OPINIÃO
06/03/2014 16:18 -03 | Atualizado 26/01/2017 20:51 -02

Sardinhas em faixas exclusivas

Segundo o Detran (Departamento Estadual de Trânsito de São Paulo), só na cidade de São Paulo estão registrados 7.577.216 (dados de dezembro 2013), sendo 5.445.562 de automóveis particulares. Se levarmos em conta que o município paulistano tem 10.886.518 habitantes (segundo o IBGE), temos na cidade cerca de um veículo para cada dois habitantes.

Agora imagina se a metade da cidade que está sem carro também resolver adquirir um automóvel...

"Para o carro, vai piorar e para o ônibus, vai melhorar. Então, o pessoal vai pensar duas vezes antes de tirar o carro da garagem", disse à imprensa o prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT), durante uma vistoria de inauguração da faixa exclusiva de ônibus na Avenida Marginal Pinheiros em julho do ano passado.

É evidente que o prefeito da maior cidade do país faz bem em privilegiar obras para o transporte público em relação ao transporte individual.

O problema é como foram feitas essas obras.

Com uma canetada Haddad criou faixas exclusivas para ônibus em algumas das maiores avenidas da cidade. "Onde quer que tenha três faixas, a ideia é segregar uma para ônibus. Não é justo que o transporte de dois terços dos trabalhadores não tenha pelo menos um terço das faixas disponíveis", disse na ocasião.

Dados da SPTrans, empresa responsável pela gestão do sistema de transporte público de São Paulo, mostram que em média a velocidade dos ônibus aumentou 45,1% desde a implementação dessas faixas exclusivas, o que representa uma economia de significativos 38 minutos do dia de um usuário de transporte público para chegar ao seu destino.

Já, como era de se prever, o congestionamento de trânsito para os automóveis particulares em 2103 piorou 7,6% em relação a 2012. É uma questão de prioridade. Um ônibus biarticulado pode transportar até 190 passageiros e basta observar o trânsito para constatar que a maioria dos automóveis na cidade transporta apenas uma pessoa.

Mas as faixas exclusivas para os ônibus estão longe de ser a solução ideal. Instaladas às pressas na faixa da direita, dividem espaço com automóveis e motocicletas que necessitam fazer uma conversão, o que em tese, atrasaria a velocidade dos ônibus. Digo em tese, porque ao observar essas faixas percebemos como elas são subutilizadas já que estão quase sempre vazias. O motivo é simples: faltam ônibus na cidade. Mesmo em horário de pico, os ônibus trafegam lotados em faixas praticamente livres.

Ao invés de apenas pintar faixas separando-os dos automóveis, o ideal é que a prefeitura paulistana criasse mais corredores exclusivos de ônibus como os das avenidas Santo Amaro e Nove de Julho, além de rever os contratos com as empresa que operam o sistema de transporte urbano na cidade obrigando-as a oferecerem um serviço de melhor qualidade.

O primeiro item é o principal projeto do prefeito Haddad. O objetivo da prefeitura paulistana é construir cerca de 150 Km de corredores de ônibus em três anos em um projeto estimado em R$ 4,7 bilhões. Nesses corredores, os ônibus trafegariam pela esquerda das vias o que exigiria a construção de terminais de passageiros nos vãos centrais. Em janeiro desse ano o TCM (Tribunal de Contas do Município), suspendeu sua aprovação, alegando entre outras coisas, que faltava o projeto básico de engenharia e urbanismo desses corredores, além de explicar de onde sairiam os recursos para construí-los.

O TCM deu um prazo de 15 dias para a prefeitura apresentar esses documentos que foram prorrogados por mais 15 dias. A SPTrans finalmente entregou os documentos solicitados na última sexta feira (07/02/14).

A área técnica do Tribunal de Contas do Município não tem prazo para apresentar seu parecer sobre o projeto e, sem o aval do TCM, a prefeitura paulistana não pode iniciar a licitação dessas obras.

Já a revisão dos contratos com as principais empresas operadoras do sistema de transporte público da cidade de São Paulo visando oferecer um serviço de melhor qualidade com maior oferta de ônibus, nada foi falado.

Em tempo, vale a pena dar uma olhada no projeto 'Cansei de Ser Sardinha' do 'Catraca Livre' (http://canseidesersardinha.tumblr.com/) para ver como a população brasileira sofre com o transporte público do país.