Opinião

Isso é liderança!

Há dois pontos mais importantes intimamente relacionados a essa declaração que não necessariamente serão manchete. Um primeiro diz respeito ao que a Apple tem a dizer sobre diversidade. O outro é uma resposta para os céticos que ainda se questionam sobre o perfil de liderança de Tim Cook.

No dia 30 de outubro de 2014, Tim Cook, CEO da Apple, escreveu um editorial no qual assume a sua sexualidade. Certamente essa é uma notícia que vai gerar alguma repercussão na mídia e nas redes sociais bem como algum movimento e esforço de comunicação e RP em Cupertino. Porém, há dois pontos mais importantes intimamente relacionados a essa declaração que não necessariamente serão manchete. Um primeiro diz respeito ao que a Apple tem a dizer sobre diversidade. O outro é uma resposta para os céticos que ainda se questionam sobre o perfil de liderança de Tim Cook.

De acordo com Cook, ele tem sorte por fazer parte de uma empresa que tem paixão pela criatividade e inovação e que sabe como diversidade por ser um importante catalisador desses processos. Para pesquisadores e gestores interessados no tema, a relação positiva entre uma maior diversidade no quadro funcional e inovação é muito clara. Não necessariamente fácil de ser gerenciada, como recentemente observou-se no caso da Google. A busca pelos ganhos potenciais de uma força de trabalho com diferentes preferências, modelos mentais e, sobretudo, identidades não é trivial. Por outro lado, aquelas empresas que conseguem gerenciar a singularidade dos indivíduos fazendo prevalecer a riqueza da heterogeneidade e da diferença são empresas melhores. Isso é particularmente relevante para indústrias que operam em ambientes dinâmicos tal como a área de tecnologia. Talvez hoje, ao fazer essa declaração pessoal, Tim Cook tenha revelado uma das razões pelas quais a Apple é uma marca tão forte e admirada pelos seus diversos stakeholders.

Porém, ainda mais relevante que isso, ao assumir publicamente que é gay Tim Cook revelou outra razão que explica o sucesso da Apple: a liderança! Para aqueles que ainda se questionavam se Cook era a pessoa adequada para substituir Steve Jobs, aí está a resposta. Sim, ao tornar pública sua opção sexual, Cook saiu da sua intimidade, expondo parte da sua privacidade que, talvez já não fosse tão íntima ou provada assim. Na medida em que ele é o principal gestor da Apple e que por isso é uma referência importante e concretiza o imaginário dessa empresa, é muito difícil separar aquilo que é dele e aquilo que é a empresa. Parabéns Tim, a sua empatia realmente tornou sua vida mais rica. Tornou mais rica também a empresa que você representa e gerencia. Parabéns Tim, essa convergência entre quem você é e quem a Apple se tornou fazem de você um líder. Aliás, isso sim é liderança!

Acompanhe mais artigos do Brasil Post na nossa página no Facebook.

Para saber mais rápido ainda, clique aqui.