OPINIÃO
20/02/2014 13:56 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:04 -02

O ano do Twitter

A cada minuto de 2013 foram produzidos 13.818 tweets no Brasil, crescimento de 95% em relação a 2012. Neste ano, deve ter novo recorde.

Entre janeiro e dezembro do ano passado, os 20 milhões de usuários do Twitter no Brasil publicaram 7 bilhões de posts em seus perfis. A cada minuto de 2013 foram produzidos 13.818 tweets, crescimento de 95% em relação a 2012. Para 2014, o Twitter espera quebrar novo recorde e os motivos para esse sentimento são amparados em três fatos:

  • a Copa do Mundo
  • as manifestações de rua que irão anteceder e acompanhar o evento
  • as eleições de outubro

Além disso, o hábito dos internautas brasileiros de compartilharem sua experiência enquanto assistem à programas na televisão será intensificado. "Quanto maior for a necessidade de comunicação em tempo real das pessoas, maior será a quantidade de informação produzida em nossa plataforma", afirma Guilherme Ribenboim, presidente do Twitter no País. Segundo análise do Sistema Bites, a taxa de crescimento do volume de tweets este ano pode chegar a 20%, totalizando 8,4 bilhões de mensagens.

Para atingir esse resultado, o Twitter precisa de uma combinação de variáveis. A mais importante é o desejo do internauta de opinar de maneira rápida e objetiva sobre uma situação do seu cotidiano, como a sua participação num evento de rua ou mesmo uma cena de um programa na tv aberta ou fechada. Situações de grande agitação social, como a Copa do Mundo ou o último capítulo de uma novela, são fundamentais para essa geração intensa de tweets em português. Por exemplo, na final da Copa das Confederações em junho passado entre Brasil e Espanha foram publicados 18 mil mensagens por minuto. No último dia 2, durante quatro horas da final do campeonato de futebol americano (Superbowl), foram produzidos 24,9 milhões de posts no Twitter no planeta. "Nessa perspectiva não existe melhor forma de comunicação com os seus amigos que não seja o Twitter", diz Ribenboim. Na direção contrária, caso a pessoa tenha mais tempo para sofisticar o seu raciocínio, a tendência é uma migração por serviços capazes de atender essa demanda, como o Facebook.

O Twitter também necessita da ampliação da base de celulares no país com a capacidade de navegar na Internet, os smartphones. No ano passado, o Brasil fechou com 271 milhões de celulares em operação, segundo a consultoria Teleco, sendo que 70 milhões eram smartphones, de acordo com pesquisa da Morgan Stanley. O Twitter precisa crescer na base já existente e ainda esperar pela entrada de novos usuários no universo da internet móvel.

Outro fator importante para a plataforma social é o hábito nacional de transformar qualquer programa de TV em uma conversa de mesa de bar, em especial as novelas produzidas no horário nobre. Ribenboim acredita que quanto maior for a integração de uma produção com o Twitter maior será a dispersão do conteúdo no universo digital. Em recente entrevista à revista Forbes, o presidente mundial do Twitter, Dick Costolo, afirmou que o futuro da sua empresa tem forte relação com a capacidade das emissoras de TV engajarem os telespectadores na sua estratégia de produção. "Há uma combinação perfeita entre nós e a TV", afirmou Costolo. A Nielsen divulgou no ano passado estudo comprovando essa relação, o que levou a empresa de medição de audiência a criar um rating com esse objetivo.