OPINIÃO
03/02/2014 10:04 -02 | Atualizado 26/01/2017 20:51 -02

Uma tentativa de definir o que é Sustentabilidade

Meus pais ainda não conseguiram entender o que é sustentabilidade. Quando eu resolvi mudar os rumos da minha carreira, há sete anos, deixando a área de marketing para me dedicar à Sustentabilidade, pouca gente entendeu o motivo. Talvez achassem que era mais uma aventura adolescente ou crise vocacional, mas na realidade essa foi uma das decisões mais pensadas da minha vida. E uma das mais acertadas. Ainda bem.

Trabalhar com este tema é um tanto desafiante. Há muitas mais perguntas do que respostas e, para nossa geração que está acostumada a tudo rápido e instantâneo, o processo de construção de uma nova visão de mundo é um tanto demorado e complexo. São muitas opiniões, muitas realidades, muitas perspectivas e culturas que trabalham juntas na construção do futuro que queremos.

Sustentabilidade é um conceito bastante amplo e aberto a interpretações. Principalmente nos últimos dois anos, quando ele caiu nas graças de pessoas de diferentes setores e áreas de atuação. Uma das definições mais aceitas é a do Relatório Brundtland (1987): suprir as necessidades da geração presente sem comprometer as necessidades das gerações futuras. Mas, com todo o respeito à Comissão Brundtland e à enorme contribuição dada por ela, essa definição precisa ser questionada. Nos próximos posts, vou me aventurar a discutir o tema e seus muitos aspectos.

Há certo otimismo que permeia a vida dos profissionais de sustentabilidade, porque, afinal de contas, estamos ainda no começo da jornada para resgatar os valores da sociedade e a qualidade das relações. O caminho é longo, mas muito promissor e instigante. E temos pressa em promover essas transformações. Porque, como diz um grande amigo meu, o futuro se faz agora.