OPINIÃO
16/09/2014 11:39 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:12 -02

Primeira parada: Santiago

Meus passeios no Chile basicamente foram: andar pela rua e observar a arquitetura, ir a museus e centros culturais, subir em morros e ver a cidade de cima, como San Cristóbal e Santa Ana.

Luis Davilla via Getty Images

Quando comprei minha passagem para a Austrália eu escolhi a companhia aérea Qantas, que é australiana e considerada uma das melhores do mundo. A rota era: São Paulo, Santiago, Sydney e finalmente Gold Coast. Eu perguntei para minha agente se seria possível eu adiantar minha passagem para ficar alguns dias em Santiago. Para minha surpresa não só era possível, como não haveria custo adicional. Por isso, se você tem um espírito aventureiro, por qual caminho que você for, tente fazer o mesmo, serão duas viagens pelo preço de uma.

No dia 11 de setembro eu embarquei, ao contrário do que muita gente me perguntou, a passagem não estava mais barata nesse dia fatídico para a história contemporânea. Também não fiquei com medo de sequestrarem o meu avião. Não acho que a rota São Paulo/Santiago seja de grande interesse para os terroristas internacionais. Contudo, a data realmente não era a melhor. No dia 11/09, há 41 anos, o Golpe Militar liderado pelo Augusto Pinochet foi realizado aqui no Chile. É uma data triste e polêmica. Fui inclusive aconselhado a ficar em casa à noite, pois poderiam acontecer muitos protestos violentos nas ruas.

Eu me hospedei na casa de um casal desconhecido de chilenos. Usei o serviço do Airbnb pela primeira vez e posso recomendar tranquilamente. Para quem não conhece esse site é como se fosse diversos anúncios para viajantes onde é possível alugar uma acomodação na casa de residentes locais. Normalmente esses quartos são preparados para receber viajantes. A diferença entre alugar pelo Airbnb e hotel é que não tenho direito ao café da manhã e nem serviço de quarto, mas por outro lado posso usar a cozinha, posso conversar e pedir dicas para os anfitriões e no meu caso, saí com eles para tomar um pisco sour.

Nunca havia ido para Santiago, era uma daquelas viagens que eu sabia que iria acontecer em algum momento da minha vida e por isso nunca havia planejado. Antes de viajar pesquisei pelas atrações turísticas e não encontrei muitas. As mais indicadas eram pequenas viagens como conhecer um vinhedo, ir para cidades praianas ou ir para a Cordilheira dos Andes. Ou seja, todas elas fora de Santiago. Eu não gostei da cidade, simplesmente não tocou meu coração. Ela é bonita, fiquei hospedado em Bellas Artes, um bairro histórico, perto de tudo que é ponto turístico e com muitos bares, restaurantes e cafés, e ainda assim, não gostei. Fiquei até um pouco entediado. Houve um dia que só choveu e fez muito frio, praticamente fiquei só no quarto e com zero culpa na consciência por "perder" um dia.

A comida chilena foi outro ponto que me decepcionou. Eu simplesmente não consegui comer bem. Em meu primeiro dia cheguei do aeroporto cerca de 4 da tarde, passando mal de fome, havia tomado apenas o café da manhã às 6 da manhã e um lanchinho no avião, deixei minhas malas em meu quarto e fui atrás de um restaurante. Parei em um café bem bonito e pedi panqueca de carne. Para minha surpresa a panqueca era bem diferente da brasileira, que é deliciosa, e pelo o que li no menu, também seria bem diferente da americana. Eu só não imaginava que existiria panqueca ao modo chileno. Era tão ruim que mesmo esfomeado eu não consegui comer nem metade. Como já era quase noite de 11/09, eu passei no mercadinho e garanti meu jantar: Doritos, bolacha e chá Lipton. No dia seguinte eu acordei esfomeado, na verdade a fome nunca havia passado... Procurei um café para o desayuno e comi um sanduíche de presunto e queijo, chocolate quente e suco de laranja. Paguei um valor que não sabia se era caro, ainda estava me acostumando com tudo custando alguns mil pesos. Andei pela cidade e encontrei em diversos outros cafés o mesmo desayuno, porém por um terço do valor. Até meus almoços foram mais baratos que esse café da manhã. Ainda sobre comida, em todo lugar turístico que fui encontrei a bebida tradicional do Chile chamada Mote con huesillos. Eu ganhei de um chileno após perguntar o que consistia aquela bebida com camadas. Monte com huesillos é uma bebida com algumas colheradas de grãos de trigo cozidos, que ficam depositados no fundo do copo transparente, um suco não identificado e dois pedaços de uma espécie de pêssego local desidratado. Vale mais como experiência do que por sabor...

Meus passeios no Chile basicamente foram: andar pela rua e observar a arquitetura, ir a museus e centros culturais, subir em morros e ver a cidade de cima, como San Cristóbal e Santa Ana. Esses dois passeios valem muito a pena. Outro lugar para ir é o museu Bellas Artes. Apenas a arquitetura interna e externa vale a ida. Lindo, lindo!

O lugar que menos gostei, e deveria dizer que odiei, foi o Mercado Central. Fui caminhando até o local justamente no dia que choveu e fez muito frio o dia inteiro. Deveria estar uns 6°C, chuva fraca na minha cabeça e eu andando na rua. Quando cheguei ao local eu fiquei perplexo. Por ser considerado um ponto turístico eu esperava algo bom, bonito e encantador como o Mercadão de São Paulo, a versão chilena só tem peixarias e restaurantes especializados em pescados. Andei por dentro e mesmo com meu nariz incrivelmente entupido, praticamente só conseguia respirar pela boca, eu consegui sentir o cheiro de banheiro sujo de boteco da rua Augusta por toda a extensão do Mercado. O fedor era muito forte e eu não entendia como as pessoas conseguiam fazer alguma refeição naquele lugar. Nunca tive uma náusea tão forte em minha vida. Se vier à Santiago não perca seu tempo com o Mercado Municipal.

Houve também um caso bastante frustrante que aconteceu comigo. Reservei um passeio pelas cidades de Vinã del Mar e Valparaíso que ficam a 90 minutos da capital e dizem serem lindas. O dia escolhido foi domingo, meu último dia completo na cidade e que faria sol e um pouco de calor. A empresa contratada chamada Rutas Chile não foi me buscar conforme parte do serviço, eu acordei às 7 da manhã e fiquei pronto para viajar e nada de eles aparecerem. Mandei Whatsapp, email e tudo o que eu poderia fazer e nenhuma resposta. Eu fiquei realmente puto, mandei e-mail reclamando da empresa para o Ministério do Turismo do Chile, dizendo o desfavor que ela faz ao turismo local, já que faltou profissionalismo, eu entrei em contato até com a embaixada brasileira, afinal de contas eles ficaram com meu número de cartão de crédito e uma falsificação é uma possibilidade. Como meu novo objetivo de vida é destruir a imagem da Rutas Chile eu não parei por aí, no aeroporto, no momento de ir embora eu fui entrevistado por uma funcionária do departamento do turismo chileno, ela queria saber se havia gostado do país e quanto gastei. Eu respondi duramente que odiei o país, que não recomendo para ninguém e que o país não está preparado para receber turistas. Obviamente citei a Rutas Chile a cada frase e deixei bem claro que a toda boa impressão que poderia ter foi apagada pela empresa. A moça ficou realmente impressionada e disse que irá investigar o ocorrido e a postura da empresa. Até anotou meu e-mail. Claro que essas minhas respostas não foram sinceras, eu queria ferrar a empresa que ferrou meu domingo. Não parou por aí, antes disso quando fui fazer o check-in havia muitos repórteres no aeroporto entrevistando as pessoas. Adivinha quem foi entrevistado enquanto amarrava o cadarço do tênis? Sim, eu! As perguntas quais eram? Sobre turismo. Quando estava finalizando a entrevista falei com meu portunhol "Yo tengo uma denuncia muy importante a hacer!". E lá fui eu acabar com a reputação da Rutas Chile na tevê. O repórter era sensacionalista e ficou me perguntando mais e mais. Parecia o Datena entrevistando uma mãe que acaba de perder um filho morto pela violência. Algo me diz que passei na tevê...

Última dica de Santiago. Baixe um app chamado Santiago, ele tem todo o mapa da cidade para consultar de modo off-line. Ele me ajudou muito.

Terminei o texto em solo chileno, mas irei revisar na Austrália e de lá posto. Próximo post será sobre minha viagem e primeira impressão do meu novo lar!

Acompanhe mais artigos do Brasil Post na nossa página no Facebook.

Para saber mais rápido ainda, clique aqui.

MAIS VIAGEM NO BRASIL POST: