OPINIÃO
16/02/2016 11:18 -02 | Atualizado 26/01/2017 22:31 -02

O analfabetismo apolítico de Tico Santa Cruz

Rodrigo Wrublewski via Getty Images
SAO PAULO, BRAZIL - APRIL 09: Tico Santa Cruz of band Raimundos performs on stage before a concert by Brazilian band Charlie Brown Jr on April 9, 2010 in Sao Paulo, Brazil. (Photo by Rodrigo Wrublewski/LatinContent/Getty Images)

Tico Santa Cruz, um rebelde de boutique que adora espalhar sua sabedoria pelo Facebook, perpetrou recentemente em sua página um texto sobre classes sociais e posições políticas. Como o esperado, só escreveu baboseira. Isso se pudermos chamar aquilo de "escrever".

Segundo o filósofo pós-moderno, ser pobre e de direita é estar ao lado daqueles "que acham que o mercado é mais importante que o ser humano". É claro que Tico não faz ideia de que os que mais defendem o ser humano, o indivíduo, são justamente aqueles considerados "de direita": os liberais e os conservadores.

Quem coloca abstrações, causas e sonhos acima da vida humana são os que acreditam em ideologias coletivistas, ou seja, a esquerda. É nas vertentes da esquerda que pessoas são sacrificadas em nome de um partido ou da "revolução". E isso não sou eu quem está dizendo, é a história. Talvez Tico devesse estudar um pouco.

Na mente iluminada de Tico, a direita não se importa com o salário dos pobres, pois, "quanto mais barata a mão de obra melhor [sic]". Ele não sabe que os países com o maior índice de liberdade econômica, bandeira defendida pelo que chama de "direita", são, coincidentemente, aqueles nos quais os pobres têm melhor qualidade de vida. A Dinamarca, cujas leis trabalhistas são tão flexíveis que nem preveem salário mínimo, está entre os três países que pagam o maior salário bruto anual aos seus trabalhadores.

Tico, cujos textos revelam que entende de política o que entende de gramática, ainda chega ao cúmulo de afirmar que a tal "direita" defende que o Estado não cuide nem da saúde nem da educação ou da segurança. Confesso que é a primeira vez que vejo alguém confundir liberais e conservadores com anarquistas, mas, se Tico escreve, então tudo é permitido...

O fato é que nós, liberais, acreditamos, sim, que o Estado deva cuidar dos mais necessitados. Mas não por intermédio de serviços públicos de péssima qualidade.

Queremos que o pobre possa estudar na escola do rico. Que, quando ele fique doente, possa ser atendido num hospital de qualidade. E defendemos o sistema de vouchers (vales ou bolsas) para isso.

Famílias de baixa renda, em vez de morrerem na fila do SUS ou mandarem seus filhos para alguma escola pública que sirva de centro de recrutamento para o tráfico, devem ganhar vales do governo para matricular seus filhos em escolas particulares e para ser atendidas em hospitais privados. O custo para o Estado seria muito menor, e a qualidade dos serviços, superior.

Dedicando-se a um patético malabar argumentativo, Tico acha incompreensível que um pobre esteja indignado com a corrupção de um governo de esquerda, que teria melhorado muito a sua vida. Na cabeça deste notável pensador, a pobreza é composta de gatas borralheiras, que só melhoram de vida se tocadas pela varinha mágica do Estado. Para esse gênio, todos os escândalos de corrupção foram mero "vacilo" do governo.

Vacilo é andar distraidamente e tropeçar. Vacilo é supor que tico seja ao menos alfabetizado. Transformar a corrupção em método de governo não é "vacilo", é crime. E lugar de criminoso é na cadeia.

Tico ignora, e há pesquisas que o evidenciam, que a esmagadora maioria dos pobres é... de direita! Afinal, eles não têm tempo, nem teriam paciência, para as teses iluminadas da petista Marilena Chauí, aquela que odeia a classe média que trabalha e arrecada impostos, ou o discurso de Thomas Piketty sobre a desigualdade, com suas contas fraudadas (como as de uma certa presidente). Diferentemente de você, Tico, os pobres estão ocupados demais lidando com a dura realidade que um governo inepto lhes impõe.

Dizem que quem não é socialista até os 20 não tem coração, e que quem continua depois dos 40 não tem cérebro. A frase com certeza não se encaixa no atual cenário político do país. Hoje, basta um pouquinho de coração para enxergar que tudo o que o governo petista vem fazendo é arruinar sonhos.

Milhões de pessoas que experimentaram uma momentânea ascensão social em razão do endividamento - de si mesmas e do governo - hoje têm dificuldades até para comprar comida. O "filho do metalúrgico" que entrou na universidade teve de largar o curso no meio por causa dos cortes no FIES. O "filho da empregada" que andava de avião perdeu o emprego e não consegue pagar nem a passagem de ônibus. O petróleo que era "nosso" tornou-se propriedade de um partido político.

Tico não enxerga nada disso. Não por ser de esquerda. Existem esquerdistas brilhantes e direitistas boçais, e vice-versa. Não é que ele tenha ideias erradas. Ele não tem ideia nenhuma. É um papagaio de desinformação, um torcedor político. Veste a camisa daquilo que considera ser uma ideologia e acredita que quem discorda dele ou é burro ou é mal-intencionado. Sua ignorância é pura e simples. Não tem partido nem ideologia. Só é barulhenta.

LEIA MAIS:

- Direita, o inimigo imaginário de Jandira Feghali

- Camisa negra e gravata vermelha

Também no HuffPost Brasil:

10 séries de TV para quem gosta de política

SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS: