OPINIÃO
18/06/2014 17:00 -03 | Atualizado 26/01/2017 21:44 -02

A pergunta dos gringos resume a São Paulo fechada-privada-controlada de sempre

Elio Capelati Junior/Flickr

-- Mas não tem nenhum parque, nenhum lugar aberto por aqui pra ver o jogo?

-- Hmm... Não.

O grupo de gringos tinha um inglês, um escocês e uma australiana, se aventurando no primeiro almoço deles em São Paulo, uma ou duas horas antes da estreia Brasil e Croácia, semana passada. Depois do arroz-feijão-fritas-bife num bar-padoca de esquina da Augusta, cruzaram comigo. (E rolando aquele caos de gente-verde-buzina-amarela-unhas-azul-e-gritos-bandeira).

-- Onde tem um lugar por aqui para vermos o jogo?

-- Vai subindo em direção à Paulista, tem vários bares com TV. Ali atrás, na Haddock Lobo, tem um hostel todo enfeitado, deve ter estrangeiros ou gente que fala inglês. Pode ser legal.

Aí veio a frase lá de cima. É, não há espaços públicos por aqui...

Então piraram com a cachorra que eu levava na coleira, tiraram fotos e saíram animadíssimos em busca de uma TV aberta-pública-livre - só para contrapor o título deste post.

São Paulo é assim. Tudo paga. Por ali poderia ter o vão do Masp, o Trianon, talvez a Praça do Ciclista, o Parque Augusta, a Roosevelt mais pra baixo, além de tooodo o Minhocão. Mas não tem. Espaço de convivência que presta em São Paulo tem teto, dono e taxa de permanência (nem que seja só um cafezinho) (nem que seja o Sesc, que, embora incrível, tem dono também) (Fifa Fan Fest não vale por motivos de fifa go home).

Detesto babação com gringos e comparações fora de contexto com realidades outras. A pergunta não fica mais importante só porque veio de bocas estrangeiras cheias de razão. Mas, inegalvemente, uma das formas de olharmos para nós como gente-vivendo-na-pólis-caótica é a alteridade. E se eles fizeram esta pergunta é porque esperavam uma outra resposta, diferente da que eu dei.

*

A questão do direito à cidade está se espalhando. Muita coisa mudou desde 2011, quando nos sentíamos falando nisso um pouco sozinhos. (Resumindo muitíssimo com coisas de maior abrangência:) Em 2012 houve um boom de ocupações artísticas reivindicando o espaço público paulistano. Em 2013, o Passe Livre conseguiu aquela vitória histórica (que está fazendo 1 ano e muito coxinha ainda acha que foi só despertador de gigante). Em 2014, vimos o maior carnaval de rua da história (dezenas de blocos!) e os metroviários não conseguindo dobrar o Governo do Estado (demitir ou ameaçar trabalhadores de demissão, sr. Alckmin, é de uma crueldade inaceitável!) mas mostrando que têm a cidade na mão.

Falo de São Paulo, mas obviamente a questão é geral - que o diga neste exato instante os resistentes do cais Estelita, no Recife.

O que é comum em todos os casos? O público tentando se defender da ameaça privada. Mas o que é a ameaça privada? Quem são os donos da iniciativa privada? O que comem? O que pensam? Onde vivem?

*

Ah, é verdade, esqueci o Parque do Ibirapuera...

Acompanhe mais artigos do Brasil Post na nossa página no Facebook.


Para ver as atualizações mais rápido ainda, clique aqui.


MAIS DIREITO À CIDADE NO BRASIL POST:

  • Orla da Zona Sul no Rio de Janeiro
    Reprodução/Mobilize
    O Rio de Janeiro é a cidade com o maior número de ciclovias do Brasil com 350 km de pistas exclusivas, perdendo apenas para Bogotá no continente americano. Poucas paisagens urbanas do mundo se comparam com a beleza da mistura de mar e montanha encontrada no Rio.
  • Os canais de Amsterdã
    Reprodução/Mobilize
    A capital mundial da bicicleta continua firme como um dos melhores destinos turísticos dos ciclistas. Praticamente todas as ruas da cidade possuem ciclovias, ainda que todas estejam sempre cheias, Amsterdã é um dos poucos locais do mundo que existe trânsito de bicicletas.
  • Ande sobre o Rhône em Lyon
    Reprodução/Mobilize
    A cidade francesa de Lyon inventou o sistema de aluguel de bicicletas que hoje existe pelo mundo inteiro. Um dos maiores destaques deste local são as centenas de quilômetros de ciclovias que percorrem a extensão de seus dois rios: o Rhône e o Saône.
  • Viaje pela Carretera Austral no Chile
    A Carretera é uma enorme estrada não pavimentada que corre por quase 1000 quilômetros norte a sul do Chile. Ela perpassa por alguns dos locais mais belos da América Latina incluindo lagos, montanhas e geleiras. A rota só fica aberta durante o verão, já que pode ser encoberta facilmente pela neve.
  • Evite subidas no Salar de Uyuni
    Reprodução/Mobilize
    O Salar de Uyuni é o maior deserto de sal do mundo. Localizado na Bolívia, sua principal característica é a ausência de qualquer tipo de declive. O chão de sal funciona bem com as rodas da bicicletas e é umapaisagem totalmente diferente de qualquer outra coisa.
  • Visite toda a Ilha de Páscoa de bicicleta
    Reprodução/Mobilize
    A ilha de Páscoa é um dos lugares mais encantadores do mundo, com seus misteriosos e gigantescos Moai. Existe uma trilha de terra batida para bicicletas que circula por toda a região e que passa por todas as estátuas famosas da ilha.
  • Conheça os castelos do Vale do Loire
    Reprodução/Mobilize
    O Vale do Loire fica no coração da França, e é uma região idolatrada pelos seus palácios suntuosos. Ainda que nem todas as rodovias do Loire sejam feitas para bicicletas, todos os motoristas são respeitosos o suficiente para garantir que este seja um dos melhores passeios da sua vida.
  • Corra nas trilhas de terra batida de Angkor
    Reprodução/Mobilize
    Uma das construções mais belas do mundo é, sem dúvidas, o templo de Angkor no Cambodia. A região é repleta de pequenas trilhas de terra batida que são perfeitas para explorar os diferentes templos locais.
  • Percorra Copenhague de Bike
    Reprodução/Mobilize
    Copenhague é considerada uma das melhores cidades para se andar de bicicleta no mundo, com uma estrutura praticamente ideal. Mais da metade de todas as rodovias da cidade possuem faixas para ciclistas, e a beleza da cidade apenas ajuda a tornar esta viagem ainda mais atrativa.
  • Volte a década de 50 em Havana
    Reprodução/Mobilize
    Havana possui menos estrutura para ciclistas do que outras cidades na lista, mas suas largas ruas, repletas de carros antigos, costumam a dar muito espaço para bicicletas. Uma das capitais da prática na América Latina, Havana tem muito a oferecer a todos os seus ciclistas.