OPINIÃO
13/03/2015 12:51 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:12 -02

Uma resposta à presidente Dilma

Promessas, promessas e mais promessas é o que a sociedade brasileira não sustenta mais. Então, presidente Dilma, faça parte desse processo de transformação politico-social que estamos vivendo. Não prometa mais, cumpra suas promessas. Pense em implementar leis que visam à educação, principalmente educação política da nossa população. Assim as futuras gerações irão ter melhor entendimento do que representam as eleições.

reprodução

No Dia da Mulher, você presidente Dilma resolveu falar. Disse ter tudo sobre controle e pediu para não ouvirmos as críticas - pois estão baseadas em falsas informações. Disse ter números que provam contra isso. Pediu a colaboração de todos para enfrentarmos com paciência a crise externa. Lembrou-nos que temos 371 bilhões de dólares em reservas internacionais. E que a senhora está engajada com as classes trabalhadoras e média. Condenou os acontecimentos na Petrobrás e irá sancionar uma lei que transforma em crime hediondo o assassinato de mulheres decorrente de violência doméstica ou de discriminação de gênero. Pediu apoio ao Congresso Nacional.

Foi uma produção bem pensada. Teve até música de final feliz. O uso do tom de esperança é realmente crucial nesse momento em que a população perdeu a sua. A senhora e sua equipe sabe que historicamente povos sem esperança de um futuro melhor, foram atrás de revoluções para melhorar suas vidas. Assim, fez desse vídeo um alerta para a população refletir e, quem sabe, medir as consequências de uma revolução político-social nas suas vidas.

Presidente Dilma. "Onde há crise, há revolução para mudança de paradigmas", já disse uma vez o filósofo científico Thomas Kuhn. A crise é primordial para que pessoas saiam da mesmice, enfrentem seus desafios e mudem de atitude com relação a suas vidas. Então, estancar uma crise nunca será uma boa solução.

Assim, entendo seu alerta e também o seu pedido de clemência. Está evidente o descontentamento de milhões de pessoas com relação a forma de governar do seu partido. Aliás, está claro o descontentamento com a política partidária do nosso país. A classe política - que eu entendo também é reflexo de sua sociedade - é o grande foco dessa crise.

Promessas, promessas e mais promessas é o que a sociedade brasileira não sustenta mais. Então, presidente Dilma, faça parte desse processo de transformação politico-social que estamos vivendo. Não prometa mais, cumpra suas promessas. Pense em implementar leis que visam à educação, principalmente educação política da nossa população. Assim as futuras gerações irão ter melhor entendimento do que representam as eleições.

A minha geração, que já nasceu dentro da democracia, está finalmente entendo como funciona o processo democrático. Paramos de viver baseados em mitos e ideologias passadas. Porque fomos educados - dentro das possibilidades de cada um - para viver no prometido "país do futuro".

Nós estamos online e offline buscando informações. E nós agradecemos por aqueles que lutaram para chegarmos até aqui. Eu sei que ainda nos falta o discernimento para entender a quem dar voz. Mas isso presidente, a senhora sabe que é parte do processo de amadurecimento.

Sem parar a atual crise de paradigma político, quem sabe novos líderes sairão desse processo. Então presidente Dilma, entenda que, de hoje em diante, o mínimo que faremos é fiscalizar para futuramente escolher melhor nossos representantes.