OPINIÃO
17/03/2015 10:12 -03 | Atualizado 26/01/2017 22:12 -02

Igualdade de gênero no centro dos debates na ONU

Para o chefe da ONU, é importante reconhecer o "papel crucial dos homens na mudança de mentalidades". Ban disse que no século 21, "homens poderosos de verdade são aqueles que acreditam e trabalham pelo empoderamento feminino".

Foto: ONU/Devra Berkowitz

"Queremos igualdade de gênero e queremos agora!". Assim, a diretora-executiva da ONU Mulheres, Phumzile Mlambo-Ngcuka, e uma multidão deram início a uma marcha promovida pelas Nações Unidas e pela prefeitura de Nova York, para celebrar o Dia Internacional da Mulher.

Milhares enfrentaram o frio de 5° C e caminharam na tarde de domingo, 8 de março, pelas ruas da região central de Nova York, cidade "pioneira" na luta pelos direitos das mulheres, como lembrou a primeira-dama Chirlane McCray.

A primeira-dama de Nova York lembrou a marcha ocorrida em 1908, quando 15 mil mulheres caminharam pedindo melhores salários e direito de voto.

Já o secretário-geral da ONU fez um pronunciamento e pediu que a igualdade de gênero esteja no topo da agenda internacional. Ban Ki-moon falou que progressos importantes foram feitos desde a adoção, há 20 anos, da Declaração de Pequim, um documento modelo sobre autonomia feminina.

Mas na avaliação de Ban, os progressos estão lentos e desiguais. Ele quer que a igualdade de gênero seja alcançada até 2030.

A Comissão sobre o Estatuto da Mulher, CSW, iniciou sua sessão anual na manhã de segunda-feira, 9 de março, na sede das Nações Unidas, em Nova York.

Na Assembleia Geral, o secretário-geral abriu os discursos dizendo que 2015 é um ano vital para avanços na igualdade de gênero. Ban Ki-moon destacou que as mulheres continuam sofrendo de forma desproporcional com a crise econômica, com os impactos da mudança climática e com deslocamentos causados por conflitos.

Para o chefe da ONU, é importante reconhecer o "papel crucial dos homens na mudança de mentalidades". Ban disse que no século 21, "homens poderosos de verdade são aqueles que acreditam e trabalham pelo empoderamento feminino".

O secretário-geral condenou também "grupos extremistas que continuam atacando mulheres e meninas de forma sistemática" e afirmou que a campanha da ONU "UNite" continuará lutando pelo fim de todas as formas de violência de gênero.

Ao longo da semana, representantes de governos, da sociedade civil e da ONU estiveram na sede da organização debatendo diversas questões relacionadas à igualdade de gênero e combate à violência a mulheres e meninas.

A secretária-executiva da Secretaria de Políticas para as Mulheres do Brasil, Linda Goulart, declarou que violência contra mulheres é uma das principais preocupações do governo, não só no Brasil, mas também no exterior.

Em entrevista à Rádio ONU, ela mencionou um serviço chamado "Ligue 180". Segundo a secretária-executiva, "a mulher pode ligar para esse número e a denúncia é feita imediatamente aos órgãos responsáveis. E este número inclusive, foi expandido para 15 países. Nós antes atendíamos Portugal, Espanha e Itália e agora nós estamos atendendo mais 12 países. Isso mostra que estamos preocupados em atender as mulheres tanto do Brasil, como as mulheres brasileiras no exterior também."

A secretária-executiva disse que ao receber a denúncia, a Secretaria entra em contato com as autoridades da polícia federal e num trabalho conjunto com o Ministério das Relações Exteriores, faz contato com a polícia do país de onde a denúncia foi feita, para que juntos possam proteger a mulher e prender o agressor.

A ex-secretária de Estado norte-americana participou de num evento com líderes empresariais, de governos e da sociedade civil na sede das Nações Unidas. Hillary Clinton afirmou que, apesar dos obstáculos, este é o melhor momento na história para se nascer do sexo feminino.

A atriz americana Geena Davis afirmou que "a igualdade de gênero nos filmes e programas de TVs para crianças vai levar 700 anos para ser alcançada se a tendência das últimas duas décadas for seguida".

Davis participou de um debate sobre as "Mulheres e a Mídia" coordenado pela Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura, Unesco, na sede da ONU, em Nova York.

No evento paralelo a 59ª sessão da Comissão sobre o Estatuto da Mulher, a atriz disse que a "escassez de personagens femininos em shows para crianças menores de 11 anos pode ser resolvida da noite para o dia".

Ela fundou o Instituto Geena Davis sobre Gênero na Mídia. Segundo a atriz, dados de pesquisas feitas pela organização mostram resultados "perturbadores de como "são poucos os personagens femininos nos filmes que têm como alvo as crianças".

A 59ª sessão da CSW acontece na sede da ONU em Nova York até o dia 20 de março com representantes de governos, de agências das Nações Unidas e da sociedade civil.

Acompanhe outras notícias da Rádio ONU