OPINIÃO
18/03/2014 14:48 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:12 -02

3 dicas para se tornar, meditando, uma escritora melhor

Caminho até o lugar e sento-me em uma esteira, com duas almofadas sob meu traseiro. Estou confortável agora, mas sei que isso não vai durar. Em dez minutos começarão as dores. No início leves e incômodas e depois, com o passar do tempo, cada vez mais intensas. Dez dias de silêncio, meditando 11 horas por dia. Por que faço isso? Você poderia pensar que uma vez seria suficiente. No entanto, voltei diversas vezes para passar dez dias sentada, em silêncio e dor.

A maioria das pessoas leva uma vida de medo e reação. Esforçamo-nos para impressionar, ou nos escondemos para que ninguém espere nada de nós. Oscilar ao capricho da emoção é uma maneira exaustiva e inútil de viver. Quando me sento em silêncio, experimento todas as emoções, todos os sentimentos, todos os estados. Experimento-os sabendo que vão mudar. Tudo sempre muda. Até a dor. E durante esse tempo, quando deveria estar meditando, para onde vai minha mente? Para todo lugar. Ela mergulha no passado, reavivando as brasas. Atira-se para o futuro, inventando cenários. E, quando acaba de se arrepender e se preocupar, inventa possibilidades de aumentar o drama e a intensidade. Depois de algum tempo, me canso de tudo isso. Mas estou pronta para fazer o trabalho? Estou pronta para meditar adequadamente? Na verdade, ainda não.

1. A meditação elimina a confusão da mente e permite que sua criatividade brote.

Quando todos os porquês, ondes, ele disse, ela disse, ele fez, ela fez, acusações, reações e catástrofes terminam, a criatividade está livre para vagar com personagens, histórias e aventuras que são pura imaginação, muitas vezes de outro mundo. É fascinante e libertador permitir a si mesma seguir para onde a criatividade a leva. A meditação rompe aquela membrana muito fina entre consciente e subconsciente. E, sejamos francos, o subconsciente é onde acontecem todas as coisas interessantes.

Não sou uma meditadora muito boa, é verdade, mas chega um momento em que a meditação toma conta, quando minha mente finalmente se imobiliza, quando percebo a essência do que vim fazer aqui. Deixar todo o sofrimento, livrar-me de toda a tristeza. Parar de reagir e me ressentir. Parar de ter tanto medo. Não sou perfeita, nem de longe, e é por isso que continuo meditando. Medito porque ajuda minha vida no dia-a-dia, literalmente. Eu salvei meu emprego e encontrei um marido por meio da meditação. Também medito porque ajuda minha escrita.

2014-03-09-Sexdrugsmeditationwriting.jpg

2. A meditação dá o tipo de distanciamento de que um escritor precisa.

A meditação é criativa, não apenas porque minha mente inquieta me fornece dramas e personagens intermináveis. É criativa porque me ajuda a escrever, não importa qual seja meu estado de espírito, não importa o que esteja acontecendo ao meu redor. Não é egoísmo, é apenas saber que, qualquer que seja o problema ou o drama, ele passará sem que você interfira ou tente consertá-lo. E se não passar? Então está na hora de uma abordagem diferente, mas que seja temperada pela reflexão, e não pelo desespero.

3. A meditação permite que você escreva com coragem e honestidade. Pare de julgar.

Com o distanciamento amoroso que a meditação traz, você tem mais capacidade de dar um passo para o lado e deixar a história brilhar e queimar sem a tentação de modificá-la para fazer você mesma parecer melhor. O julgamento é um obstáculo para a vida e a criatividade. Ele inclui o peso da expectativa. Impossível alcançar. Quanto mais eu medito, menos julgo a mim mesma e ao meu trabalho. Os outros podem julgar. Eles pensarão o que quiserem. Não é da minha conta. Além disso, o que eles pensam vai mudar. Tudo muda.

Voltei ao centro de meditação sete vezes. Sete vezes eu passei dez dias sentada em silêncio e dor. Sete vezes colhi os benefícios. Estou sofrendo pela minha arte? Alguns dizem que a vida é sofrimento e a arte é superar esse sofrimento. Para mim, meditação é a arte de viver. De escrever. É a arte da criação.

O livro de memórias sobre a meditação de Mary-Lou Stephens, "Sex, Drugs and Meditation" [Sexo, drogas e meditação], é a história real de como a meditação a ajudou a mudar sua vida, salvar seu emprego e encontrar um marido.