OPINIÃO
18/11/2014 12:45 -02 | Atualizado 26/01/2017 21:52 -02

Tempestade Perfeita

"Perfect Storm" é um termo político muito usado aqui nos Estados Unidos para designar o alinhamento de situações terríveis que podem desgraçar um mandato.

Michael Blann via Getty Images

Logo após o período eleitoral ter se encerrado no Brasil, diversos institutos analisaram os resultados aqui na capital americana. Procurava-se saber o impacto do pleito nos destinos do Brasil. Durante um destes debates perguntei a um dos analistas sobre os possíveis cenários para 2015, afinal, a economia patina, a inflação passa da meta, os gastos públicos dispararam e os juros aumentaram. Agora imagina-se este quadro desolador aliado ao terremoto político da Petrobras, que já possui 70 políticos envolvidos diretamente, e o próximo escândalo que se desenha, o "Eletrolão", que emerge das entranhas do setor elétrico. Diante disso, o debatedor me respondeu: "Ah, mas isso que você desenha é uma tempestade perfeita!".

"Perfect Storm" é um termo político muito usado aqui nos Estados Unidos para designar o alinhamento de situações terríveis que podem desgraçar um mandato. Poucos dias depois daquela reunião em que meu interlocutor desmereceu a possibilidade de um inferno astral atingir Dilma Rousseff, Christopher Garman, da Eurasia, dizia que o risco de tempestade perfeita atingir a Presidência em seu segundo mandato era uma realidade. Recentemente, Fernando Rodrigues, jornalista político brasileiro, repetia o termo: "Prisões da Lava Jato criam tempestade perfeita no final do governo Dilma".

"Tempestades perfeitas" existem, especialmente em governos corruptos e vulneráveis ao escrutínio de instituições independentes em um regime democrático, como a Polícia Federal e o Ministério Público. A Operação Lava Jato prova isto. A devassa realizada na Petrobras tenta desmontar o maior e mais intrincado esquema de corrupção da história do Brasil, algo que supera por larga margem inclusive o escândalo do Mensalão.

Como se isso não fosse o suficiente, Dilma colhe os perigosos resultados econômicos que plantou durante seu primeiro governo. Os números são pífios e em breve devem atingir o emprego e o crédito. Diante de contas públicas deterioradas e desequilibradas, podemos estar diante de um desmonte do modelo de estabilidade econômica alcançado com o Plano Real. O crescimento da inflação não nos deixa mentir.

Antes de ser Presidente da República, Dilma foi Ministra de Minas e Energia com assento na Petrobrás e influência na Eletrobrás. Será difícil algum escândalo não bater em sua porta. Quando este dia chegar, diante da avalanche de prisões que as investigações do juiz Sérgio Moro está produzindo, a República irá tremer. Diante de um governo fraco e uma população desiludida com a economia, as nuvens começam a se alinhar e a tempestade perfeita começaria a tomar forma.

Pois é. Tempestades perfeitas acontecem. Para prevê-las, basta observar o movimento das nuvens, que hoje se abastecem das delações premiadas e de uma política econômica fracassada. Preparem seus guarda-chuvas.

Acompanhe mais artigos do Brasil Post na nossa página no Facebook.

Para saber mais rápido ainda, clique aqui.

VEJA TAMBÉM NO BRASIL POST:

Galeria de Fotos Operação Lava Jato: os bens luxuosos das quadrilhas presas pela PF Veja Fotos