Opinião

Dica de um meditador faixa branca: pratique o 'headspace'

Nunca consegui transformar meditação em rotina, mas recentemente tenho atravessado um parque todos os dias e aproveitei para faz um exercício para acalmar a correria dos pensamentos.
Esta postagem foi publicada na plataforma, agora fechada, do Colaborador do HuffPost. Os colaboradores controlam seu próprio trabalho, que são postados livremente em nosso site. Se você precisa denunciar este artigo como abusivo, envie-nos um e-mail.

Nunca consegui transformar meditação em rotina, mas recentemente tenho atravessado um parque todos os dias e aproveitei para faz um exercício para acalmar a correria dos pensamentos. Ontem uma ficha sobre isso caiu contemplando a expressão inglesa "headspace".

Eu nunca tinha transformado o som em imagem - traduzindo literalmente: "espaço na cabeça". E isso teve um efeito de ganho de qualidade na minha caminhada meditativa.

Imagine isso: um espaço vazio na sua cabeça, como se o lugar do cérebro e inclusive todo o topo da cabeça estivesse aberto e exposto, como se você estivesse sem o tampo de cima do crânio e o vento passasse por ali e não tivesse mais nada.

A imagem desse vazio casou bem com a rotina meio chata de "concentrar na respiração". Esse vazio virou uma espécie de anti-pensamento, uma ação que deixa o resto fora mas não põe nada no lugar. Parece que uma luz acendeu, mas não era luz: era um espaço vazio.

E o curioso - vou dar uma viajada aqui - é que estar "sem o cérebro" não significa que você para de pensar, mas que para de pensar com a cabeça. O corpo se torna o alvo da percepção e eu ia sentindo mais frequentemente algumas ansiedades materializadas em tensões nos ombros.

É só isso, mas de repente, pode ajudar mais alguém.

Acompanhe mais artigos do Brasil Post na nossa página no Facebook.

Para saber mais rápido ainda, clique aqui.

TAMBÉM NO BRASIL POST:

14 dicas para desplugar