OPINIÃO
25/03/2015 14:39 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:36 -02

Realidade paralela

carlaarena/Flickr

O povo diante do Congresso Nacional vibrava com o derradeiro 336º voto. Uma sensação de alívio e felicidade plena tomava conta daqueles que se aglomeravam na Esplanada dos Ministérios. A multidão comemorava a conquista de um movimento que havia começado meses antes: assim como ocorreu com Collor, a Câmara dos Deputados havia afastado Dilma Rousseff da Presidência da República.

"Chegou a hora", disse Michel Temer, reunido com assessores no Palácio do Jaburu, residência oficial do Vice-Presidente. Ele já tinha uma equipe em mente, além de uma agenda para ser implementada. O advogado, doutor em Direito, Procurador, Presidente da Câmara e Vice-Presidente, tornava-se o 37º Presidente do Brasil.

Michel, logo depois da instauração do processo pelo Senado, já ocupando o terceiro andar do Planalto do Planalto, confidenciou com interlocutores: "É um grande desafio. Governarei para o País. Esta é a missão do PMDB, sempre conduzir a nação nos momentos mais turbulentos" e continuou "Faremos reformas. Colocaremos o Brasil nos trilhos". Seu plano estava traçado. Governaria apenas parte de um mandato, portanto, apesar de ter o tempo contra si, tornou o relógio seu aliado. Não perderia sequer um segundo.

Os maiores colunistas políticos do Brasil falavam em triunvirato: Michel Temer, Renan Calheiros e Eduardo Cunha trabalhavam em sintonia. Não havia mais atritos com o Congresso Nacional e uma sensação de normalidade política voltava a tomar conta de Brasília. "É o retorno do establishment", disse um notório cientista político, que acrescentou: "O sistema tomou para si o poder de volta".

A primeira missão de Temer, ao lado Renan e Cunha, foi a diminuição do número de ministérios. Dos assustadores 39, caíram para 20, como era a proposta do PMDB. O Presidente queria um governo de união nacional, "nos moldes do que realizou Itamar Franco". O Partido dos Trabalhadores, destroçado diante do processo de impeachment de Dilma, foi chamado para compor. Como era esperado, decidiu ficar de fora. Nos bastidores do petismo o PMDB era chamado de traidor e já articulavam um movimento pela volta de Lula.

Além de Kassab, do PSD, que foi mantido frente ao Ministério das Cidades e Armando Monteiro, do PTB, no Desenvolvimento, Michel decidiu manter Joaquim Levy na Fazenda. Mas o Presidente foi além. Uma turma de economistas ligados a Armínio Fraga completou a equipe. Os primeiros sinais foram escutados no exterior. Uma missão do novo governo viajou a Nova York e Washington, selando a volta da credibilidade econômica do país.

Rubens Barbosa, antigo Embaixador em Washington durante os anos de FHC, assumiu as Relações Exteriores, deslocando o eixo da política externa de volta aos patamares tradicionais do Itamaraty, que voltou a ser valorizado. União Européia e Estados Unidos celebraram este movimento. A Casa Branca fez um convite oficial para que Temer encontrasse com Barack Obama ainda antes do final do ano.

Para a pasta da Justiça, desgastada com o escândalo da Lava Jato, Temer trouxe um grande jurista paulista, egresso da Faculdade de Direito do Largo do São Francisco, que o auxilia na tarefa de indicar os novos membros do Supremo. "Cogita-se o nome do juiz Sérgio Moro", confidenciou-me uma fonte ligada ao novo ministro.

Em pouco tempo a inflação começou a ceder, especialmente diante do controle brutal das contas públicas. Os juros começaram a cair, o dólar despencou e o crédito começou a fluir. A classe média voltou a viajar ao exterior. O bolsa família foi mantido. No Congresso há normalidade. O PDT comanda a pasta do Trabalho, PSB ficou o Desenvolvimento Social e até PP e DEM comandam seus ministérios. A base aliada é sólida e eficaz. Nas estatais, Temer buscou nomes do mercado, como Roger Agnelli, que passou ao comando da Petrobrás, e nomes do mesmo quilate escolhidos para o BNDES, Banco do Brasil e Caixa.

Passados dois anos de sua chegada ao Planalto e com enorme popularidade, Michel tornou-se o fiel da balança na sucessão presidencial. O Presidente simplesmente repete: "cumprirei a Constituição e meu mandato. Meu foco é fazer um bom trabalho. O que vier é consequência".

Neste momento toca o despertador. Dilma acorda-se de supetão no Palácio do Alvorada. O ano é 2015. Lá fora, escutam-se grilos e é possível inclusive ouvir o silêncio. Em seu coração um misto de alívio e desespero, na dúvida se aquilo era um sonho, premonição ou pesadelo.