Opinião

A curva que nos enquadra

Nosso corpo se curva, sempre. Mas não estou falando das curvas sensuais. Estou falando da curva que nos enquadra.
Esta postagem foi publicada na plataforma, agora fechada, do Colaborador do HuffPost. Os colaboradores controlam seu próprio trabalho, que são postados livremente em nosso site. Se você precisa denunciar este artigo como abusivo, envie-nos um e-mail.

Nosso corpo se curva, sempre. Mas não estou falando das curvas sensuais, das linhas sinuosas que qualquer mulher tem, arredondando formas e construindo caminhos a serem explorados por nós mesmas e, idealmente, por quem nós permitirmos e desejarmos. Estou falando da curva que nos enquadra. Aquela que está só no movimento que fazemos para endireitar a coluna e, assim, não deixar o decote ousar demais, fechar as pernas e puxar a saia mais pra baixo. Depois do movimento corretivo, que por vezes pode ainda acontecer com alguma sinuosidade, somos só linhas retas.

Nunca fui de me atentar muito a esse enquadramento, desde menina. Mas quando eu era criança, usava mais bermudas e shorts, camisetas largas, roupas para brincar mais à vontade. E boa parte dos meus amigos eram meninos. Daquele jeito, eu era livre. Quando passei a usar mais saias, vestidos, e quando meu corpo mudou e virei moça, tive que começar a me preocupar com isso. Não era natural, como não é ainda hoje, por mais que eu esteja, digamos, um pouco mais domesticada. Mas a vida foi me mostrando que eu não podia deixar muita coisa à mostra, já que isso era perigoso ou poderia fazer com que as pessoas pensassem coisas ruins a meu respeito.

Toda vez que eu ia sair sozinha a pé, para caminhar, pensava algumas vezes antes de vestir a calça de cotton, lembrando as barbaridades que eu escutava no quarteirão da minha casa. Acabava seguindo mesmo assim, mas o desconforto era tamanho que muitas vezes voltava antes do previsto ou andava mais rápido do que gostaria, porque sentia medo. Anos mais tarde, na hora de escolher a roupa para ir trabalhar, optei por camisas fechadas e saias retas abaixo do joelho algumas vezes até me sentir mais segura e respeitada, e poder então ser um pouco mais fiel ao meu amor por cores, tecidos leves, vestidos e saias acima do joelho, e decotes.

Trabalhei sempre com a mesma dedicação e seriedade. Certamente mais motivada e feliz quando podia me reconhecer melhor no espelho do banheiro da firma. E hoje tenho mais segurança para atender ao meu estilo em qualquer situação - mas trabalho por conta própria e frequento majoritariamente lugares em que é possível cumprir essa tarefa sem grandes dificuldades.

Mas, claro, ainda ouço absurdos na rua. Ainda recebo - talvez mais hoje, com essa segurança - olhares tortíssimos de homens e mulheres, opressão disfarçada de elogios, comentários irônicos que tentam me colocar em um lugar de quem não se encaixa. E tudo isso conspira para que eu me curve, o tempo todo, até me enquadrar, não apenas na contenção do meu próprio corpo como na correção dos meus "defeitos" em busca de uma "perfeição" física absolutamente delirante.

É um gasto de energia grande resistir a esse movimento todos os dias, quando não é, também, humilhante e enfurecedor. Essa energia que é desperdiçada e que nos impede de fluir de acordo com nossos ritmos naturais, nossos ciclos, nossos desejos, nossa capacidade criativa, nossa força. E é por isso que, em meu mundo ideal, seria possível que todas as mulheres fossem livres, e nessa liberdade cabe necessariamente uma relação prazerosa e aberta com nossos próprios corpos. A curva que nos impelem a fazer quando nos contemos é a mesma que nos oprime há tantos anos, que nos nega espaço e respeito, que nos violenta e aponta o dedo, que nos diz como e onde devemos fazer o que e com quem, que tenta dar conta da nossa integralidade em sentenças prontas, palavras duras e aprisionamentos tão terrivelmente disfarçados, muitas vezes, de bons conselhos.

Essa não é a curva que a natureza nos deu. E eu desejo um mundo em que possamos sorrir em vez de nos curvar desse jeito, e fazer as coisas ao nosso modo. Eu escolho a descoberta e o exercício da beleza como forma de luta. A beleza real, aquela que compõe o que verdadeiramente somos e que pode dar pistas, para o mundo de fora, sobre o que existe dentro de nós.