sofrimento surge. A mindfulness pode ser uma maravilhosa ferramenta que nos ajuda a perceber quando esses pensamentos destrutivos surgem e impedir que invadam ainda mais as nossas mentes.

No entanto, a prática da mindfulness por si só é suficiente? É um pouco otimista demais acreditar que a mindfulness transformará você automaticamente em uma pessoa mais compassiva.

Uma mente calma e clara não é em si garantia para um comportamento ético. É possível que existam atiradores e psicopatas capazes de ter uma atenção plena, mantendo uma mente calma e estável. Mas não é possível que existam atiradores e psicopatas compassivos.

Ao praticar a atenção plena, ou mindfulness, com compaixão, ganhamos dois pelo preço de um, já que, a fim de cultivar a compaixão, precisamos estar atentos e conscientes. Quando nossa mente está em todas partes, não estamos cultivando nada.

Para proteger essa prática de qualquer desvio, um componente claro de altruísmo precisa ser incorporado desde o início. Precisamos chamá-la, sistematicamente, de

"mindfulness compassiva".

Ao fazermos isso, oferecemos uma maneira muito poderosa e secular de cultivar a benevolência e promover uma sociedade mais altruísta, ao mesmo tempo cultivando a atenção plena a qualquer momento. Para ser totalmente transformadora, a revolução mindfulness deve andar de mãos dadas com a revolução altruísta.

Foto por Matthieu Ricard.

(Tradução: Simone Palma)

Este artigo foi originalmente publicado pelo HuffPost US e traduzido do inglês.