OPINIÃO
23/04/2015 17:37 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:52 -02

Vice-governador Paulo Quartiero rompe com Suely Campos e se declara oposição ao governo de Roraima

Reprodução

O vice-governador de Roraima Paulo César Quartiero (DEM) anunciou, na manhã desta terça-feira (14) hoje, em entrevista coletiva à imprensa, o seu rompimento com o governo do estado. Quartiero externou de forma incisiva todo o seu descontentamento com os rumos tomados pela gestão estadual e acusou a governadora Suely Campos de estar praticando estelionato eleitoral.

Quartiero afirmou ter sido escanteado pelo governo e salientou nunca ter participado da indicação de nomes para o primeiro ou segundo escalões. Disse que não tinha interesse em cargos, mas queria ser ouvido.

Os motivos apontados por Paulo Quartiero para o rompimento são muitos:

1) descumprimento das promessas de campanha;

2) estelionato eleitoral;

3) instituição de uma oligarquia familiar prática contra a qual ele lutou durante as eleições do ano passado;

4) o fato do governo ter dado abrigo a representantes de organizações não governamentais que trabalham contra o desenvolvimento do estado, como o Conselho Indígena de Roraima;

5) a nomeação de João Pizzolatti como secretário extraordinário de atração de investimentos pelo governo de Roraima;

6) o fato de o governo não priorizar os produtores locais e fazer compras e contratações de empresas de Manaus etc.;

7) Paulo César se considerar fora do governo, por não ter sido ouvido pela governadora.

Quartiero disse ter tentado conversar com a governadora Suely sobre esses problemas, mas não encontrou nenhuma receptividade. Por isso, a partir de agora, vai adotar uma postura de oposição ao governo. Segundo o vice-governador, nada do que foi prometido está sendo cumprido pelo atual governo.

"Nós pregamos que nós seríamos a mudança. Prometemos uma mudança na forma de governar o estado. Nosso mote de campanha era acabar com a oligarquia que estava no poder. Dissemos que iríamos prestigiar os produtores locais e dinamizaríamos a economia. Prometemos ser austeros no trato com os recursos públicos. Mas, passados pouco mais de cem dias, cadê as mudanças? Só mudaram os personagens", lamentou.

Paulo César Quartieiro afirmou por mais de uma vez que, a partir de agora, será oposição ao governo e vai apontar publicamente os erros que forem cometidos. Ele disse também que não acredita que, se continuar no rumo que está, o atual governo possa dar certo.

O vice governador afirmou ainda que o governo tem dado sinais negativos para o Brasil, adotando a postura oligárquica que assumiu e dando abrigo a personagens carimbadas da política nacional como Pizzolatti, que está envolvido em escândalos. Quartieiro disse ainda que o governo não está dando prioridade aos produtores e empresários locais, enquanto contrata empresas de Manaus.

Para Quartiero, o governo está no rumo errado e corre sério risco de naufragar, caso não corrija os problemas apontados por ele. "Eu procurei a governadora Suely [Campos], coloquei nota no jornal, denunciando o nepotismo, criticando a nomeação do Pizzolati, mas não fui ouvido. Por isso, a partir de agora serei oposição a este governo", declarou.

DEM teve papel decisivo na eleição de Campos

Paulo César Quartieiro afirmou que o Democratas foi o principal agente que resultou na composição da coligação que acabou vitoriosa nas urnas, em 2014, tendo Campos como governadora eleita.

Mas, já no segundo turno, começou a ser deixado para trás quando o grupo que ele ajudou a formar se juntou com o PT e o PDT, que ele [Quartiero] aponta como siglas nocivas ao governo.

"Havia um grupo que se apresentava como imbatível, mas que não era uma boa opção para o estado. Então, eu procurei Neudo, que estava no ostracismo político e o incentivei a ser candidato ao governo. O DEM contribuiu para a vitória desse grupo com seu tempo de televisão e com seu apoio na campanha", afirmou Quartiero.

O vice-governador dissidente destacou que, desde o início, tinha informações de que Neudo não poderia prosseguir com a candidatura e que já previa que Suely assumiria a chapa que se tornou vitoriosa. Disse que, apesar de saber que Suely assumiria a candidatura, discordou da forma autoritária como ela foi escolhida sem que os partidos fossem consultados.

O vice-governador de Roraima Paulo César Quartieiro (DEM) anunciou, na manhã de hoje, em entrevista coletiva à imprensa, o seu rompimento com o governo do estado. Quartieiro externou de forma incisiva todo o seu descontentamento com os rumos tomados pela gestão estadual e acusou a governadora Suely de estar praticando estelionato eleitoral.Quartieiro afirmou ter sido escanteado pelo governo e salientou nunca ter participado da indicação de nomes para o primeiro ou segundo escalões. Disse que não tinha interesse em cargos, mas queria ser ouvido.Os motivos para o rompimento são muitos: 1) o descumprimento das promessas de campanha; 2) a prática do estelionato eleitoral;3) a instituição de uma oligarquia familiar contra a qual ele lutou, durante as eleições do ano passado; 4) o fato do governo ter dado abrigo a representantes de organizações não governamentais que trabalham contra o desenvolvimento do estado, como o Conselho Indígena de Roraima; 5) a nomeação de João Pizzolatti como secretário extraordinário de atração de investimentos pelo governo de Roraima; 6) o fato de o governo não priorizar os produtores locais e fazer compras e contratações de empresas de Manaus; etc.7) Paulo César se considera fora do governo, por não ter sido ouvido pela governadora.Quartieiro disse ter tentado conversar com a governadora Suely sobre esses problemas, mas não encontrou nenhuma receptividade. Por isso, a partir de agora, vai adotar uma postura de oposição ao governo. Segundo o vice-governador, nada do que foi prometido está sendo cumprido pelo atual governo.Leia a matéria completa em meu blog: http://blogdoluizvalerio.com/2015/04/14/vice-governador-paulo-cesar-quartieiro-rompe-com-o-governo-e-acusa-suely-campos-de-pratica-de-estelionato-eleitoral/

Posted by Luiz Valério on Terça, 14 de abril de 2015

Governo tenta desqualificar acusações de Paulo Quartieiro

Poucas horas depois da oficialização do rompimento de Paulo Quartieiro com o governo, a Secretaria de Comunicação organizou uma entrevista coletiva, da qual Suely não participou. É isso mesmo: a resposta a Paulo César Quartieiro não partiu da boca da governadora Suely Campos, mas das bocas do secretário de Comunicação Ivo Galindo e do líder do governo na Assembleia Legislativa, deputado Brito Bezerra (PP).

E a reação foi muito pífia, na minha opinião, em relação à ação que a motivou. Ou seja: o anúncio do rompimento feito por Paulo César Quartieiro, ocorrido na manhã de hoje, foi muito mais impactante. Pelo que foi dito e pelas razões apresentadas. Até porque a decisão de romper com o governo foi a culminância de uma insatisfação que crescia e inchava dentro de Quartieiro, feito fermento no bolo.

Para os porta-vozes da governadora, o vice-governador ainda não conseguiu digerir sai expulsão da Terra Indígena Raposa Serra do Sol e culpa o PT por isso. Esse foi o argumento do deputado Brito Bezerra. E ainda: Paulo César Quartieiro desistiu de trabalhar pela reconstrução de Roraima para se juntar a adversários da governadora, como o senador Romero Jucá (PMDB). Este foi o posicionamento do secretário Ivo Galindo. Quartieiro negou essa possibilidade hoje pela manhã.

Escalados para defender o governo e a governadora, Ivo, Brito e o deputado estadual Gabriel Picanço (PRB) desqualificaram a acusação da prática de nepotismo, afirmando que esse assunto é café requentando e que o caso já ficou esclarecido, com a exoneração de duas ou três pessoas por determinação do Tribunal de Contas do Estado (TCE).

Ivo Galindo disse esperar que Quartieiro faça por merecer seu salário de vice-governador e continue trabalhando pelo desenvolvimento de Roraima. O secretário também disse que até hoje, quando rompeu com o governo, Quartieiro não havia dado nenhuma contribuição seja em forma de projeto ou ação para ajudar a resolver os problemas de Roraima. Está tudo gravado.

Galindo também rebateu as críticas contra a nomeação de João Pizzolatti como secretário extraordinário de atração de investimentos, afirmando que ele [Pizzolatti] vai ajudar o governo a promover uma revolução no agronegócio local, atraindo produtores de grãos e carnes (e batatas), etc. Para Quartieiro, a nomeação de Pizzolatti depõe contra Roraima em nível nacional. É uma vergonha, segundo ele.

Em coletiva de impressa nesta manhã, (14/04/15), assumi o rompimento com o Governo atual, pois nós do Partido...

Posted by Paulo Cesar Quartiero I on Terça, 14 de abril de 2015

VEJA TAMBÉM: